Mais? JBC promete novo anúncio nas próximas semanas…

O anúncio da publicação de A rosa de Versalhes foi a grande surpresa da editora JBC, um título impactante, grandioso e até então impensável em nosso mercado de mangás. Obviamente o anúncio, realizado durante o vídeo semanal da editora no Youtube, ofuscou qualquer outra notícia que tenha sido dita, mas passado o surto inicial, viemos por a casa em ordem e informar  vocês^^.

Após anunciar o mangá, a empresa comentou que as novidades da JBC não pararam por aí e que tem mais anúncios vindo nas próximas semanas \o/.

Nenhum título que a editora anunciar (ou muito possivelmente nenhum) terá a mesma importância de A rosa de Versalhes para o mercado brasileiro de mangás, mas para quem deseja novidades eis mais uma fagulha de esperança de que aquele seu título desejado apareça dentro em breve^^.

Vale comentar que “próximas semanas” não quer dizer “semana que vem”. Pode ser daqui a duas, três, quatro semanas, etc. Ainda assim, que comecem as apostas…

***

Curta nossa página no Facebook

Siga-nos no Twitter

BBM via Henshin

32 Comments

  • Blues

    Inuyasha finalmente?? Rave Master?? Reimpressão do mangá de Card Captor Sakura lançado em 2013??

    • Lucas Lima

      A coleção de Card Captor Sakura 2013 está disponível na Amazon e Saraiva, completa.

  • Vinícius

    A JBC tá que tá!Espero que seja Inuyasha ou um relançamento de Yu-gi-oh!

  • Alexandre K

    Blade, Alita, Blame!, Fullmetal Alchemist, Fullmetal Guia, Fairy Tail, Fairy Tail Gaiden e My Hero Academia Smash… todos esses títulos da JBC terminarão em 2018. E Magi e Saintia Shô entrarão em hiato.

    Por isso a NECESSIDADE de anunciar novos títulos, caso contrário a editora ficaria sem ter o que publicar. Portanto vejo com naturalidade os novos anúncios, mas com surpresa o shoujo A Rosa de Versalhes, logo pela JBC.

  • G

    Espero que seja algo bom, porque o último anúncio foi uma decepção.

  • RPM Souza

    Eu acho errado dizer que nenhum outro título terá a mesma importância de A Rosa de Versalhes. O mercado não vive de clássicos, menos ainda de shoujos. Não digo isso nem por falta de interesse no título, mas sim porque ele não deixa de ser mais um que um nicho específico vai adquirir. Pra mim um título importante é um que faça “não-leitores” comprarem, e infelizmente não vejo que esse vá conseguir tal feito.

    • jjbala

      “Pra mim um título importante é um que faça “não-leitores” comprarem, e infelizmente não vejo que esse vá conseguir tal feito.” = RPM Souza

      Boa observação !!! Mas completando, com a elitização e preços não convidativos aí é que não haverá alcance e popularização e o mercado de mangás continuará como mais uma curiosidade…

      Tendência a verem “desenho japonês” (amimê… sob) na Netflix e memes no Zapzap do que conhecerem o mangá ou a novel.

    • Eu acho que você está equivocado em sua visão e está deixando de perceber a importância que tem A rosa de Versalhes em todo o seu contexto.

      Em primeiro lugar, o seu temor de que a obra não vá trazer não-leitores é infundado. Desde que as dicas começaram a “dizer” que era Rosa de Versalhes, cansei de ver no Twitter e em diversos grupos no Facebook pessoas dizendo que não compram mangás há anos e que voltariam a comprar só por causa desse título. Então a gente já tem aí um público “novo” para a obra. A função do lançamento de clássicos é justamente essa, trazer de volta leitores antigos e ampliar a gama de consumidores do mercado de mangás. Dado à temática do mangá (revolução francesa e tal) isso é o que não faltará.

      Em geral, os títulos lançados no Brasil (mesmo vários daqueles que são para abarcar “não-leitores” de mangás) são sempre para o mesmo público e pode chegar um momento em que não vai haver renovação e o mercado decaia. Então quanto mais clássicos e obras diferenciadas, melhor para o mercado, pois você abre as possibilidades e abrange uma gama de pessoas bem maior, com gostos diversificados.

      Em segundo lugar, A rosa de versalhes trata-se de uma obra icônica, que quebrou paradigmas, influenciou outras obras e tem uma importância histórica e cultural muito grande, sendo até hoje estudado e re-estudado em diversas universidades do mundo. A gente praticamente não tem obras no Brasil que tenham todo esse background. Um mercado de mangás precisa ter obras grandiosas como essa em circulação e a vinda de Lady Oscar vem diminuir um pouco mais essa lacuna.

      Isso já é suficiente por si só para não se duvidar da importância do anúncio desse mangá e ver que seriam poucas as obras que teriam a mesma importância.

      • RPM Souza

        Talvez eu não tenha deixado claro que me referia a importância no mercado, não histórica, visto que a ultima é inquestionável.

        Mas pessoas que deixaram de comprar mangás não são exatamente um publico “novo” e não ajuda em nada a renovar a safra de leitores. Aliás, se pretendem voltar a comprar SÓ por causa d’A Rosa de Versalhes, já conhecem o título e possivelmente é um publico bem familiarizado com mangás clássicos ou, no máximo, um grande interesse pela revolução francesa.

        Quantas pessoas que nunca abriram um livro o fizeram pela primeira vez por causa de um bruxo quatro-olhos? Era esse primeiro contato que eu me referia como importante. Como foi Naruto pra muitos. Como foi Cavaleiros do Zodíaco. Como foi Dragon Ball. Não que o primeiro mangá de alguém não possa se A Rosa de Versalhes, mas essa pessoa certamente foi influenciada por um amigo a ler, porque ela por si só não tem apelo algum com essas capas nada chamativas e nome brega…

        Ou talvez minha falta de empatia tenham me deixado mais ainda turrão cabeça-dura…

        • Marcelo

          Kyon falou tudo. Qualquer coisa dita depois para rebater é inútil, não fará sentido. E só pelo fato de você achar o nome brega já mostra sua antipatia para com a obra.

        • Então, vou começar dizendo o seguinte: não há como haver um novo naruto ou um novo CdZ^^. Não há mais como uma obra se popularizar tanto assim já que novos animes não são exibidos na tv aberta :(. Mesmo OPM que teve uma popularização por causa da Netflix nem passou perto de se igualar a Naruto ou CdZ :(.

          No futuro isso pode mudar e alguma obra se tornar muito popular, mas atualmente não tem chance disso acontecer. Então, se você considera isso importante para o mercado, isso não vai acontecer de jeito nenhum. Esqueça essa ideia^^.

          ———
          Agora vou citar novamente o que eu disse no comentário anterior que foi a minha resposta ao que você disse sobre um título importante ser aquele que traz “não-leitores”:

          “Em geral, os títulos lançados no Brasil (mesmo vários daqueles que são para abarcar “não-leitores” de mangás) são sempre para o mesmo público e pode chegar um momento em que não vai haver renovação e o mercado decaia. Então quanto mais clássicos e obras diferenciadas, melhor para o mercado, pois você abre as possibilidades e abrange uma gama de pessoas bem maior, com gostos diversificados.”

          Você já sabe que não há como existir um novo Naruto. Entretanto, há obras populares que são lançadas continuamente em nosso país e que sempre trazem novos leitores, que viram o anime na internet e se interessaram pelo mangá. Não deve ser nem 1/100 do que era com Naruto, mas essas obras existem. Estão aí, nunca deixaram e nunca deixarão de existir (ao menos, a gente espera que não).

          Só que há um problema: as obras populares lançadas no Brasil são sempre muito parecidas (lutinha, echi ou romance escolar) e para o mesmo público (adolescentes ou jovens adultos). Logo o mercado se fecha e não há diversificação. Não havendo diversificação, com o tempo as pessoas começam a deixar de comprar por não se interessarem mais (ou por qualquer outro motivo). Se as novas obras populares não suprem essa demanda que abandona, o mercado tende a se estagnar e diminuir. (E, veja bem, isso parece ter acontecido nos últimos anos por causa da crise econômica).

          Então, considerando que não há como existir um novo naruto, e se existe esse problema relatado acima, como é que uma obra hipotética que traz não-leitores pode ser mais importante para o mercado do que A rosa de versalhes?^^.

          O que você não entendeu é o seguinte. Se uma obra como a Rosa de Versalhes conseguir trazer 100 novos leitores será mais importante para o mercado do que uma obra popular que traga 1000 novos leitores, afinal será um novo tipo de público que pode ajudar a expandir o mercado de mangás para um outro ponto, com outras temáticas, e trazer outras obras diferenciadas.

          Você disse muito bem, o mercado não vive de clássicos e nem de shoujos. Concordo plenamente. E isso precisa mudar. Enquanto o mercado continuar igual, ele continuará sendo um mercado ruim em que não dá para sonhar com quase nada. Ele precisa de diversificação urgentemente. Precisa de clássicos que não sejam Osamu Tezuka, precisa de shoujos, precisa de hentais, precisa de yaois, yuris, precisa de mangás de esporte, precisa de mangás longos, precisa de mangás sobre música, sobre acampamento, sobre tudo. Todos os nichos de mercado são importantes para fazer um mercado de mangás forte.

          Felizmente, nos últimos tempos ainda que muito lentamente algumas obras diferenciadas estão aparecendo. A Rosa de versalhes é mais importante nisso tudo, pois é um ponto fora da curva nesse ponto fora da curva. É um shoujo de temática histórica. É o primeiro desse tipo e se for um sucesso pode fazer com que diversas outras obras que sejam um ponto fora da curva apareçam^^.

      • gorilaprimeiro

        É raro encontrar comentários tão sólidos e sensatos, com coesão e argumentação. Sou um dos leitores que voltariam a comprar mangás nacionais com o lançamento da obra em questão. Justamente por seu valor histórico e cultural.

  • João

    JBC com anúncios melhores que a Panini….Desde Alita /Platinum End e agora Rosa de Versalles. E a panini vem com o fraquissimo Black Clover.

  • João

    A JBC, ainda poderia vir com a reimpressão de Shaman King que na minha opinião, deve ter com mercado.

  • FABIO RATTIS LIMA

    Quantos mang´s de Esporte a JBC ja publicou ?

    seria legal ela anunciar Haikyuu.

  • Letí

    Será que será mais algum título que vai acabar pesando no bolso, ainda mais que tem vários títulos interessantes no mercado saindo agora.

  • gilberto.

    A JBC tá vindo com tudo, os últimos anúncios da editora estão ótimos – bem melhores que os da Panini. Só falta o anúncio de Nausicaa para fechar com chave de ouro.

  • Marcelo

    Que eles comecem a distribuir bem esses lançamentos, com um bom cronograma e logística. Porque com tantos títulos fantásticos sendo anunciados, lançar todos de uma vez vai pesar no bolço enormemente.

    • anon

      Agora seria um bom momento para lançarem Devilman aproveitando a atenção que teve com a série do Netflix, mas eu já estava pedindo para a NewPop lançar deste antes de anunciarem o Crybaby, já que até então eles eram a única editora que ainda tentava incluir mangás mais clássicos no catalogo.

      Eles poderiam inclusive divulgar o mangá falando da influência que teve em outros autores e obras, como no grupo CLAMP, Evangelion, Berserk, etc

  • Qual é JBC? Vai esperar Punpun completar 30 anos pra enfim lança-lo também? Será que o mangá não é tão pedido assim pra deixa-lo de escanteio com tantas outras obras do Asano já publicadas por aqui? 🙁

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: