O que “Orange”, “Vinland Saga” e Tokyo Revengers” têm em comum?

Há algo que os une?

O que os mangás Orange, de Ichigo Takano, Vinland Saga, de Makoto Yukimura, e Tokyo Revengers, de Ken Wakui, têm em comum? Além do fato de serem mangás e de terem sido licenciados no Brasil, esses três títulos guardam entre si um acontecimento semelhante que, para muitos brasileiros, pode parecer pouco usual: os três tiveram uma mudança no projeto das capas no meio da publicação japonesa.

Vem conhecer um pouco mais^^.


VINLAND SAGA


O caso mais antigo dessa lista é o de Vinland Saga. Embora todos conheçam a obra como um mangá seinen, o título de Makoto Yukimura começou a ser lançado como um mangá shonen. A obra foi iniciada no Japão em 2005 na revista Weekly Shonen Magazine, da editora Kodansha, e, à época, teve seus capítulos compilados em dois volumes. Eis as imagens abaixo:

Vinland Saga, então, foi movido para a revista seinen Afternoon, também da editora Kodansha, onde permanece até hoje. Nessa mudança, os dois volumes iniciais foram republicados, com novas imagens, as que conhecemos hoje e que foram utilizadas no Brasil pela Panini.


ORANGE


O caso de Orange é semelhante ao de Vinland Saga, por mudar de revista e demografia, mas de uma maneira bem mais pouco usual. A obra de Ichigo Takano começou a ser publicada no Japão em 2012 na revista de mangás shoujos Betsuma, da editora Shueisha, mas após nove capítulos – por razões não muito claras até hoje – o título parou de ser publicado. Entretanto, dois volumes encadernados já tinham sido lançados até aquele momento, eis:

Orange voltaria a ser publicado tempos depois, mas não mais em uma revista shoujo e sim em uma revista seinen, a Manga Action, da editora Futabasha. Os dois volumes iniciais foram, então, republicados com um novo projeto gráfico, os que conhecemos e que foram usados na edição brasileira, vejam a seguir.


TOKYO REVENGERS


Diferente de Orange e Vinland Saga, Tokyo Revengers não teve nenhuma mudança de revista. Ele começou a ser publicado na Weekly Shonen Magazine em 2017 e continua nela até hoje. Ainda assim, ele também teve mudanças no projeto gráfico das capas.

Inicialmente as capas tinham uma imagem centralizada com mais de um personagem e faixas pretas nas partes de cima e de baixo. Vejam a seguir:

Após quatro volumes, a Kodansha resolveu reformulá-las e relançou os volumes iniciais com capas novas. Não há uma explicação clara para isso, mas supostamente a empresa queria conquistar mais consumidores para o mangá, pois com as capas antigas o título acabava atingindo apenas um público mais velho, diferente do que era originalmente programado. Vejam as capas novas:


NOS SIGA EM NOSSAS REDES SOCIAIS



6 Comments

  • Gabriel

    No caso de Vinland Saga e de Orange, qual demografia a gente considera então? Eles são das duas demografias ou só considera a última em que foram publicados?

  • Muito interessante, realmente
    As capas antigas de Orange eram belíssimas, mas as novas tbm são lindas
    Os outros dois, foi com certeza um upgrade. Sou partidário das capas que só tem 1 único personagem em destaque, que nem as capas de Bleach

    • Sim, existem casos semelhantes ao de “Orange” em que além de mudar de revista, mudaram de editora, então as capas foram alteradas.

      Um caso que conheço é o de Zone-00, mangá que foi cancelado no Brasil pela Panini.

      Ele teve dois volumes publicados pela Editora Biblos.
      Posteriormente, a obra foi para o grupo Kadokawa e os volumes foram relançados com novas capas.
      Você pode ver elas nos link a seguir: https://blogbbm.com/manga/zone00/

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: