NI 226. Mangá “Shaman King” agora tem uma nova casa no Japão: Kodansha [Atualizado]

Editora Argentina Ivrea confirmou em resposta a leitores…

Em meados do ano, publicamos uma notícia falando que o mangá Shaman King, de Hiroyuki Takei, não pertencia mais à Shueisha. O autor vinha em um litígio com a empresa há bastante tempo e, ao que parece, ele havia conseguido romper o contrato. A informação fora passada pela editora argentina Ivrea a seus leitores, que publica o mangá no país vizinho. Shaman King estava há meses por lá sem ter um volume novo devido a esse imbróglio entre Takei e Shueisha. Na ocasião, com o rompimento do contrato do autor com a editora nipônica, a empresa argentina disse estar esperando que o autor firmasse contrato com uma nova editora para então poder negociar e continuar o mangá. Agora, a mesma Ivrea acabou de revelar a seus leitores que Shaman King passou a pertencer à editora Kodansha no Japão. Vejam as imagens:

Se você não sabe espanhol: A Ivrea disse que há poucos dias se oficializou que o autor assinou com outra editora.
Se você não sabe espanhol: Nesta imagem, a Ivrea diz com qual editora o autor do mangá assinou: Kodansha.

Shaman King foi originalmente publicado na famosa revista Weekly Shonen Jump, da Shueisha, entre 1998 e 2004, sendo concluído em 32 volumes. Porém seu fim foi completamente abrupto, sem apresentar, de fato, um final. Tempos depois, a obra foi republicada em uma edição kanzenban, contendo o verdadeiro final e reduzindo para 27 volumes no total. A obra ainda ganhou alguns mangás derivados como Shaman King Zero e Shaman King Flowers, todos publicados pela Shueisha. Acreditando no que a Ivrea disse, agora todas essas obras pertencem à Kodansha, um caminho natural e que todos já previam visto que o autor está publicando seu mangá atual, Nekogahara, por essa empresa.  No Brasil, Shaman King teve sua série original publicada pela editora JBC no formato meio-tanko (cada edição japonesa virou duas no Brasil) em um total de 64 volumes.

Essa informação da nova casa de Shaman King não impacta em praticamente nada no Brasil, mas uma vez que o mangá está nas mãos de outra editora japonesa significa que, em teoria, qualquer outra editora brasileira pode adquirir o título e lançá-lo no Brasil.

Sinopse: Manta Oyamada é um garoto normal, que gosta de estudar e de descobrir o significado de novas palavras. Um dia, atrasado para pegar o último trem, ele resolve cortar caminho pelo cemitério. E não é que ele se depara com uma porção de espíritos e um garoto que conversa com eles? No dia seguinte, na escola, Manta encontra o mesmo garoto e descobre que ele acabou de chegar à cidade e vai estudar em sua sala. Seu nome é Yoh Asakura. O moleque, que parecia apenas desligado da vida, conta a Manta que, na verdade, possui poderes inimagináveis: ele vê e conversa com espíritos! E o mais supreendente é que Yoh pode incorporar essas almas e usar as habilidades especiais de cada uma delas. Isso tudo por que ele é um Xamã, ou seja, uma pessoa que tem o poder de conectar o Mundo dos Vivos ao dos Mortos. Com esta habilidade, Yoh ainda dá uma mãozinha para espíritos que não conseguem se desprender desse plano por algum assunto que deixaram pendente em vida.

***

Para os mais curiosos, infelizmente não há nenhuma notícia sobre o porquê da briga do autor com a Shueisha. Se descobrirmos, informaremos por aqui^^.

[Atualização]

Vale lembrar também que, por essa informação ter sido passada por uma editora estrangeira, ainda não há qualquer detalhe sobre novas edições do mangá no Japão. Tampouco não existe um anúncio oficial por parte da Kodansha.

Outra coisa que precisamos mencionar é que conseguimos uma outra fonte^^: o site americano Patch Café, inteiramente dedicado ao autor e que vem acompanhando o litígio entre Takei e Shueisha há vários meses, informou em uma postagem no dia 5 de novembro que os registros de Trademakers (marca registrada) já está listando a Kodansha como nova detentora de Shaman King. Até o momento, não conseguimos ter acesso a esses dados para confirmar. Conseguimos ter acesso ao documento no qual a Kodansha passa a ter os direitos sobre as marcas e confirmamos parcialmente a informação. Você pode conferir, clicando aqui. Dissemos “parcialmente” porque esse documento refere-se apenas ao logo, mas obviamente não faz sentido adquirir apenas os logos e não a totalidade dos direitos.

Como detalhe extra vale comentar que esse processo iniciou-se em janeiro e a assinatura do documento só ocorreu em julho. Esse período compreende mais ou menos grande parte do que se tinha conhecimento do litígio entre Takei e a Shueisha. No momento, não temos como saber exatamente quando todos os trâmites foram encerrados e a Kodansha se tornou detentora do mangá. Assim que novas informações forem descobertas e/ou divulgadas atualizaremos vocês por aqui^^.

[Atualização 2]

A Ivrea deu novas informações sobre a situação de Shaman King. A editora reafirmou que os direitos internacionais da obra já estão de posse da Kodansha e a editora argentina já conversou com eles para retomar o mangá no país vizinho, porém veio um banho de água fria para os hermanos. A Kodansha só começar a manejar os direitos do mangá em janeiro de 2019. Sendo as informações verdadeiras isso significa que quem deseja um relançamento no Brasil vai ter que esperar ainda mais, já que isso descarta totalmente o mangá em 2018.

***

Curta nossa página no Facebook

 Nos siga no Twitter

BBM

Atualizado pela primeira vez em 12/11/2017  para incluir informações do site Patch Café e do registro de Trademakers. Posteriormente atualizado em 19/11/2017 para a inclusão de novas informações vindas da Ivrea.

8 comentários

  1. Será que com essa mudança de editora e uma outra notícia de um remake animado até então recusado pelo autor não indiquem um possível relançamento da obra e com isso aconteça inclusive esse tão sonhado remake?

    Curtir

    1. Não. Rs. Ainda não há nenhum anúncio oficial por parte da Kodansha e, portanto, nenhuma nova edição do mangá em vista.

      Sobre o remake do animê: se me lembro bem, o autor recusou por um motivo bem específico, acho que era sobre trilha sonora e dubladores. Ele queria que fosse a mesma equipe. Então creio que bastaria alguma produtora atender aos desejos dele para esse remake ocorrer…

      Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s