O meu método de comprar mangás

Como me organizo para não passar apertos?

Comprar mangás pode muitas vezes ser uma arte própria que exige pesquisas, planejamento e decisões importantes para não impactar outras áreas da nossa vida. De onde cortar o dinheiro para essa nova obra? Comprar esse título no lançamento ou esperar promoção? Abandonar ou não abandonar esse mangá? Etc.

Hoje eu venho falar a vocês o meu método de comprar mangás e como me organizo para poder adquirir tudo o que eu quero. Vem ver :).

  • O Valor X

Não sei se muita gente faz isso, mas eu costumo todos os meses destinar um Valor X para a compra de mangás, assim eu vou encaixando o que posso e o que não posso comprar dentro dos limites desse valor. Desse modo, se eu quero adquirir 10 mangás em um dado mês, mas o Valor X só me permite 9, eu comprarei apenas 9 e o décimo (aquele que eu menos gostar) será adiado para algum momento no futuro.

Entretanto, os preços estão subindo muito (alimentos, transporte, etc), sem que o salário aumente proporcionalmente e o resultado é que eu não posso aplicar a mesma quantidade de recursos de anos anteriores para esse Valor X. E com o preço dos mangás também subindo, naturalmente eu tenho que diminuir as minhas compras. Ou seja, se antes eu comprava de 15 a 20 mangás por mês, com o tempo isso foi diminuindo para 10, para 7 e hoje varia de 3 a 5 a depender do que sai durante os 30 dias.

Isso não quer dizer, porém, que eu não ultrapasse esses limites uma hora ou outra. Às vezes os meus gastos acabam por ser bem maiores do que o estipulado no Valor X, mas eu raramente desequilibro minhas finanças, pois eu tenho  uma outra “caixinha de dinheiro”, que podemos chamá-la de Valor Y.

  • O Valor Y

Todos os meses, eu também destino uma parte do meu orçamento para uma “caixinha extra”, o Valor Y, uma espécie de reserva de emergência, embora esse não seja o nome apropriado para esse dinheiro. Basicamente ele (o dinheiro) vai sendo guardado mês a mês, de pouquinho a pouquinho, para as mais diversas finalidades e eventualidades possíveis.

Nessa “caixinha”, por exemplo, eu vou juntando dinheiro para pagar pelas assinaturas. Desse modo quando uma editora abre um plano de uma obra que eu gosto, eu resgato a grana e pago pela assinatura, de modo que não preciso ficar me preocupando em comprar aquele mangá ou aquela light novel toda vez que sair volume novo. Eu prezo muito pela praticidade, então para mim é bem mais comodo assinar um título e receber ele em casa do que ficar comprando mês a mês.

Uma das assinaturas que fiz recentemente…

Também é nessa caixinha que eu vou juntando dinheiro para comprar coisas mais caras ou para aproveitar alguma promoção que me permita colocar em dia séries atrasadas. É também daqui que sai o dinheiro para as notórias compras por impulso.

Claro que nem sempre esse valor Y é suficiente para eu realizar uma compra que eu queira e aí a aquisição de um produto acaba sendo adiada. Um exemplo é o caso do relançamento de Another. A editora JBC anunciou o box em fevereiro de 2018 e o lançou já em março custando uma fortuna (R$ 129,00). Mesmo tendo várias promoções em 2018, eu só fui conseguir adquiri-lo nesse início de 2019, por não ter o valor disponível no momento em que as promoções ocorriam e dar prioridade a outras séries ao longo do ano.

Ainda assim, eu considero esse planejamento essencial para as minhas compras, pois realmente me permite me programar bem e conseguir comprar coisas que eu quero no momento em que eu quero.

  • Juntando dinheiro para uma compra cara

Uma coisa que eu acho importante dizer é que eu odeio ter dívidas, então para conseguir comprar uma coisa e essa coisa é muito cara eu preciso juntar dinheiro com antecedência, de modo que eu possa pagar por ela à vista quando o produto for lançado ou quando tiver uma boa promoção. Assim eu tenho feito nos últimos anos.

Atualmente, por exemplo, eu já tenho todo o dinheiro necessário para pagar pelo artbook de Re: Zero. Eu não sei qual será o preço, mas eu imagino que seja bem caro, afinal o artbook vem em um box com duas novels o que deve deixar o produto com um valor muito elevado. Eu extrapolei um pouco a previsão e coloquei por volta de R$ 150,00 e eu já tenho essa quantia reservada. Se custar um pouco mais é só eu pegar o que tiver disponível na caixinha Y ou pegar os valores da caixinha X e atrasar as outras compras do mês.

Outro título que também estou guardando dinheiro há bastante tempo é o mangá A distant Neighborhood, de Jiro Taniguchi, que sairá pelo selo Tsuru, da editora Devir. Ele terá cerca de 400 páginas, então estou usando como base o mangá mais caro do selo com essa quantidade de páginas, o Nonnonba, então eu guardei 90 reais para adquirir o título.

Basicamente, para ambos os casos, eu fui guardando dez a vinte reais em um mês, dez a vinte em outro, trinta em mais um e por aí vai até formar o valor estipulado. O fato de as obras não terem sido lançadas logo após serem anunciada foi um grande alívio, pois isso me permitiu ter bastante tempo para ir juntando o dinheiro. Se a NewPOP ou a Devir lançasse o produto muito rapidamente, como foi no caso do Another pela JBC, provavelmente eu não iria conseguir comprá-lo na época do lançamento como eu tanto desejo.

  • Atrasos são importantes

Nem todo mundo é rico e tem dinheiro sobrando para gastar do nada, então eu sempre prefiro que as editoras anunciem seus títulos e demorem para lançá-los. Em outras palavras, eu prefiro o método NewPOP de anunciar e se esquecer que aquela obra existe, do que o método atual da Panini de anunciar um título e no mês seguinte começar a publicá-lo.

É lógico que eu preferiria que a editora anunciasse a obra e já desse uma previsão de lançamento (algo como “esse título começará a ser publicado apenas em fevereiro de 2034, mas já estamos avisando que a licença é nossa”^^), mas antes demorar a publicar do que publicar de imediato e não dar tempo de a gente juntar dinheiro ou se programar para comprá-lo.

Além do artbook de Re: Zero e do mangá da Devir citados no tópico acima, os diversos atrasos em publicações da NewPOP e também da JBC me permitiram ir juntando aos poucos para pagar pelas assinaturas (se assim tiver) de obras como Shakugan no Shana e Hokuto no Ken. Eu sei que muita gente é ansiosa e gosta das coisas o mais rápido possível, mas para mim realmente quanto mais atrasar o início de uma publicação, melhor.

  • Comprar no lançamento x comprar depois

Em outras postagens eu já comentei aqui que, em geral, os meus títulos favoritos, que de algum modo me marcaram, ou mesmo obras que eu tenho expectativa (como as do Jiro Taniguchi ou o recém anunciado O Último Voo das Mariposas) eu gosto de adquirir sempre no lançamento ou o mais próximo possível dele. Isso serve para que eu possa mostrar à editora que esse tipo de obra vende rapidamente e que ela pode trazer outras parecidas ou do mesmo autor. Por isso que, por exemplo, eu já guardei o dinheiro do artbook de Re: Zero porque eu quero mais artbooks e quero mais coisas de Re: Zero no Brasil. Por isso também que eu já guardei o dinheiro de novo mangá do Jiro Taniguchi, pois depois que li O Homem que Passeia, quero tudo e mais um pouco do autor por aqui.

Por sua vez, os demais mangás, aqueles que não são tão importantes assim, eu vou comprando aos poucos, encaixando nas compras aqui e ali, esperando promoções, etc. Por conta disso, é muito comum uma dada série estar no volume 10 e eu ainda estar no 3, ou ela já ter sido encerrada e eu estar na metade. Mas eu não costumo me preocupar por estar atrasado. Isso é o normal para quem não é rico^^.

  • Medo de esgotar e o método Panini

A regra para os mangás da Panini é bem clara, você tem que comprar o mais rápido possível sob pena de eles esgotarem e você nunca mais encontrar com o preço de capa. Não é algo que sirva para todas as obras, mas se é um título popular, você tem que fazer isso. Muita gente, por exemplo, está sem Lovely Complex #10, Pandora Hearts #09, The Promised Neverland #01, vários volumes de Berserk, etc, etc. Poderíamos passar o dia aqui listando obras recentes da editora com tomos esgotados.

Lançado em agosto de 2017, esse volume estava impossível de achar pouquíssimos meses após a publicação.

Apesar disso, eu não priorizo os mangás da Panini, pois isso seria premiar esse tipo de atitude. Eu não considero que seja algo saudável um mercado em que o consumidor é obrigado a comprar no momento em que a obra saiu, para mim o consumidor só deve comprar no lançamento se ele assim quiser e não por medo de esgotar.

No momento, estou com apenas duas séries da Panini que já se encerraram, Children of the Sea e Arakawa Under The Bridge, ambos com vários volumes atrasados. Continuarei comprando aos pouquinhos, quando der. Não irei me apressar. Se esgotarem, é só mais uma contribuição para eu não começar séries da empresa que eu não possa comprar no lançamento.

Aliás, vale relembrar o que eu já disse por aqui acerca desse assunto. Desde que os mangás da Panini passaram a sair todos acima de vinte reais, eu comecei a evitar iniciar novas séries da empresa. Agora só tenho comprado os títulos da editora que fazem parte de minha predileção.

  • Onde eu compro e como compro mangás?

Desde o calote da Livraria Saraiva, atualmente em minha cidade não há mais pontos de vendas de obras da JBC e da NewPOP. Ainda neste mês deve abrir uma Livraria Leitura por aqui e haverá a esperança de que finalmente teremos os mangás dessas duas empresas novamente, mas por conta disso hoje praticamente 100% das minhas compras são pela Internet. Somente muito raramente eu compro algo da Panini em banca e, mesmo assim, apenas por impulso.

A maioria das minhas compras são feitas na Amazon, algumas eu compro na loja Cidade de Papel, por meio do market place das Lojas Americanas, e mais algumas eu compro em outras lojas especializadas aqui e ali. O que eu compro e onde compro depende muito do que vai sair naquele mês.

Às vezes, por exemplo, tudo o que me interessa em um dado mês ou eu já tenho assinatura e não preciso comprar, ou estou com volumes atrasados, então o Valor X é usado todo para adquirir volumes anteriores. Nesses casos ou eu compro tudo na Amazon para conseguir frete grátis ou parte na Amazon, parte em alguma loja especializada caso um dado volume não esteja disponível.

Se, por outro lado, durante aquele mês apenas um ou dois volumes me interessam, eu costumo comprá-lo na Cidade de Papel por meio das lojas Americanas para aproveitar o frete grátis. As Americanas possuem um programa chamado Americanas Prime em que você paga um valor e ganha frete grátis por um ano inteiro sem limite de valor em diversos produtos do site. Adquiri esse programa para outras finalidades e acabei descobrindo que dava para usar em mangás também. Foi sorte.

Por fim, vez ou outra também visito sebos da minha cidade ou o site Estante Virtual e adquiro alguma série que já esteja fora de catálogo.


Esse é o meu método de comprar mangás. Nem sempre foi assim, mas chegou em um momento em que eu estava gastando mais do que eu podia e resolvi me organizar. E qual é o seu método, caro leitor? Também se programa sobre o que e como comprar? Ou tudo é por impulso? Ou um meio-termo?^^

41 Comments

  • RPM Souza

    Não sei porque eu ainda gasto meu tempo e dinheiro com isso… 30% lendo e 70% correndo atras de volumes esgotados e correndo atrás de promoções.

  • Breno Leme

    Kyon_45, uma dúvida que eu tenho, com os links que você coloca aqui da Amazon você ganha alguma coisa por fora?

    Sobre o post eu meio que não determino um valor X para gastar, mas eu tenho duas planilhas com gastos dos cartões e quanto tenho no banco e fazendo um planejamento de até três meses posteriores para os dois. Colocando sempre mais ou menos quanto recebo (importante citar que sempre para menos, se você coloca para mais pode haver imprevistos) e compras pontuais, como eu cuido de casa, coloco sempre o que pago, água, luz, comida, gás essas coisas.
    Então eu faço um orçamento e vejo que irei conseguir pegar, se são só 4 títulos no mês, se determinado título me interessa…
    O pessoal tem a velha mania de querer comprar tudo, parece que se faltar um mangá vai morrer, tem que entender o seu dinheiro, não é atoa que hoje o brasil contém um enorme número de devedores, isso até foge dos quadrinhos, as pessoas viraram consumistas sem antes olhar para o bolso como eu, você o pessoal dos comentários fazem.
    É uma matéria muito legal de se discutir.

    https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,brasil-tem-uma-italia-de-inadimplentes,70002464063

    • Nem é por fora, é por dentro mesmo. Rs

      No post “Mangás que saíram esta semana” que a gente publica todo domingo de manhã tem essa informação, a Amazon paga uma comissão para a gente cada vez que alguém compra por meio de nosso links (isto é, você vem no blog, clica em algum link da Amazon, coloca os produtos no carrinho e os compra). Se eu não estou enganado, a loja paga 10% de comissão. Geralmente todos os links Amazon que você vê em grupos de Facebook, canais do Youtube e sites funcionam da mesma forma.

      —–
      É justamente por ver um monte de gente da minha família cheia de dívidas que eu tomei aversão a isso. Durante muito tempo eu nem quis ter cartão de crédito justamente por essa razão, pois eu achava que isso era uma armadilha para o descontrole financeiro. Hoje eu já não penso assim, o cartão pode até ser uma armadilha, mas quem faz a armadilha é a própria pessoa… usar cartão é algo muito prático, mas entendo que não goste de ter um.

      • Breno Leme

        Show perguntei porque ai então sempre vou tentar comprar pelo seu link para ajudar rs.

        Sobre o cartão é isso mesmo, eu tenho 5 cartões de créditos muito bem planejados com limite lá nas alturas, se fosse alguém mais “emocionado” como tenho uns amigo do trabalho mesmo, se afunda em divida tanto que dois deles tiveram que pegar empréstimo porque o juros era menor do que o do cartão se fossem dever.
        Mas controlando é a melhor coisa, atualmente pago contas de casa pelo recargapay com cartão de crédito e compras pontuais como comida eu já jogo na planilha para ver quanto vou ter no final do mês, foi assim que consegui comprar aquela porcaria de Velvet Kiss, se soubesse tinha comprado comida kkkk

  • Caco

    Minha preferência sempre foi comprar pela Saraiva ou Cultura retirando nas lojas para evitar pagar o frete. Como muita coisa não chega mais por lá estou comprando pela Amazon, ou quando é um volume difícil de achar, como aconteceu com Pluto 1 e Lobo Solitário 1, eu compro pelo site da Panini mesmo.
    Sempre compro vários de uma vez, vou deixando acumular e quando rola um frete grátis ou outra promoção do tipo na Amazon compro uns 4+ de uma vez. Atualmente só to comprando Lobo Solitário(9), Pluto(4), Akira(2) e o Eden:IAEW(5) da jbc, que é antigo mas ainda tá fácil de achar. Tô evitando começar novas séries até terminar alguma dessas.

  • Ken-Oh

    Meu metodo de compra ainda é o bom e velho jornaleiro, como sou cliente do cara a bastante tempo ele guarda os volumes q peço por tempo indeterminado, logicamente sabendo q irei pegara (a media q deixo é de 3 meses), infelizmente a Jbc atrapalhou meu lado nessa o q me fez parar de comprar muita coisa deles. Online eu só compro em extrema necessidade tipo deixei passar um volume, n mandar a edição x pra onde moro ou uma bela promoção. Mas sempre faço compra de mais de um volumes, pois pra mim n compensa compra só um volume de mangá tendo q pagar frete.

    Apesar de diminuir bastante os mangás q compro, infelizmente todos são da panini, mas são todos mangás com um periodo bom de espera, o q me permite gerenciar a grana de uma maneira pratica. Infelizmente com os preços atuais n tenho comprado nenhum mangá novo q é lançado, o q faz q todos os mangás q compro no maximo começaram a sair em até meados de 2017, tbm evito agora mangás sem estarem terminados no Japão.

  • Atualmente eu só posso comprar em bancas, pois o valor que eu tenho disponível todos os meses para mangás é muito baixo para que eu possa comprar com frete grátis pela Amazon(que estava nos meus planos antes de eu me afundar em despesas). Só pego alguns mangás da Panini em bancas e mesmo assim só títulos que eu gosto ou me interessam. Claro que com o costume de comprar em bancas eu acabei por perder vários volumes de obras que eu gostava e acabei por “dropar” temporariamente. O meu principal obstáculo é o fato de a Panini anunciar e lançar praticamente no mês seguinte. Obras como I Am a Hero, Children of The Sea, Innocent, entre outros eu possuo apenas os volumes 1 de cada uma. Atualmente eu invisto apenas em Jojo’s Bizarre Adventure, Black Clover e The Promissed Neverland (é o meu favorito até o momento). Mas acho que vou ter que “me virar” para adquirir alguns títulos recentes que me interessam, como Food Wars e Radiant. Algum dia eu pretendo retomar as obras desfalcadas na minha pequena coleção.

  • Citaram o Lovely Complex #10! Eu e uma amiga estamos precisando desse volume também.

    Quanto às compras, pego o Tokyo Ghoul:re na banca o mais rápido possível. Muitos dos que eu comprava da Panini e JBC se encerraram (Arakawa, Ore Monogatari, Magi, FMA), então agora tenho uma quantidade menor para comprar na Amazon. Deixo no carrinho e espero abaixar um pouco o preço.

    Como sou de São Paulo, a abertura da Japorama Store facilitou a compra dos títulos da JBC. Depois do fiasco do anime de Saintia Sho, fui logo adquirir os mangás na loja e ganhei uma sobrecapa linda. Aproveitei para comprar o Edens Zero e ganhei de brinde um bottom. Recentemente, fui comprar os Hunter x Hunter 35 e 36, que estavam com uma disponibilidade confusa na Amazon.

  • Luciano Lima

    “Apesar disso, eu não priorizo os mangás da Panini, pois isso seria premiar esse tipo de atitude. Eu não considero que seja algo saudável um mercado em que o consumidor é obrigado a comprar no momento em que a obra saiu, para mim o consumidor só deve comprar no lançamento se ele assim quiser e não por medo de esgotar.

    No momento, estou com apenas duas séries da Panini que já se encerraram, Children of the Sea e Arakawa Under The Bridge, ambos com vários volumes atrasados. Continuarei comprando aos pouquinhos, quando der. Não irei me apressar. Se esgotarem, é só mais uma contribuição para eu não começar séries da empresa que eu não possa comprar no lançamento.

    Aliás, vale relembrar o que eu já disse por aqui acerca desse assunto. Desde que os mangás da Panini passaram a sair todos acima de vinte reais, eu comecei a evitar iniciar novas séries da empresa. Agora só tenho comprado os títulos da editora que fazem parte de minha predileção”

    Isso está me fazendo seguir a mesmíssima ideia do texto citado acima. Não estou mais iniciando nenhuma coleção nova da Panini. Infelizmente, é uma dor de cabeça e fico muito estressado com as atitudes da Panini quanto aos mangás que estão esgotando muito rápido no lançamento. Ultimamente, tenho comprado mais mangás da JBC, que estão mais fáceis de achar. Portanto, enquanto a PANINI não melhorar o estoque da editora e com estes preços abusivos, estou deixando de comprar qualquer coisa lançado por eles mesmo que seja aquela obra maravilhosa indispensavel em sua coleção. To só terminando de fechar as coleções já iniciadas há muito tempo.

    MELHORAAAA PANINI!

    • Mario

      A minha forma de comprar mangás é simples, faço compras de até 200,00 espero o fechamento da fatura do cartão pra fazer a próxima compra. 95% dos mangás que eu compro são da Amazon.

  • Jean

    Como comecei a trabalhar recentemente, estou pegando mangás que não pude comprar na época em sebos. São quase minha prioridade. Da Panini, só pego séries que eu goste muito, como Dr. Slump, Dr. Stone, The Promised Neverland e Jojo (esse último só quando dá). E também volumes #1, infelizmente a Panini me “obriga” a fazer isso. Das outras editoras pego quando dá, comprando online ou em lojas mesmo.

  • Taichi

    Minha forma de compra geralmente é esperar acumular 2 a 4 volumes e comprá-los todos juntos pela Amazon, não dá pra pegar o frete grátis, mas os “descontos” acumulados pagam pelo mesmo. Atualmente a única série que acompanho é Noragami pela Panini que falta pouco pra alcançar o o Japão (glória a Deus kkkk). O resto é obras aqui e ali que me interessam, a maioria volumes únicos ou séries curtas, como O Marido do Meu Irmão da Panini que peguei a assinatura (pra testar, tomara que não dê zebra) e por ter conseguido um bom desconto acumulado usando um aplicativo de pagamentos.

    Tem várias séries que desejo começar, como Rosa de Versalhes e Boa Noite Punpun, mas o preço alto, pelo menos pra mim, é um fator bem limitante. Felizmente JBC e NewPop, principalmente, as obras ficam disponíveis por um bom tempo e espero que isso continue.

  • No meu caso eu estou tentando fazer compras no estilo de lançamento da JBC e pegando mais volumes de um mesmo títulos a cada compra, só que com um detalhe, não estou comprando todo mês volumes novos. Para mim acho mais promissor fazer uma compra mais elevada e então depois que eu terminar de pagar ela, realizo outra compra, então em média estou fazendo 1 compra a cada 2 meses.

    Mesmo fazendo compras a cada 2 meses eu estou esperando promoções, porque realmente os valores estão muito altos para mim ultimamente. Também não comecei nenhuma série nova esse ano ainda, minha meta é finalizar as obras que eu já acompanho e só então pensar cuidadosamente em qual série vou começar. Então séries curtas ou de volumes únicos tem prioridade.

    Títulos da Panini eu estou evitando também, por causa dos erros recorrentes, dos valores altos, periodicidade e por se esgotarem num estalar de dedos do Thanos. Hoje eu infelizmente eu não consigo acompanhar uma série mensalmente, independente de qual for, então acabo evitando os títulos da editora.

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: