Resenha: A cidade da luz

Mais uma obra angustiante…

Ler qualquer obra de Inio Asano é pedir para se sentir angustiado. Não é porque há coisas grotescas em seus mangás, e sim porque o autor retrata a humanidade da forma mais infeliz que ele pode pensar. Ainda que existam lampejos de felicidade, os títulos de Asano buscam nos fazer refletir sobre vida e, exatamente por isso, sobre as mazelas que os seres humanos sofrem, sejam eles resultados ou não de nossas próprias ações. É isso o que vemos, cada um à sua maneira, em Solanin, Nijigahara Holograph e, também, em A cidade da luz, obra da qual falaremos agora.

Serializado no Japão entre 2004 e 2005 na revista Sunday GX, da editora Shogakukan, o mangá foi compilado em apenas 1 volume, sendo licenciado em diversos países do mundo, como a França, a Itália (2 vezes) e, recentemente, na Espanha.

Por aqui o título saiu agora em julho de 2017 pela editora Panini, juntamente como Dr. Slump e Last Notes. Embora Asano não seja tão conhecido do público em geral, o mangá do autor estava entre os mais aguardados dos frequentadores das redes sociais, tendo gerado até uma mini-revolta devido ao papel escolhido pela editora para usar no mangá.

Lemos o mangá e viemos falar um pouco sobre ele para vocês.

  • Sinopse oficial

Uma área residencial é criada nos arredores de Tóquio e chamada de “Cidade da Luz”. Lá, grandes edifícios coexistem com casas antigas e presenciam o cotidiano de seus habitantes. Nesta compilação de histórias ora sombrias, ora felizes, ora trágicas, o aclamado autor Inio Asano entrelaça os destinos de pessoas que nem sempre são tocadas pelos raios de sol que banham a cidade em que vivem.

  • História e desenvolvimento

O mundo um dia vai acabar. Embora essa frase seja um tanto quanto controversa, visto que “mundo” acabar depende muito da perspectiva e do que é que estamos falando, ela guarda uma verdade universal inconteste: um dia, tudo terá um fim. Os momentos alegres cessarão, os momentos tristes também. A vida acabará. Todos nós, mais ou cedo ou mais tarde, pereceremos. Não existe qualquer alternativa. Esse é um dos temas que circunda A cidade da luz.

O mangá compila algumas histórias de Inio Asano que se passam em um mesmo ambiente, uma área residencial próxima à Tóquio chamada justamente de A cidade da luz. Embora sejam histórias que podem se dizer independentes, elas se interligam por meio de personagens ou acontecimentos. Por exemplo, um mangaká presenciará um suicido em uma das histórias; em outra se descobrirá que existe algo a mais além do simples suicídio; em outra o protagonista será um personagem secundário da história anterior, e assim por diante.

O que há em comum em todas as histórias é o drama humano em sua essência, com pouco espaço para a alegria e felicidade. Não à toa o suicídio e a morte aparecem constantemente na obra, como se servissem para mostrar o inevitável fim de todos. Os personagens sempre estão refletindo sobre suas vidas, as vidas das pessoas próximas e as das demais, de algum modo sempre marcadas pela tristeza. Eles têm ideias, sonhos e esperanças, mas muitas angústias. Em outras palavras, os personagens de Inio Asano representam seres humanos reais, verossímeis e que você pode identificar facilmente dentre as pessoas à sua volta.

É claro que há toques de realismo fantástico, mas ainda assim todos os personagens parecem credíveis. Essa “credibilidade” é aumentada porque todos os que aparecem no mangá são únicos, com cada um tendo um motivo diferente de desesperança, de falta de fé na vida e na humanidade, ou, por outro lado, de alegria e motivação para viver. O resultado é uma obra harmoniosa e redondinha…

-As histórias

Em “Para onde vai a estrelinha que brilha”, acompanhamos a história de um mangaká passeando pela cidade em busca de referência para um de seus trabalhos. Ao lado da namorada, ele acaba refletindo sobre sua vida, seus amigos e sua falta de perspectiva. É uma história que já te coloca para baixo, ao abordar logo de cara o suicídio de uma pessoa anônima. Porém, o todo não é tão depressivo, pois – embora passe pela cabeça do protagonista a ideia de que em breve a morte pode lhe visitar e de que seu esforço como mangaká não é suficiente – a mensagem que a história passa é de que a vida sempre segue e que, ao lado de pessoas queridas, os pequenos momentos transformam-se em algo único e satisfatório.

Essa mesma reflexão se faz presente em “Ponto de ônibus”, a segunda história do mangá, mas de uma forma diferente e mais densa.  De longe, essa é a história mais pesada do mangá, pois apresenta um séquito de personagens em situação de desolação. O protagonista, seu pai, sua melhor amiga, todos eles, cada um a seu modo, vivem uma situação de desesperança total, devido a injustiças e perdas de pessoas queridas. Uma temática que perpassa essa história é novamente o suicídio, desde pessoas anônimas, até o protagonista. Mas apesar da grande angústia que os personagens sofrem, a ideia de que existe uma simples pessoa em que você possa confiar transforma a vida em algo mais agradável e os pensamentos depressivos e suicidas deixam de existir…

Já “hPa”, a terceira história, é a mais leve de todas e, em certo sentido, é a que mais destoa do tom pesado do mangá. Na história duas adolescentes conversam sobre suas vidas, a situação dos pais, etc. Ainda que você também veja o drama aparecendo (o namorado que deixou de ser carinhoso e só ficava pedindo sexo; o pai que foi despedido; as cobranças, etc) a narrativa é leve e termina de uma forma bem positiva. O legal de “hPa” é o tom de, em certo sentido, realismo fantástico, com uma personagem que diz ver aliens e conversar com os mortos. Mas outro ponto que deve ser levantado é que nessa história também é mencionado levemente a ideia de que um dia o mundo acabará, relacionando-se, de certa forma, com a quinta história que falaremos mais adiante e dando mais harmonia ao todo do mangá.

Em “Home”, a quarta história, acompanhamos dois homens que vivem juntos e cuidam de uma criança. Embora o convívio entre os três e o lar deles seja parte importante do enredo, o título da história remete ao verdadeiro lar de um dos protagonistas que foi transformado pelo poder do dinheiro. E esse é o tema dominante da história, a importância do dinheiro na vida das pessoas. “Home” mostra o que acontece com quem ganha muito dinheiro, mostra as necessidades de quem precisa dele, além de falar da ganância, mesmo que seja uma ganância para realizar um sonho.

Esse tema da importância do dinheiro não é apenas debatido em “Home”. Nas três histórias anteriores, ele também está presente e faz parte do drama dos personagens, que podem levar a situações mais desesperadas como o suicídio em “Ponto de ônibus”. Entretanto, nelas há apenas leves menções e não são o tema central. A única história que não tem qualquer relação com esse tema é “Rebirthday song”, a última delas.

“Rebirthday song” traz de volta o tom de realismo fantástico, com um personagem – um garoto de 5 anos – que diz ter morrido há exatos 5 anos e reencarnou para ficar perto de sua ex-namorada, uma professora que agora irá se casar. A ideia de fim do mundo como metáfora para a morte também volta a aparecer, dessa vez de uma forma mais consistente, já que temos o elemento fantástico e mítico da reencarnação.

Se em “hPa” já tivemos menções a espíritos, em  “Rebirthday song” nós temos toda uma divagação sobre um ciclo a mais, que vai além da morte física. O interessante é que a reflexão provocada pelo garotinho acaba sendo bem parecida com aquela que terminaria na morte: a vida é uma sucessão de coisas, sejam alegres, sejam tristes, em um eterno ciclo. E a única coisa que pode acabar com o ciclo é a morte definitiva, no caso de “Rebirthday song”, o fim do mundo.

Há várias camadas de leituras que podem ser abordadas em A cidade da luz que englobem todas as histórias unificadamente e separadamente, mas uma análise desse porte seria mais adequada para um trabalho acadêmico do que para um texto em um blog. Ainda assim comentamos bastante e conseguimos passar um pouco do que é esse mangá.

A cidade da luz é um mangá muito bom, com um desenvolvimento para lá de interessante e que consegue cativar o leitor e o prender naquele mundo. Entretanto, não é uma obra fácil de ser digerida. Não digo que seja um “quebra-cabeça” como é Nijigahara Holograph, mas sim que ele nos cansa enquanto humanos, porque ele nos traz para a nossa própria realidade, com as diversas questões angustiantes que buscamos esconder de nós mesmos, que buscamos esquecer que existem. Vemos os sentimentos e os dramas dos personagens e facilmente visualizamos pessoas próximas que foram afetadas pelo dinheiro, pela sociedade, etc. A cidade da luz é um mangá feito para nos deixar para baixo…

  • A edição nacional

A edição nacional veio no formato 13,7 x 20 cm, padrão da editora Panini, e miolo em papel jornal, ao preço de R$ 13,90. O papel jornal utilizado me pareceu bastante razoável, só que ainda muito aquém do usado em One Week Friends ou mesmo o usado nos mangás da Nova Sampa. Mas fora isso, a edição está boa, permitindo folhear e ler o mangá sem qualquer percalço, não existindo nenhum problema de encadernação.

Se fisicamente a edição da Panini não apresenta problemas, as escolhas editoriais da empresas tem pontos que podem ser controversos e muito questionáveis. Falo especificamente do tratamento da editora dado às “placas” e outras inscrições nipônicas que aparecem pelo cenário. Em A cidade da luz, a Panini fez o que costuma fazer em seus outros mangás, manteve quase todos os ideogramas e colocou legendas. Vejam abaixo:

Este slideshow necessita de JavaScript.

As placas que você acabou de ver é o método da Panini em sua essência, os textos em japonês e a legenda em um local próxima, acima ou ao lado dela. Trata-se de um método interessante, pois mantém os olhos do leitor no centro da imagem evitando que ele precise quebrar a sequência para ler uma nota. A única coisa que eu questiono é do porquê de a editora preferir manter textos em japonês mesmo quando não há necessidade como na placa abaixo. Se fosse JBC, NewPOP ou a maioria das editoras estrangeiras, a placa estaria apenas na nossa língua.

Eu não me importo muito com essa prática, porém os problemas desse método também são bem claros. Em alguns momentos, eles poluem demais a imagem, fazendo o leitor perder parte da arte que deveria apreciar, além de ficar esteticamente feio. Em A cidade da luz ainda há um agravante que é o motivo de eu comentar sobre essa questão. Vejamos as placas a seguir:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Se você for atento perceberá que essas placas já haviam aparecido. Como a história acontece em um certo ambiente (A cidade da luz) é comum que os locais reapareçam.  Nas primeiras imagens mostradas havia legenda, agora não há mais. Não existe nenhuma razão que justifique ter legenda antes e não ter agora fora o fato de as que tiveram legenda apareceram primeiro. Ainda que seja um critério, trata-se de um bem duvidoso, pois soa como falta de padrão. Para quê colocar em um e não em outro? Aliás, mesmo esse suposto critério é falho. Algumas dessas imagens aparecem mais de uma vez e, em algumas deles, há legenda e outras não, aumentando ainda mais a sensação de que não existe um padrão.

É perfeitamente entendível que a editora não coloque legenda em algumas inscrições sem importância, mas porquê colocar em uma e não em outra sendo que é a mesma placa? Nesse mangá não há nada que diga que em uma passagem o local é importante e em outro não. É nisso que reside o problema das legendas. Ao ver esse contraste em que inscrições iguais recebem tratamentos diferentes, a gente não tem como não achar bastante questionável as escolhas da Panini.

  • Conclusão

É impossível não recomendar A cidade da luz. A obra é, de longe, uma das melhores publicadas no Brasil em 2017, não existindo nada que possa ser considerado demérito nas histórias, pois Asano domina com maestria a técnica da narrativa, tanto em roteiro, quanto em arte. O modo como ele desenvolve as histórias e faz um todo harmônico é brilhante e encanta como poucos.

Infelizmente ele não é um mangá para todo mundo. Por ser um slice of life sem comédia e que busca refletir sobre a vida, a morte e outros temas espinhosos da maneira mais fria possível, ele tende a afastar muitas pessoas. Não é que seja uma obra cult e que só supostos escolhidos consigam apreciar, mas é necessário ter uma experiência de vida maior e estar aberto, tanto a coisas novas, quanto a coisas que incomodam. Ainda assim, todo mundo deveria ler…

  • Ficha Técnica

Título: A Cidade da Luz
Autor: Inio Asano
Tradutor: Lídia Ivasa
Editora: Panini
Número de volumes no Japão: 1
Número de volumes no Brasil: 1
Dimensões: 13,7 x 20 cm
Miolo: Papel jornal
Acabamento: Capa cartonada simples
Classificação indicativa: 18 anos
Preço: R$ 13,90
Onde comprar: Amazon / Comix

6 Comments

  • por causa dos cenarios, nao acho q o jornal seja razoavel pra mangas do asano.
    quanto as legendas nas placas, incrivel como que quando a sampa faz isso em seus mangas o povo fica louco, mas na panini ninguem reclama.

    • JMB

      Incrível é como existem pessoas que defendem a Panini, sendo que a mesma erra tanto quanto as outras.

  • Alison Varjolo

    Tenho tudo quanto é mangá do Asano e esse é mais outro que vou comprar. Só espero um dia que esse mangá saia em um formato melhorzinho em inglês ou espanhol pra eu adquirir também. Com outros mangás eu não me importo, mas com Asano, que é um dos meus autores favoritos, dá um aperto comprar nesse formato simples D:

  • A premissa inicial para mim em relação a este título seria de comprar sem pensar tanto, mas sinceramente, ver este mangá em papel jornal me deixa tão depressivo quanto a resenha diz que a narrativa do mangá é… Deveras lamentável!
    Lendo a sua resenha, @Kyon, minha vontade já mínima de comprar o mangá fica ainda mais minada…=(
    Agradeço a resenha e vamos em frente, independentemente de eu comprar o mangá ou não. =)

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: