BBM Lista – 5 autores de mangás que tiveram problemas com a Lei

Os mangakás criminosos…

Por mais que muita gente idolatre os autores por suas criações, artistas são seres humanos como quaisquer outros e podem eventualmente ter uma conduta que não apreciaríamos em ninguém, manchando a imagem que temos deles. Hoje iremos relembrar 5 artistas que tiveram problemas com a lei no Japão (4 autores de mangás e 1 autor de light novel).

  • Kazuichi Hanawa

Provavelmente você não conhece esse autor, mas Kazuichi Hanawa já teve uma obra publicada no Brasil e uma obra emblemática para o tema desta postagem. Ele é o responsável pelo mangá Na prisão (刑務所の中), lançado em 2005 pela editora Conrad.

Na Prisão. Foto: Guia dos Quadrinhos

Hanawa era um profundo entusiasta das armas de fogo e no ano de 1994 ele foi detido por porte ilegal de armas, enquanto testava suas novas armas em uma montanha. O autor foi condenado a três anos de prisão em regime fechado pelo seu crime. O mangá Na prisão é justamente um relato autobiográfico dessa experiência.

  • Mamare Touno

Um dos casos mais recentes de autores com problemas com a lei japonesa foi o de Umezu Daisuke, nome verdadeiro de Mamare Touno, autor da light novel Log Horizon (ログ・ホライズン). Em dezembro de 2015, o autor ficou preso em prisão domiciliar pelo não pagamento de impostos.

Log Horizon. Foto: NewPOP

Sua empresa de licenciamento foi acusada de ter deixado de pagar trinta milhões de Ienes (quase 1 milhão de reais pela cotação da época) em impostos para o governo japonês. Em abril do mesmo ano o autor já havia sido acusado de evasão fiscal por supostamente deixar de registrar 122 milhões de Ienes (quase 4 milhões de reais ) nos últimos três anos.

Em abril de 2016, o autor foi julgado e considerado culpado. Ele foi condenado a devolver todo o valor devido aos cofres públicos. Além disso, Mamare Touno foi sentenciado há 10 meses de prisão pelo ocorrido. Felizmente para ele a pena acabou suspensa por três anos, o que significa que se ele se portar bem, não precisará ir para a cadeia.

  • Mitsutoshi Shimabukuro

Mitsutoshi Shimabukuro é conhecido no Brasil como o autor de Toriko (トリコ), sua obra mais famosa por aqui. O que nem todos sabem ou se lembram é que o artista foi mais um que teve problemas com as leis japonesas.

Toriko. Foto: Panini Mangás

Em 2002, Shimabukuro foi preso por abuso de menor de idade em uma investigação relacionada a prostituição de alunas do secundário. Ao que se sabe, a investigação mostrou que em novembro de 2001 ele havia ido a um hotel com uma menina de 16 anos que ele havia conhecido por meio da Internet. Alguns meses após o caso, o autor foi condenado a dois anos de prisão por seu crime, entretanto sua pena foi suspensa por quatro anos. Ou seja, caso se comportasse bem durante quatro anos, ele não precisaria cumprir os dois anos de cadeia.

Na época, o autor fazia uma série chamada Seikimatsu Leader Den Takeshi (世紀末リーダー伝たけし!) e devido à repercussão do caso, a Shueisha acabou cancelando o mangá tempos depois. A atitude da Shueisha acabou sendo alvo de críticas de alguns autores, um deles Eiichiro Oda. Apesar do ocorrido, o autor acabou voltando a publicar mangás e está na ativa até hoje. Toriko é a série mais longa do autor.

  • Nobuhiro Watsuki

O caso mais recente da lista, sem dúvida, é o de Nobuhiro Watsuki, criador de Rurouni Kenshin (るろうに剣心 -明治剣客浪漫譚-). Em novembro de 2017, Watsuki foi pego em posse de pornografia infantil. Segundo a polícia japonesa o autor possuía muitos DVDs contendo meninas nuas e armazenou esses vídeos em um escritório em Tóquio. A acusação contra Nobuhiro Watsuki diz que ele teria esses vídeos pornográficos desde julho de 2015 e a polícia chegou a ele por acaso, enquanto investigava outra coisa.

Em seu testemunho, o mangaká confirmou que gostava de meninas bem novinhas. No Japão, a posse de pornografia infantil é considerado crime apenas desde 2015 e traz uma penalidade de até um ano de prisão e uma multa de até um milhão de ienes se for considerado culpado.

Rurouni Kenshin. Foto: Editora JBC

Em fevereiro de 2018, a pena foi divulgada. O ministério público japonês arquivou o indiciamento e o autor teve que pagar uma multa de apenas 200 000 Ienes (cerca de 6000 reais), uma multa ínfima.

Apesar disso tudo o seu mangá atual – Rurouni Kenshin – Hokkaido Arc (るろうに剣心-明治剣客浪漫譚・北海道編-) – não sofreu danos. O título foi paralisado enquanto havia a investigação e tempos depois da sentença ter sido pronunciada, a Shueisha resolveu dar continuidade ao mangá, pois nas palavras da editora, o autor estaria vivendo uma vida de reflexão e a Shueisha e Watsuki decidiram retomar a obra em resposta ao anseio dos fãs.

Em outras palavras, apesar do crime gravíssimo o autor saiu praticamente ileso…

  • Takeshi Obata

Sim, o desenhista de Death Note, Bakuman e Platinum End também teve problemas com a justiça e uma das mais inusitadas possíveis. ele foi detido por porte de arma branca em setembro de 2006. Pelo que se sabe, o autor teve seu carro parado e ele estava de posse de uma faca com lâmina maior do que é permitida pela lei japonesa (6 cm).

Death Note. Foto: Guia dos Quadrinhos.

A faca, na verdade, era um do tipo canivete e media 8,6 cm. A explicação do autor é que o canivete seria para uso de Camping, mas essa não foi considerada uma justificativa plausível e ele acabou levado para a delegacia. A punição dele, porém, foi leve, apenas uma multa. Ele só seria condenado à prisão se a arma estivesse relacionado a um assalto ou crime parecido.

Se você sabe japonês, neste link há uma tirinha com Death Note em que parecem estar brincando com esse episódio.


Provavelmente há outros casos de autores que tiveram problemas com a lei, mas nos detivemos nestes cinco. Você conhece mais algum caso de um autor de mangá que teve problema com a lei? Nos diga nos comentários^^.

Anúncios

11 comentários

  1. Caramba, quer dizer então que o autor de Log Horizon fez mais de 4 milhões em 3 anos? E olha que ele nem é um dos autores de LNs ou mangakás mais famosos do Japão, imagine então a fortuna acumulada do Oda nesses 20 anos que ele faz One Piece.

    Curtir

  2. É assustador a forma como crimes relacionados a menores de idade no Japão é tratado, bizarro ainda é ver como teve autores q defenderam o Shimabukuro, lembro até q usaram a desculpa do “Ele n sabia q ela era menor.
    E doidera essa do canivete, uma coisa q pra muitos deve ser besteira e os cara levaram a sério.

    Curtido por 1 pessoa

    1. No Japão armas de fogo em sua enorme maioria são proibidas, logo a Yakuza e tal passou a usar bastante arma branca (katana e coisas assim), sendo necessário então ainda maiores restrições. Atualmente, se não me engano, a arma preferida dos “criminosos” é a faca de sushi. Ela é bem longa, leve e pontuda, perfeita para perfurar, sem contar que é feita para ter um corte super afiado. No fundo a lei é para manter essas armas fora da rua, mas o autor marcou bobeira.

      Curtido por 1 pessoa

  3. E pior que “Seikimatsu Leader Den Takeshi” ainda foi relançado no selo da Shueisha, Jump Comics Deluxe que é a versão mais bem trabalhada dos tankobons e ainda é vendido normalmente digitalmente.

    Curtir

  4. Que vergonha, Shimabukuro e Watsuki, principalmente o último cuja magnum opus tem uma pegada mais séria e reflexiva sobre a existência humana. Muitos desses autores devem ser tudo pervertido, vide e erotização das colegiais em suas obras: seis esdruxulamente fartos para a satisfação dos onanistas de plantão.

    Curtir

    1. . Samurai X é um dos shounens famosos mais “castos” que tem. Realmente torna-se uma grande contradição quando então analisamos a obra e o criador, e as outras obras e criadores do meio. Mas o que esperar de um país que proíbe exposição de genitais até em seus próprios filmes pornos, mas acha normal adolescente de 14, 15 anos fazerem fotos sensuais e serem idols de um monte de adulto?!

      Curtir

  5. É bizarro saber que ter uma arma de fogo (que nem crime deveria ser) é mais grave do que pornografia infantil no Japão. Que país cheio de contradições. Ao mesmo tempo que tem uma lei proibindo que genitálias sejam expostas, não ligam nem um pouco que adolescentes de 15 anos, as idols, façam fotos sensuais, ou que se tenha, como no caso do Watsuki, material infantil. O que dizer disso?!

    Curtir

    1. Japão tem proibição de armas de fogo desde muito tempo, também é um país com pouquíssimo homicídio, assalto e coisas do gênero. É um dos exemplo mais comentados, junto com a Austrália e alguns países da Europa, quando o assunto é benefícios da proibição de arma de fogo. Muita falta de noção criticar a política deles nesse aspecto.

      Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s