Mangás digitais pela JBC em breve

E não é o prometido Henshin Drive

No último dia 12 de novembro, durante o evento Henshin +, a editora JBC comentou que o projeto do Henshin Drive (um aplicativo para leitura de mangás digitais que a empresa vinha desenvolvendo) acabou esfriando por burocracias. Ao que se sabe, os japoneses não gostaram muito da ideia de se fazer um esquema Netflix de distribuição de mangás. A editora deixou subentendido que até daria para implementar a ideia, entretanto com poucos títulos no catálogo não seria atrativo para o público brasileiro.

Porém, a JBC também comentou que em breve começaria a publicar ebooks e os primeiros seriam os títulos nacionais da editora, como Henshin Mangá e as obras da série Combo Rangers. Todos eles já disponíveis em diversas plataformas, como Kindle e Google Play.

Agora a grande novidade vem do site do ISBN. Ele marca o registro de algumas séries japonesas para o formato digital, o que em teoria indica que elas  serão as primeiras obras a serem vendidas em ebook pela editora. São elas:

-Battle Angel Alita (1 a 9)

-Blame! (1 a 10)

-Fort of Apocalypse (1 a 10)

-Knights of Sidonia (1 a 15)

-Samurai 7 (1 a 2)

-The Ghost In The Shell (1 e 2)

-The Seven Deadly Sins (1 a 24)

-Ultraman (1 a 9)

O detalhe curioso é que Battle Angel Alita será a versão em 9 volumes, provavelmente seguindo a edição digital publicada pela Kodansha em 2014. Outro detalhe é que, à exceção de Ultraman que pertence à Shogakukan, todas as séries são licenciadas pela Kodansha.

Como ainda não houve um anúncio oficial, não há como saber quando esses mangás serão efetivamente vendidos.

***

Curta nossa página no Facebook

 Nos siga no Twitter

BBM

3 comentários

  1. Tomara que vingue e comece a virar algo padrao como ta sendo nos EUA,porque:
    1) há um limite de quanto espaco podemos ter pra manter nossas coleções
    2) acaba com a desculpa de nao reimprimirem certos numeros que ficam impossiveis de achar com o passar do tempo,nos deixando a mercê dos mercenários FDPs dos Mercados Livres da vida…

    Curtir

  2. Ao não entrarem no mercado de mídia digital, estão dando um tiro no próprio pé, pois quando você se depara com títulos/volumes difíceis de encontrar, boas chances de optar por scans online (pirataria) que não gera lucro algum pra eles.

    Heh.

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s