Memória: o dia em que uma editora anunciou um mangá que já foi da principal concorrente

Coisa rara de acontecer no Brasil

O mercado brasileiro de mangás possui pouco mais de 20 anos e, nesse meio tempo, ele se modificou bastante e diversas vezes, muitas dessas vezes em um espaço pequeno de tempo. Se hoje a Panini parece disputar os 50 metros rasos, enquanto as outras editoras ainda estão aprendendo a nadar, em 2015 o cenário era diferente.

Naquela época, a Panini tinha a concorrência forte da JBC e as duas publicavam quase a mesma quantidade de volumes todos os meses. Apesar dos problemas de ambas as empresas, as duas tinham “torcidas” nas redes sociais, com as pessoas desejando que sua obra favorita viesse por uma e não por outra.

Ainda assim, por mais que a JBC “fizesse frente” à Panini, a editora italiana já era a multinacional de agora e, desde alguns anos, já havia se tornado a editora que mais publica mangás no Brasil, especialmente por ter boa parte dos títulos populares, como os provenientes da famosa revista Weekly Shonen Jump.

Daí que, em março de 2015, a JBC fez o que para muitos foi uma “demonstração de força” por parte da empresa, anunciando um título que era da sua principal concorrente alguns anos antes. No dia 21 daquele mês, a editora realizava em São Paulo o seu evento anual, chamado de Henshin +, e nele a editora divulgou quatro novos títulos para 2015, dentre os quais estava Eden – Um Mundo Infinito, obra publicada anteriormente pela editora Panini.

Eden – Um Mundo Infinito #01 (Versão Panini)

Eden havia sido um dos primeiros títulos que a filial brasileira da Panini publicou no Brasil e ficou marcado na memória dos consumidores por não ter sido concluído. Mais do que isso: por ter sido interrompido duas vezes. A obra começou a sair em agosto de 2003 e foi publicado regularmente até abril de 2005, quando deixou de sair, do nada e sem explicações.

A obra retornaria apenas dois anos depois, em setembro de 2007, mas a retomada não duraria muito e apenas dois números foram publicados. Um tempo depois, a Panini divulgou que a obra estava cancelada e que não retornaria mais. Na mesma ocasião, a editora cancelou o mangá Peach Girl e os dois títulos foram, durante anos, uma marca das principais críticas à editora, por não levar à frente suas publicações. Hoje essa marca não existe tanto assim e as pessoas odeiam a Panini por outros motivos O_o.

Eden It’s an Endless World #01 (Versão JBC)

O retorno de Eden pela JBC foi visto por uma parte dos consumidores – especialmente àqueles que mais gostavam dela – como uma marca da diferença entre as empresas. Enquanto uma cancelava, a outra trazia de volta.

Diga-se de passagem, uma das coisas mais legais em ser consumidor de mangás é essa possibilidade de ficar teorizando essa rivalidade entre editoras, de ficar comentando o quanto uma empresa parece estar se esforçando, o quanto ela fez de melhor, prever os “contra-ataques”, etc, etc, etc. Não sabemos o que as editoras pensam ao ver coisas assim, mas enquanto consumidor é muito divertido.

Esse, então, foi o dia em que uma editora anunciou um título que era da sua principal concorrente. Eden foi publicado na íntegra pela JBC entre julho de 2015 e novembro de 2016. A empresa compilou os dezoito volumes originais em nove números.

***

Esse não era o primeiro título cancelado no passado a ser resgatado. A própria Panini já tinha feito isso com títulos como One Piece e Monster, mas até então todos os mangás trazidos de volta eram de editoras que não estavam mais atuando no mercado de forma intensa, como a Conrad. Inclusive, até hoje mangás da Conrad são licenciados por outras empresas, como aconteceu recentemente com Recado a Adolf (Pipoca & Nanquim), Paradise Kiss (Panini) e Cavaleiros do Zodíaco – Episódio G (NewPOP).

Entretanto, pegar títulos que um dia foram de uma de suas concorrentes ativas, isso só aconteceu uma vez no país, com Eden.


Memória é a nossa postagem de curiosidades em que buscamos relembrar algum fato, episódio ou época do passado do nosso mercado de mangás. Ela é publicada (quase) sempre uma vez por mês (embora algumas vezes publiquemos mais). Você pode conferir todas as postagens dessa série clicando aqui. Para ver outras curiosidades em geral, clique aqui.

6 Comments

  • Vinland

    Alguém poderia trazer de volta Fushigi Yugi é Angel Sanctuary. Uma pena esses shojos não estarem disponíveis pra essa nova geração de leitores. Principalmente Angel Sanctuary que por conta do tema polêmico. Acredito que os leitores estão mais maduros pra aceitar melhor esse tipo de estória.

    • ELIZABETH CRISTINA ROCHA DE AGUIAR

      É só por esse episódio de Eden existir que ainda tenho mínimas esperanças de ver Otomen ser republicado por essas bandas

      • cinthia

        Na epoca que Otomen foi cancelado eu fiquei P da vida, vendi minhas edições da Panini e comprei a coleção completa em ingles só pra ter todas as edições, coisa q panini nao fez

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: