Resenha: Ela e o Seu Gato

Um slice of life para os amantes de gatos

Em 1999, o hoje famoso diretor Makoto Shinkai criou um pequeno filme de animação chamado 彼女と彼女の猫 ou como ficou conhecido por aqui Ela e o Seu Gato. O curta possuía cerca de 5 minutos e falava sobre a vida de uma moça, jovem adulta, pela perspectiva do gato.

Anos depois, em 2016, esse curta foi adaptado para duas mídias, uma série de 4 episódios de animação, de cerca de 7 minutos cada, e um mangá, volume único, a cargo de Tsubasa Yamaguchi. A série de animação está disponível no Brasil via Crunchyroll e ela é uma prequel ao curta de 1999. A adaptação em mangá, por sua vez, foi licenciada pela editora NewPOP e publicada agora em janeiro de 2019. Essa versão, diferente da série, adapta e atualiza o curta de 1999.

Tratam-se, portanto, de experiência diferentes muito embora o tema recorrente neles seja o mesmo, a dificuldade de adaptação na vida adulta. Aqui viemos falar do mangá e apresentar a vocês a essência dele para que você decida se vale a pena ou não comprar.

  • Sinopse Oficial

“Era um dia de chuva, no começo da primavera. Eu fui acolhido por ela.” Um gato e uma garota que mora sozinha se conhecem na primavera… ao viver sozinha, ela aprende a alegria e a solidão de ser independente, enquanto o gato, que recebeu o nome de Chobi, descobre a existência do mundo através dessa garota. O tempo desses dois passa lentamente, mas a severidade do mundo acaba por alcançá-la…

  • História e desenvolvimento

Ela e o Seu Gato é um drama slice of life sobre a vida adulta e sobre não saber lidar com todos os problemas do início da carreira, o trato com a família e amigos, entre outras coisas. Acompanhamos a obra a partir do ponto de vista de um gato, chamado de Chobi, a quem a protagonista Miyu adota em um dia de chuva.

Vemos a vida dessa garota em seu primeiro ano no emprego, recém entrada no mundo dos adultos e enfrentando diversos percalços em seu trabalho, percalços esses até mesmo de ordem social, com ela tendo dificuldades, inclusive, de manter uma conversa com os colegas de emprego. O mundo dos adultos, na maioria dos empregos, espera-se que você saiba conversar e se você não consegue falar adequadamente com seus colegas, problemas podem surgir.

Nada disso é mostrado, porém. Não há nenhuma cena em que a vida no trabalho da garota vira o foco da obra, o que vemos é Miyu em sua casa e o gato Chobi bem a seu lado, vendo o rosto preocupado dela e as falas até certo ponto aleatórias que ele não compreende, mas que tem muito significado para nós, leitores, que aos poucos vamos montando o quebra cabeças dos problemas da jovem.

O gato, por seu turno, vê a garota feliz em alguns momentos, vê ela pensativa em outros, vê ela trabalhando em casa, vê ela ignorando os telefonemas da mãe, vê ela chorando. Toda a vida adulta da garota é vista ali pelo gato. E nós acompanhamos da mesma forma, vendo o sofrimento da garota ao longo do tempo.

O mangá nos mostra que a vida adulta é difícil das mais diversas formas possíveis e que erros podem acontecer independente do seu esforço em uma atividade. A protagonista não é outra coisa que não uma jovem comum, ainda perdida no mundo dos adultos, ainda se adaptando a ele, ainda tendo que recorrer a livros para saber o que falar em determinadas situações, etc. Se você estiver na mesma fase da vida da protagonista será fácil você se identificar com ela, com suas preocupações, com as lágrimas por ela derramadas, etc. Se você já passou dessa idade, talvez reconheça traços do passado, em que a vida parecia se mostrar difícil, com uma adaptação não muito fácil.

A obra não se aprofunda sobre as questões, sobre o sentimento da protagonista e sobre o íntimo dela, afinal, vemos pelo ponto de vista do gatito ali presente. Ainda assim o mangá nos mostra o panorama interessante sobre a dificuldade de se tornar adulto e os conflitos internos passados nessa fase. É um mangá que, se bem apreciado, tem muita coisa a mostrar, ainda que repticiamente, nas entrelinhas.

Não é, porém, um mangá que mudará a sua vida. Ele não está no nível de outras obras que tratam do mesmo tema, como Solanin, mas ainda assim é um título que dá para se divertir e até pensar sobre algumas questões.

-Um Shinkai diferente?

Seja no curta de 1999, seja nas adaptações em animê e mangá de 2016, Ela e o Seu Gato apresenta um Makoto Shinkai diferente, tratando de um tema que não é muito recorrente em suas obras. Na verdade, se você viu mais de uma obra dele, certamente você deve ter notado que Shinkai vive tocando na tecla da separação pela distância. Se repetindo a cada obra, sempre de uma maneira diferente.

Em 5 centímetros por segundo, os amigos de infância se afastam pelo trabalho dos pais, cada um morando em uma cidade, em The Voices of a Distant Star, os dois protagonistas estão separados por uma distância incontável, não podendo nem se comunicar por mensagens, pois elas demoram meses ou anos para chegar. Em Your Name., novamente o tempo e o espaço é o que separa os personagens, cada um dos personagens principais morando em uma cidade e em um tempo diferente.

Em Ela e o Seu Gato isso está longe de ser algo que permeie a obra. Você tem a protagonista afastando das pessoas, mas isso é algo pequeno, quase apenas um rastro, que é ofuscado pelo tema central de falar sobre a vida adulta.

Entretanto, mesmo assim, você ainda reconhece o Shinkai na obra. A perda – outro tema recorrente no autor presente em obras como Viagem para Agartha – está ali de um modo ou de outro, seja na figura da morte (na adaptação em animê), seja na perda do contato com as pessoas de quem você gosta ocasionadas pela vida adulta. O toque intimista também está sempre presente. Então, por mais diferente que seja a obra, o Makoto Shinkai que todos conhecem está ali.

Ela e o Seu Gato é um título muito interessante e que deve ser apreciado nas três versões. Se tiver a oportunidade não deixe de conferir. O mangá foi lançado pela NewPOP, então você deve encontrar facilmente ele em várias lojas. A adaptação em animê de 2016 está disponível na Crunchyroll. Já o curta original não está disponível oficialmente no Brasil, mas é possível encontrá-lo no Youtube.

  • A edição nacional

A edição brasileira de Ela e o Seu Gato foi publicada com as dimensões 12,8 x 18,1 cm (semelhante ao formato original japonês) com miolo em papel offset, além de algumas páginas coloridas em couchê. As capas internas também foram coloridas, embora não tenham um desenho nelas. O preço do mangá foi R$ 18,00. É aquela edição padrão da NewPOP, muito bem feita e que permite folhear e ler o mangá sem problemas.

Quanto ao texto ele está bem adaptado e fluído na medida do possível, permitindo uma leitura bem prazerosa. Só não está perfeito por um momento ou outro que soa estranho, mas nada que atrapalhe de fato a experiência.

  • Conclusão

Ela e o Seu Gato não é o melhor mangá adaptado de uma obra de Makoto Shinkai, também não é o melhor mangá que trata sobre as dificuldades da vida adulta, provavelmente também não é o melhor quadrinhos sobre gatos, mas ainda assim é uma narrativa interessante e prazerosa.

Não é uma obra que mudará a sua vida, não é uma obra que você dirá “olha que incrível”, mas é um título bem legal de se ler (e se você gosta de gatos adorará ver os pensamentos do bichano, além das atitudes e as caras dele ao longo do volume^^).

  • Ficha Técnica

Título: Ela e o Seu Gato
Autor: Makoto Shinkai; Tsubasa Yamaguchi
Tradutor: Karen Kazumi Hayashida
Editora: NewPOP
Dimensões: 12,8 x 18,1 cm
Miolo: Papel offset
Acabamento: Capa cartonada, com algumas páginas coloridas em couchê
Classificação indicativa: 14 anos
Preço: R$ 18,00
Onde comprarAmazon

Anúncios

3 comentários

  1. Os fãs do Shinkai que me desculpem, mas The Voices of a Distant Star é muito chato >< Se 5 Centimeters Per Second não fosse uma obra prima eu provavelmente nunca mais assistiria mais nada dele!

    Curtir

    1. Comigo é quase o contrário, se eu não tive assistido Kimi no Na Wa eu nunca assistiria mais nada dele, foi esse filme que me impulsionou a ver outras obras do Shinkai. Antes de Kimi no Na Wa eu assisti Byousoku 5 Centimeter acho que em 2013, achei um porre, achei tão chato que na verdade eu nem ia ver Kimi no Na Wa, segurei o filme por 1 ano e pouco antes de ver.

      Curtir

    2. Li ambos, e não achei, realmente, nada excepcional. O mesmo vale para O Jardim das Palavras. É sempre mais do mesmo. Your Name, igualmente.

      Curtir

Deixe uma resposta para Vinicius Martins Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s