Curiosidade: Capas de Hoshi no Samidare pelo mundo

samidare-frana-capa-alternativaSerá que existe uma capa diferente?

O BBM é um blog sobre mangás publicados no Brasil, mas obviamente não precisamos ficar presos ao que acontece e ao que é publicado aqui. Podemos trazer notícias do que está acontecendo no Japão, fazer comparações com outros países, etc. Claro que sempre linkando com o nosso mercado interno.

Nesse sentido, o que poderíamos fazer para diversificar mais o blog, de forma descontraída e que ainda agregasse algum conhecimento ao leitor? Pensando muito, achamos que seria interessante apresentar ao público do blog algumas postagens de curiosidades comparando as capas e/ou os títulos dos mangás nacionais com os publicados em outros países. Ou seja, mostrar a vocês como as editoras estrangeiras trabalharam nas capas e/ou adaptaram o título.

Para iniciar, escolhemos um dos nossos mangás mais queridos, Hoshi no Samidare ou como ficou conhecido no Brasil, Lúcifer e o martelo. Vamos ver as capas e o título que esse mangá recebeu ao redor do mundo?:

***

hoshi-no-samidare-jpJapão

Essa é a capa original japonesa. O título Hoshi no Samidare acima em japonês juntamente com o subtítulo em inglês The Lucifer and biscuit hammer.

Hoshi no Samidare pode ser traduzido como “Chuva de meteoros de maio” ou “Chuva de estrelas cadentes”, como adaptou a JBC em um capítulo do mangá. Embora exista esse significado (e o mangá apresente uma cena que justifique o título) não se deve desconsiderar que Samidare é o nome de uma personagem (a garota da capa), a princesa que decide salvar o mundo da destruição para depois ela mesma o destruir Oo.

Nesse sentido, o subtítulo é interessante, pois faz referência justamente às duas forças que querem destruir o planeta: Samidare, apelidada de Lúcifer de saias, e o Biscuit Hammer, o enorme martelo criado pelo feiticeiro Animus. Pode-se ver, portanto, que o título e o subtítulo original trabalham em perfeita harmonia, embora à primeira vista não pareça.

Vale comentar, por fim, a título de curiosidade que o subtítulo original possui um erro de inglês, faltando um “the” antes de “Biscuit Hammer”.

Hoshi no Samidare foi publicado no Japão entre 2005 e 2010 pela editora Shonen Gahosha, e rendeu 10 volumes no total.

Samidare 01 Capa.inddBrasil

Essa é a capa da edição nacional que todos conhecem. Segue o mesmo padrão (mesmo desenho) da capa japonesa, mas aparenta ser mais “clean” que a original, devido à diminuição de textos. É uma capa bem simples e muito bem feita, sem grandes invenções.

O título nacional, “Lúcifer e o martelo”, é uma adaptação do subtítulo original e, em minha opinião, foi uma escolha acertada, pois instiga o leitor desavisado a pensar sobre ele e ficar imaginando o que o “nome do demo” tem a ver com aquele garoto e aquela menina da capa.

Infelizmente houve burburinho entre o público otaku por causa desse nome e muita gente disse que “Lúcifer” faria o mangá não vender tanto. De fato devem existir pessoas religiosas que se afastariam do mangá por causa disso, mas se fossem cristãs de verdade saberiam que o nome não tem nada demais. Será que houve polêmica sobre isso nos outros países?

Lúcifer e o martelo teve seus dez volumes publicados no Brasil pela editora JBC, entre 2014 e 2015, em periodicidade mensal.

Hoshi no samidare us 01Estados Unidos

Nos Estados Unidos, o mangá teve o título de Lúcifer and the biscuit hammer (corrigindo o erro do subtítulo original). Na terra do Tio Sam, a obra foi publicada em uma edição Omnibus, diminuindo seus 10 tomos originais, para apenas 05.

A capa da versão americana é única, totalmente diferente da edição brasileira e da original japonesa, o que não quer dizer que seja bonita. A ilustração mostra uma Samidare (uma Lúcifer?) com cara mais assassina, mostrando que realmente deseja destruir o mundo^^.

Lúcifer and the biscuit hammer foi publicado pela editora Seven Seas, entre 2014 e 2015, em periodicidade trimestral.

Samidare (itália)

Itália

Na Itália, Hoshi no Samidare teve o título de Samidare: Lucifer & biscuit hammer. É, de longe, a pior capa das que apresentamos aqui. O logo ficou um pouco estranho, com essas formas arredondadas e ocupou espaço demais da capa. O Noi Crescent (o lagarto) acima do número não ficou bom e mesmo a troca da “bolinha preta” tradicional no número da edição pelo planeta terra não ficou agradável.

Já a adaptação do título em italiano ficou boa, afinal destaca a personagem que, para muitos, é a grande protagonista da história, ao mesmo tempo em que utiliza praticamente o mesmo subtítulo (escrito errado) original.

O mangá foi publicado pela editora Flash Book, entre 2012 e 2014, em periodicidade bimestral.

Samidare (frança)

França (1)

Por fim chegamos na França e o título do mangá foi Samidare: Lucifer & the biscuit hammer. Diferentemente da edição do país vizinho, a edição francesa feita pela Ototo ficou bem bonita, dando um destaque e um charme maior ao nome da garota que deseja destruir o mundo com as próprias mãos. Note que o subtítulo ficou em fonte menor, bem escondido, tornando a capa bem mais  simpática que a capa italiana.

Em relação ao título, como podem ver, ele é praticamente o mesmo do que na Itália, porém a versão francesa corrigiu o erro de inglês e colocou o “the” antes de “biscuit hammer”. Apesar da capa ser bonita, sei lá por qual razão, a editora francesa resolveu mudar o design das capas a partir da edição 7, tornando as capas finais únicas. Veja abaixo a diferença da capa 07 brasileira, para a francesa.

07

Se uma editora brasileira fizesse isso, pode ter certeza que ia ter otaku chiando e dizendo que a empresa tinha “desrespeitado os fãs” e dizendo que não compraria mais por causa disso…

Samidare: Lucifer & the biscuit hammer foi publicado pela editora Ototo entre 2012 e 2013 em periodicidade bimestral.

samidare (frança capa alternativa)

França (2)

A mudança de design das capas, entretanto, não ocorreu só nas edições 7 a 10. A empresa fez uma nova edição com novas capas para os seis primeiros números. Olhe como ficou bem mais bonita e interessante a nova capa francesa do número 1.

É ou não é a melhor capa de Hoshi no Samidare?


 ***

Essa foi a nossa primeira postagem dessa série de curiosidades. Fora a edição brasileira, todas as imagens foram retiradas do site Amazon (dos diferentes países).

Gostou da postagem? O que poderíamos acrescentar nas próximas? Sugestões são bem vindas^^.

BIBLIOTECA BRASILEIRA DE MANGÁS

15 Comments

  • As capas francesas ficaram muito mais bonitas por ser muito chamativas.

    Legal estas postagens! Poderiam fazer sobre as capas de 20th Century Boys, por que em todos os países que foi lançados as capas foram todas diferentes. Uma mais feia que a outra. Parece que a do Brasil foi a melhor.

    E podiam comentar e pesquisar sobre as capas de One Piece o por quê da diferença de fundo das capas. No Japão tem o fundo mapa, mas aqui na edição brasileira, são aqueles raios solares. Esquisito demais.

    • Há um especial sobre One Piece feito pelo vlog “um pedaço” que, se não me engano, à Beth Kodama explicou que os raios solares foram muito bem aceitos pelos japoneses e, eles optaram por usar após várias reprovações de capa. Pelo que parece (me corrija caso eu esteja errado), o mapa de fundo não poderia ser usado.

  • SIRIUS BLACK

    As capas francesas ficaram bem mais bonitas e melhores que as capas originais, inclusive! Se o Brasil colocasse as capas originais e as alternativas, eu não veria problema algum. Eu iria era adorar! *-* E os fãs brasileiros são dramáticos demais com certas coisas e agora eles atingiram o nível do insuportável! ¬¬

  • Adorei a ideia de postagens assim sobre curiosidades, só venham ^^
    Eu ainda não li Hoshi no Samidare por problemas monetários mesmo, quando lançou eu queria muito colecionar, mas não dava… Agora, que a situação tá melhorando, tô procurando uns descontos espertos em lojas como a Saraiva e o Rika.
    Realmente, a capa extra da edição francesa é a melhor *-*

  • Alison Varjolo

    As capas japonesas têm mais a cara do mangá, as francesas ficaram um estilo “badass”, mas concordo que ficaram muito bonitas, eu com certeza compraria as duas versões se fossem lançadas aqui no Brasil. Infelizmente, a editora americana disse que as vendas não foram muito boas lá e que será difícil eles licenciarem outra obra do autor (ainda mais que Spirit Circle é licenciado pela Cruncyroll). E aqui a JBC não dá nem sinal de ter interesse em publicar outras obras dele.

    Pelo visto, vai ser muito difícil eu conseguir comprar outras obras do autor. O Satoshi é fantástico ):

  • Bruno

    Esse post me deu uma ideia de uma dica pra um post, não sei se já foi feito algo assim, e nem sei se teria muito o que listar, mas seria parecido com aquele post “Mangás que saíram no Brasil antes de ganharem anime”

    Só que seria algo do tipo “Mangás que saíram no Brasil antes de sair nos EUA (ou França, ou Itália ou sei lá)

    • É uma boa ideia, hein. Excelente na verdade.

      Mas vai dar um trabalho e levará tempo. Mas irá acontecer^^.

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: