O inusitado caso da editora estrangeira que reclama das lojas não fazerem pedidos

E culpa os consumidores

Durante a semana aconteceu uma situação, no mínimo, inusitada no país vizinho. O mangá Kaiju Nº8 teve o seu lançamento na Argentina pela editora Ivrea na última sexta-feira (02/06/2022), mas boa parte das lojas não fizeram muitos pedidos do mangá.

Embora essa situação possa parecer estranha (afinal trata-se de uma obra muito popular no Japão e em outros países ocidentais), o que realmente foi “destaque” vem a seguir. Com esse acontecimento, a editora foi a público expor a situação, de uma maneira que pareceu uma grande reclamação, pois disse que era inacreditável (que até reedições de qualquer série foram mais pedidas que Kaiju Nº 8 #01) e que parte da culpa era do PÚBLICO o_O.

Capa argentina / KAIJYU 8 GO © 2020 by Naoya Matsumoto / SHUEISHA Inc

Para explicar melhor: por meio de suas redes sociais, a empresa afirmou que a existência de poucos pedidos era algo realmente muito estranho e orientou aos consumidores que quisessem comprar o volume para o fazer o mais rápido possível para não ter que esperar uma reposição nas semanas seguintes, já que existiam poucas unidades em circulação.

Nisso, a Ivrea ponderou que havia ocorrido uma falha coletiva: da própria editora por não conseguir deixar claro que a obra era um best seller, dos consumidores por não terem falarem o tanto que queriam a obra (o_O), e das comiquerias por não se inteirarem do sucesso da obra no Japão e no mundo (o_O).

A atitude da empresa logo foi alvo de críticas nas redes sociais, especialmente por citar os CONSUMIDORES como parte do problema. Pela repercussão negativa, após um tempo a editora apagou o post das redes sociais, mas ele ainda acabou ficando no blog da editora (clique aqui). Vejam o comunicado inteiro em espanhol:

A Ivrea é conhecida por ser uma editora bastante aberta e sempre falar coisas que muitas editoras do mundo não comentam, mas algumas vezes ela passa do ponto, como em situações como essa, em que ela criticou abertamente parceiros comerciais e consumidores.




Um dos comentários no Twitter:

Genuinamente me pergunto com que cara sai tweetando que a culpa é dos que compram seus produtos

As redes sociais dos hermanos também ficaram lotados de memes:

Reprodução: Mangas Argentina/ Facebook
Reprodução: Mangas Argentina/ Facebook
Reprodução: Mangas Argentina/ Facebook
Reprodução: Mangas Argentina/ Facebook

NOS SIGA EM NOSSAS REDES SOCIAIS



3 Comments

  • Pedro Merigui

    Eu não vi nada de errado! Nós como leitores reclamamos direto das editoras, das distribuidoras, das lojas e etc., mas a editora não pode reclamar??

    • Suponha que os donos de um determinado supermercado, ao ver o rebuliço causado pelo anúncio do lançamento do miojo doce no Brasil, decide apostar alto e comprar centenas de milhares de unidades do produto, imaginando que seria um enorme sucesso. Eles pensaram nisso, pois viram que no Japão existiam coisas como Lámen de Chocolate e que era sucesso por lá. Ou seja, os donos do supermercado, acharam que seria sucesso no Brasil também, apesar dos comentários controversos (que eles acharam que seria um incentivo também para as vendas)

      Aí o miojo doce é lançado, fica lá exposto no supermercado e quase ninguém compra. Fica mofando nos estoques, sem qualquer demanda. Os donos do supermercado, então, vai nas redes sociais (do supermercado) e reclama dos consumidores não estarem comprando o miojo doce que é, nas palavras do mercado, “a grande mania do momento no Japão”. Reclama dos consumidores preferirem o miojo comum de sempre, etc, etc, etc. Isso é algo totalmente inimaginável. Uma empresa reclamar que algo não está sendo comprado em detrimento de outro é o cúmulo do ridículo. É algo risível de tão sem sentido que é isso.

      O caso da editora argentina é exatamente esse. A empresa está atacando quem lhe dá dinheiro E SEM NENHUMA RAZÃO.

      Pense bem, por qual motivo uma empresa deveria ir a público reclamar que seus parceiros comerciais não fizeram pedidos de um mangá específico (sendo que fizeram de diversos e diversos outros)?. Por qual motivo, uma empresa deveria ir a público reclamar que os seus leitores tiveram culpa nessa falta de pedidos, sendo que eles são os mais ávidos pelos títulos?

      Não importa qual ângulo que se olhe, só existe uma culpa nessa falta de pedidos por parte das lojas, e essa culpa é só e somente da editora. Ou porque ela não faz um estudo e não viu que Kaiju não tinha público suficiente na Argentina ou porque lançou Kaiju junto a um emaranhado de títulos que os consumidores cansaram de pedir antes aos lojistas, etc, etc, etc.

      A editora não tem como colocar uma parte da culpa em quer que seja senão nela mesma. Ela tentar dizer que parte da culpa é dos lojistas por não saberem do sucesso da obra é, no mínimo, infantil por parte da empresa, não é algo profissional. A pessoa que escreveu o texto seria demitido em qualquer empresa séria…

  • Ken-Oh

    Yahahahaha! Q bizarro, mas o mangá ta fazendo sucesso n garante nada, vide o caso de Toriko aqui.

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: