Anúncios

BBM Lista: 5 mangás de Shuzo Oshimi que eu gostaria no Brasil

Autor de Happiness

O mangá Happiness, de Shuzo Oshimi, terá sua edição brasileira concluída pela editora NewPOP em breve, com a publicação do décimo e último volume. E, agora, a pergunta que todos se fazem é se vai vir ou não mais obras do autor para o país. Obviamente nós também não sabemos, mas sonhamos com outros mangás do Oshimi por aqui e viemos listar nossas cinco preferências para uma publicação vindoura no Brasil, seja pela NewPOP, seja por qualquer outra empresa brasileira.

PUBLICIDADE: Promoção Geek Week na Amazon. De 18/05/2020 a 25/05/2020 está rolando a promoção Leve 4 livros Geek e Pague apenas 3. Clique no Banner para ir à loja.

A lista, então, reflete os desejos pessoais da pessoa que vos escreve e não inclui nenhuma espécie de predição ou coisa do tipo. Dito isso, vamos à lista:


Inside Mari (9 volumes)


Inside Mari é um dos meus três mangás favoritos da vida, ao lado de Lúcifer e o Martelo e Paradise Kiss, então naturalmente eu gostaria de ter uma edição brasileira na estante para fazer companhia aos outros dois. Sem entrar em spoilers, Inside Mari é um drama intenso sob aceitação, sobre descobrir-se e se livrar das amarras do passado.

Na obra, um sujeito vagabundo de repente acorda e descobre que ele foi envolvido em um fenômeno sobrenatural e trocou de corpo com Mari, uma garota a quem ele stalkeava todos os dias, daí o título da obra Inside Mari (Dentro de Mari). Só há um problema nisso tudo, Inside Mari não é apenas mais um Sexta-feira Muito Louca, ele tem outras complexidades e a principal delas é que a verdadeira Mari não está dentro de seu antigo corpo, não houve uma troca dupla e corpo desse homem vagabundo continua a existir com uma consciência própria. Onde Mari estará? E quem é aquele seu Outro Eu que está em seu corpo?

A obra é bastante bem feita, de modo que em certo momento você começa a descobrir a trama, mas a rechaça por achar boba demais, porém as coisas vão escalonando, outras informações vão sendo ditas e quando se descobre a verdade sobre o que aconteceu com Mari você fica abismado com a genialidade da situação, situação que você mesmo tinha considerado bobo lá no início se acontecesse, mas pelo modo como o autor colocou fez a obra ficar primorosa.

Inside Mari foi publicado no Japão entre 2012 e 2016 na revista Manga Action, da editora Futabasha, sendo concluído em apenas 9 volumes. No ocidente, o título foi publicado na França por inteiro e atualmente está em publicação na Itália e nos Estados Unidos.


Shino-chan wa jibun no namae ga ienai (volume único)


Shino-chan wa jibun no namae ga ienai é algo como Shino-Chan não consegue dizer o próprio nome e o título descreve perfeitamente o que é a obra, a história de uma garota chamada Shino e que não consegue se apresentar por ter um pequeno problema de voz, não conseguindo pronunciar certas sílabas.

Trata-se de um daqueles draminhas adolescentes, de fazer amizade, de compreender um ao outro e tudo mais. Está longe de ser algo grandioso, sendo, na verdade, até bem bobo, mas é uma narrativa que a gente lê e se cativa terminando com um sorriso no rosto (ou uma lágrima no olho, a depender do seu estado de espírito, mas uma lágrima positiva^^). É uma boa obra para conhecer outra faceta do autor para quem só conhece a linha mais densa, ao estilo Aku no Hana.

Shino-chan foi publicado no Japão entre 2011 e 2012 na revista pocopoco, da editora Ohta Shuppan. Já saiu em vários países ocidentais, como Espanha, Itália e França. Nos Estados Unidos ainda é inédito, mas está previsto para ser lançado ainda em 2020.


Avant-Garde Yumeko (volume único)


Shino-chan é um draminha bobo de descoberta de amizade, já Avant-Garde Yumeko, aparentemente a primeira obra solo do autor, é algo mais sexual (mais próxima na linha de que Oshimi trabalharia anos depois), uma obra adolescente de descoberta do desejo e do sexo nessa fase da vida.

Capa original (06/11/2003)

A obra acompanha a jovem Yumeko que, certo dia, começa a ver falos em todo lugar. Incomodada com isso, ela logo descobre que precisa ver um pênis de verdade para tudo isso passar e as circunstâncias a levam a entrar no clube de arte da escola, pensado existir ali alguém disposto a ficar sem roupa e servir de modelo para ela, de modo que, enfim, ela conseguisse ver um pinto ao vivo.

Avant-Garde Yumeko é bem bobo, é quase como se fosse uma fetichização para com essa fase de descoberta da sexualidade. Apesar disso, é bem divertido ver as derrotas de Yumeko, as incompreensões e, claro, suas vitórias. De tão bobo chega a ser divertido e eu acho que mais pessoas deveriam ter acesso ao título.

Relançamento (2013)

Avant-Garde Yumeko foi publicado no Japão entre fevereiro e junho de 2003 na revista Bessatsu Young Magazine, da editora Kodansha, sendo concluído em um total de 1 volume. No ocidente, a obra é inédita nos mercados ocidentais mais conhecidos, mas já está anunciado na Itália para sair agora em 2020.


Devil Ecstasy (4 volumes)


Devil Ecstasy talvez seja a obra mais trash de Shuzo Oshimi que eu tive a oportunidade de ler. A gente reconhece o estilo do autor, mas tudo é muito pueril e a imaginação dele, sempre fértil, vai para lados bem mais estranhos do que nas obras mais famosas dele. Você verá uma mulher pelada na rua correndo atrás de um homem, um homem se gabando por ser impotente e um monte de outras bizarrices, ao ponto de você se perguntar se não está lendo um mangá do Hiroya Oku.

Volume 1, capa original.

Basicamente, na história existe um prostíbulo chamado “Devil Ecstasy” e os homens que lá vão têm a melhor noite de suas vidas, porém eles morrem pouco tempo depois, totalmente magros e carecas. A verdade é que as mulheres do lugar são sucubus e quando elas chupam os homens, toda a energia vital deles é drenada.

O protagonista da história é um rapaz que tem muito medo de mulheres de seios grandes e no local termina por escolher uma garota com peitos pequenos, que nunca era escolhida por ninguém. De tão feliz que fica, a moça o manda embora. A partir daí paixão dos dois fica clara e a história se desenvolve com vários absurdos.

Volume 1, relançamento.

Eu gostaria muito que esse mangá fosse lançado no Brasil para poder ler a história inteira, já que nunca a encontrei por completo. A Panini irá lançar esse mangá na Itália por agora, o que seria uma ótima oportunidade de, enfim, descobrir a segunda metade do mangá, mas com o dólar custando quase 4 reais (na época do anúncio) seria um enorme impeditivo. Custando quase 6 então, não vai rolar mesmo, pois o Euro (moeda da Itália) estará mais caro ainda.

Devil Ecstasy foi publicado no Japão entre 2005 e 2006 na revista Bessatsu Young Magazine, da editora Kodansha, sendo concluído em um total de 4 volumes. No ocidente, o mangá é inédito nos países mais conhecidos, começando a sair agora em junho na Itália pela primeira vez.


Aku no Hana (11 volumes)


Não podia faltar a obra mais famosa do autor. Embora tenha ficado marcada pela adaptação animada feita em rotoscopia e que não agradou muita gente, Aku no Hana é a mais intensa obra de Shuzo Oshimi, que te tira o fôlego e te coloca sobre impasse em vários momentos, sem acreditar no que está acontecendo e nas decisões e atitudes tomadas pelos personagens.

Basicamente, a obra acompanha o jovem Kasuga que se encontra apaixonado por sua colega de escola Saeki. Um certo dia, ao voltar na sala para busca seu exemplar do livro As Flores do Mal, ele descobre que o uniforme de educação física de sua amada está lá e, de súbito e sem querer, ele termina por roubar a roupa. O problema é que alguém viu o que ele fez e esse alguém é uma garota sádica. A partir de então a vida de Kasuga mudará de ponta de cabeça com a chantagem feita por essa garota e, também, por suas próprias decisões.

Aku no Hana foi publicado no Japão entre 2009 e 2014 na Bessatsu Shounen Magazine, da editora Kodansha, sendo concluído em um total de 11 volumes. A obra já foi lançada em boa parte dos mercados ocidentais, como Estados Unidos, França, Itália, Espanha e México.


Esses são os cinco títulos do autor que a gente mais gostaria, mas claro que Chi no Wadachi e Sweet Poolside, também seriam bem vindos, assim como obras que a gente nunca leu como Yutai Nova ou Hyouryuu Net Cafe, mas preferimos os cinco acima citados.

Se você ainda não comprou Happiness, ele ainda pode ser encontrado na Amazon (clique aqui) ou na Comix (clique aqui) sem o menor problema.

Anúncios

4 Comments

  • Daí, eu já li Shino-chan e o Avant-Garde Yumeko (que por sinal é bizarro, mas é claramente um prelúdio de tudo o que o Shuzo é hoje em dia). O anime do Aku no Hana é o meu preferido e eu realmente não gostaria de ler a história por scan; vindo pra cá, eu seria um comprador não importasse o preço. Os dois que citei no começo e esse Devil Ecstasy aí eu não compraria não kkkkkk, o resto com certeza. Ele é um autor legal, mas que tem umas manias que eu gostaria de estudar mais profundamente, que parecem bastante ligadas ao gosto dele pela poesia francesa do século XIX

  • Júnior Ribeiro

    Eu também adoraria Inside Mari, já até sugeri pra NewPOP. 😀

  • Armenio J. A Escrivão

    A New Pop acaba de Anunciar duas obras dessa Lista: Aku no Hana e Devil Ecstasy.

Comments are closed.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: