Panini divulga preço e mês de lançamento do mangá “Bungo Stray Dogs”

Mais caro do que se supunha…

Na tarde desta sexta-feira (24/08/2018), a editora Panini colocou no ar um plano de assinatura para o mangá Bungo Stray Dogs, de Kafka Asagiri e Sango Harukawa. Com isso, fez-se conhecer o mês de lançamento e o preço da obra.

O mangá começará a ser lançado em dezembro e custará R$ 22,90, um real a mais do que era esperado. Quando o título foi anunciado a empresa comentou que a obra viria no novo formato padrão da editora com miolo em papel offwhite então esperava-se que viesse por R$ 21,90. Não veio.

137,40 por 6 edições = R$ 22,90

Como praticamente todos os mangás da editora, a obra será lançada em periodicidade bimestral, informação também revelada na página de assinatura do mangá.

Bungo Stray Dogs é publicado desde 2012 na revista seinen Young Ace, da Kadokawa Shoten. A obra ainda está em produção no Japão e possui atualmente 15 volumes.

Sinopse: Expulso do orfanato e prestes a morrer de fome, Atsushi Nakajima conhece alguns homens bastante estranhos. Um deles, Osamu Dazai, é um suicida tentando se afogar em plena luz do dia. Outro, chamado Doppo Kunikida, fica parado, folheando nervosamente seu bloco de anotações. Ambos são membros da Agência de Detetives Armados, e se dizem responsáveis por solucionar casos que nem a polícia e o exército ousam tocar. Atsushi acaba acompanhando-os em uma missão para eliminar um tigre comedor de gente que está aterrorizando a população…

16 Comments

  • Jefferson Alves

    Pois é galera ultimamente está assim assim: compra quem pode, chora quem quer. Acredito que acompanhar a maioria desses titulos que estão saindo, vai ser complicado para alguns.

    • Sempre foi “compra quem pode”, mas agora está diminuindo ainda mais o número de pessoas “que pode”.

      • NaBoa

        Discordo de sua afirmação “Sempre foi compra quem pode”. Até meados dos anos 90 (antes do plano Real), gibis eram algo realmente barato, acessível a maioria. Tex tinha tiragens acima de 100 mil exemplares e Conan (segunda metade dos anos 80) era a segunda maior tiragem da editora Abril, atrás apenas da revista Veja. Mesmo os mangás, quando começaram por aqui nessa fase (ano 2000), custavam metade de uma mensal Marvel/DC. Mas nos últimos anos gibis vem se tornando artigo exclusivo, indo na contra mão daquilo que sempre foram. E não estou falando das obras concebidas para o público adulto, estou falando dos títulos de entrada mesmo, que deveriam ser os mais simples e baratos, mas cada vez mais isso esta sendo deixado de lado.

        • “até meados dos anos 90 (antes do plano Real), gibis eram algo realmente barato, acessível a maioria. ”

          Esse trecho não tem nada a ver com o que foi comentado aqui^^. Falamos apenas de mangás e tirando aqueles gatos pingados que apareciam aqui e ali não tinha mangás nessa época. Ou seja, quando falamos que “Sempre foi compra quem pode” estávamos nos referindo a partir de 2000 quando “surgiu” esse mercado de mangás :).

          “Mesmo os mangás, quando começaram por aqui nessa fase (ano 2000), custavam metade de uma mensal Marvel/DC”.

          Falar que os mangás custavam metade do que os quadrinhos marvel e dc apenas mostra que estes quadrinhos eram ainda mais caros e ainda mais inalcançáveis para uma parcela da população. Ao contrário do que muita gente pensa, em 2000 os mangás não eram tão baratos ou acessíveis e para colecionar era preciso fazer parte de uma família um pouco mais privilegiada.

          Pense, por exemplo, como você iria comprar mangás se sua família ganhasse cerca de metade do salário mínimo? Não haveria jeito. Sempre foi “compra quem pode” porque havia um mundo de pessoas que não trabalhavam, que ganhavam muito pouco, que estavam em situação de extrema pobreza, etc. Não dá para desconsiderar milhões de pessoas da equação. Essas milhões de pessoas não podiam, mesmo se quisessem comprar.

          Minha família mesmo ganhava menos de um salário mínimo na época e eu só conseguia comprar os quadrinhos Disney de 1 real e ainda assim muito de vez em quando. Colecionar mangás (e como eu queria ter colecionado Sakura) era fora de questão. Tanto que meu primeiro foi só em 2004 com um volume aleatório de CdZ.

          Então, assim, você pode até não concordar que “Sempre foi compra quem pode”, mas em minha opinião você estará desconsiderando uma parcela significativa do povo brasileiro que poderia querer comprar e não conseguia. Parcela da qual durante muito tempo eu fiz parte.

          —-
          Só para você ter uma ideia do quanto os mangás eram caros em 2000 para a população pobre, vamos para uma comparação meio boba: um volume de CdZ da Conrad custava R$ 3,90, cerca de 2% do salário mínimo. O que custa cerca de 2% do salário mínimo hoje é esses mangás da Panini a R$ 21,90.

  • JMB

    Gente, alguém pode me dizer se realmente vale a pena esse novo formato da Panini ou se é só loucura por parte da editora? Vi Naruto Clover na banca (com o plástico protetor) e, apesar de não ter total certeza por não poder ver o miolo, não vi nada demais que justificasse esses preços tão altos praticados atualmente (nem formato é nem qualidade do título 😎)

    • Preço de capa não vale papel muito inferior ao lux cream, eu pensei que teria quase a mesma pegada, papel desse mangá me parece um pepel jornal de luxo somente isso, fire force e o do mago the irregular … mesma coisa, ainda bem que só paguei 14 reais em cada não o preço de capa.

      • Jefferson Alves

        Comprei esses títulos q sairam em papel offwhite e vou ser sincero, o povo reclamava do papel jornal pq a folha acabava sendo trannsparente, mas esse papel ai eu tbm consigo ver algumas imagens entre as páginas. Não estou reclamando, é apenas uma observação, até pq eu nao ligava se era em papel jornal alguns mangas.

      • Eraldo Rocha

        Sendo que o Luxcream é um papel jornal com nome bonito, até amarela igualzinho em pouco tempo.

        Offwhite usado pela propria JBC em Your Name e 7 Samurai é bem melhor que esse Luxcream, e aparentemente o usado pela panini em primeiro momento é bem superior tambem.

        E o Offset é muito superior a todos.

        Vocês reclamam so pq é a panini publicando, e são fanboyzinhos da JBC, se fosse ela lançando vocês estariam elogiando e chamando de desbravadoras dos novos papeis de nomes bonitos e pouca qualidade, mesmo comprando um mangá 2 em 1 por 40 contos que com 6 meses ta todo amarelinho como meu Death note e o Alita.

    • Ken-Oh

      Rapaz sendo sinceraço, n vale n. Realmente comparado ao antigo padrão de 13,90 esse formato é melhor, o manga aparenta ser mais resistente, as paginas são um pouco asperas, o papel tem uma qualidade bacana. Mas n é algo q vc diga “Meu Deus q formato incrível”.
      Na verdade esse formato é totalmente semelhante ao formato dos mangás lançados pela Viz Media no EUA, mas acho q no preço q tá n vale mesmo, talvez se fosse uns 16 ou 17 conto ainda ia. Visto q Little Witch Academia da JBC tem um formato semelhante, apresenta paginas coloridas e custa, veja só, 16,90.

      • JMB

        Obrigado por tirar minha dúvida.

        Era justamente isso que eu estava pensando: se veio na mesma qualidade de your name. e LWA, pq esse preço tão alto? Não era a Panini, uma multinacional, que deveria poder praticar preços mais baixos que os da concorrência? Parece que o jogo virou mesmo

  • Diego David Junqueira de Andrade

    Caramba
    Vejo que mais um mangá que não irei pegar por causa do preco, e este eu estava mega impolgado de pegar, bem mais que o inregular magic.
    Agora tô pensando se os mangás estão com este preço, por quanto ficará a light novel do SAO? Uns 50 conto com papel off-alguma coisa
    E o overlord da JBC….😱

  • Starrk

    Poxa, pareciaz interessante, mas com esse preço eu não pego nem com desconto em site, to sentindo que vai flopar hard.

  • Elso

    Uma obra legal? Sim.
    Tenho vontade de comprar? Sim.
    Vou investir tudo isso em uma obra sem previsão de término? Não.
    Boa sorte Panini, mas dispenso.

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: