Resenha: Shakugan no Shana – Livro 02 (Light Novel)

Uma nova Flame Haze e muitas dúvidas internas

O POST A SEGUIR CONTERÁ SPOILERS, LEIA POR CONTA E RISCO

Algumas vezes, histórias de fantasia precisam de um pouco tempo para engrenar, afinal elas necessitam ir apresentando o mundo e trama aos poucos até que tudo vá se aclareando e a “Grande História” verdadeiramente comece. Outras vezes, porém, a obra quer apenas mostrar situações e viver o momento, sem uma preocupação com algo mais grandioso.

Em Shakugan no Shana dois livros se passaram e estamos apenas “vivendo o momento”, com cada um deles apresentando uma dada situação, nos mostrando alguns personagens e concluindo a história ali mesmo. Ainda que guarde um pouco de informações para serem usufruídas no futuro da série, o foco ali são os personagens, especialmente o relacionamento entre Yuji e Shana, de modo que não temos uma grande trama aparecendo.

O primeiro livro de Shakugan no Shana, por exemplo, nos apresentou ao mundo de fantasia da obra, ficamos sabendo que o protagonista Yuji Sakai morreu e que agora ele é apenas uma “Tocha”, um substituto temporário, descobrimos a Realidade Escarlate, a existência dos Habitantes, das Flame Hazes, em especial Shana (que cuidará de Yuji), e tivemos o primeiro inimigo, Friagne, que acabou derrotado e aniquilado ali mesmo. Além disso tudo, conhecemos outros personagens que – embora coadjuvantes – terão papel bem interessante na movimentação da trama.

Apesar das diversas informações apresentadas e da trama principal ser (ou parecer ser) a luta contra os Habitantes, o grande mote desse primeiro volume foi o conflito de Yuji com sua própria existência (o que é estar vivo? Todos irão me esquecer?) e a aceitação de sua nova realidade.

O segundo livro começa exatamente do ponto em que o primeiro parou, com Yuji já  sabendo que possuía dentro de si uma relíquia que faria com que sua chama nunca se apagasse, de modo que ele poderia continuar a viver sem o menor problema, mesmo já tendo sido morto há muito tempo O_o. O conflito da vez, os dramas internos que afloram no rapaz, se concentra em sua suposta incapacidade de ajudar Shana. Sendo bem mais fraco do que a Flame Haze, Yuji se convence de que ela pode vencer qualquer coisa sozinha, sem compreender o laço que ele conseguiu formar com a menina de cabelos flamejantes, necessitando de tempo e conselho dos mais velhos para ele conseguir compreender e desejar se tornar mais forte.

Ainda acerca desse laço, Shana fica totalmente desconcentrada nesse volume devido ao amolecimento de Yuji e é bem legal ver como ela ficou diferente em relação ao primeiro livro da série. Lá quase o tempo inteiro Shana trata o garoto como um simples objeto (afinal ele era apenas uma tocha), mas agora é bastante nítido que ele tem uma importância para ela. Até o momento ainda é meio imperceptível qual é o nível disso, mas que ela gosta um pouquinho de Yuji, isso gosta.

Yuji e Shana. Foto: Blog BBM.

Por falar em gostar, e ainda nesse aspecto da obra se focar nos personagens, o livro apresenta bastante a vida escolar de Yuji, bem como alguns conflitos da juventude, como o amor. Kazumi Yoshida, uma garota toda tímida da classe de Yuji, está apaixonada pelo rapaz e mesmo sabendo da relação bem amigável entre ele e Shana, a garota não desiste dele e deseja lutar pelo garoto. Nesse volume, ainda que com a ajuda de outra pessoa, ela consegue até mesmo convidar Yuji para um encontro.

O resultado não é dos melhores, com eles pouco conseguindo trocar palavras, mas aparentemente mesmo assim houve diversão. Esse triângulo amoroso parece que vai durar mais tempo, ainda mais que tem a presença de Ike, amigo de Yuji, e que parece (talvez, quem sabe) ter algum sentimento para com Yoshida.

Ike, o amigo, fazendo o convite para Yuji sair cocm Yoshida. Foto: Blog BBM.

Sobre a trama principal, nesse volume temos a aparição de uma nova Flame Haze e de um novo Habitante da Realidade Escarlate. A Flame Haze é Margery Daw, a “Locutora de Elegias”, e o Habitante é Lamies, o “Cata-Cadáveres”.

Margery é uma obcecada por confronto e deseja destruir todos os Habitantes se possível, devido a um acontecimento no passado que dizimou o local em que ela vivia. A Flame Haze ainda guarda ódio por um certo Habitante, mas nunca o conseguiu reencontrar. Já Lamies é um Habitante até que poderoso aparentemente, mas está vagando pela Terra em busca de força de existência para realizar um sonho. Ele é basicamente descrito como inofensivo porque não ataca seres humanos e sim apenas apaga tochas, mesmo assim apenas aquelas quase se extinguindo, gerando a menor distorção possível. Ainda assim Margery chega à cidade de Yuji atrás de Lamies.

Sobre a Flame Haze, ela acaba recrutando dois amigos de Yuji para serem seus aliados em busca de Lamies, e eles ficam conhecendo a terrível realidade sobre o mundo, a questão das tochas, a Realidade Escarlate, entre outras coisas. Yuji, porém,nem imagina que mais pessoas com quem convive sabem disso.

Margery. Foto: Blog BBM.

Ainda sobre a Flame Haze, ela é uma figura bem excêntrica, assim como o Soberano com quem ela pactuou, os dois parecem realmente maníacos, completamente loucos, daquele jeito mais caricato possível, de modo que fica claro que eles são inimigos da vez. É Margery que Shana deverá derrotar nesse volume para que a “normalidade” reapareça.

Em oposição a ela, Lamies é uma figura bastante centrada, sóbria e carismática. É descrito como um verdadeiro gentleman e até um sábio. Embora Yuji sinta um certo medo quando o encontra pela primeira vez, ele logo consegue perceber que o Habitante é uma boa pessoa e é justamente ele que clareia o coração de Yuji.

Esse é o volume 2. De modo geral, é uma obra muito legal de ser lida, as páginas passam rapidamente e os conflitos dos personagens são bem interessantes para quem gosta de histórias de fantasia e que se passam também em ambiente escolar. A impressão que eu tenho de Shakugan no Shana tem sido muito melhor do que foi na época do anúncio e estou adorando a série. Não que a obra seja o suprassumo da perfeição, mas é bem divertida.

Para terminar,um aspecto interessante desse segundo livro é o modo como a obra é narrada, utilizando uma técnica que lembra bastante um filme, uma série ou mesmo um animê, em que os subcapítulos do volume dividem o foco da história entre os personagens. Em uma página é contada uma cena em que Yuji está, duas páginas depois o foco fica na Shana, mais um pouco de texto e a nova Flame Haze é o destaque, depois volta para o Yuji e assim por diante. Isso faz a narrativa ficar bem dinâmica e lembra bastante realmente o esquema de uma obra áudio-visual. Gostei bastante.

  • Ficha Técnica

TítuloShakugan no Shana
Autor: Yashichiro Takahashi
Ilustrador: Noizi Ito
Tradutor: Thiago Nojiri
EditoraNewPOP
Dimensões: 10,6 x 14,8 cm
Miolo: Papel Avena, com algumas páginas coloridas em couchê.
Acabamento: Capa cartonada com orelhas
Classificação indicativa: 16 anos
Número de volumes no Japão: 26 (completo)
Número de volumes já lançados: 2 (ainda em publicação)
Preço: R$ 26,90
Onde comprarAmazon

%d blogueiros gostam disto: