Mangakás publicados por mais de uma editora

Obra de um autor que saiu por mais de uma empresa…

É bastante comum que quando uma editora lance um mangá de um certo autor outras obras do mesmo apareçam apenas pela mesma editora. Entretanto isso não é uma regra, não existindo uma exclusividade na maioria dos casos, variando de licenciante para licenciante. Alguns não têm preferências por empresas, outras gostam de manter tudo na mão de uma mesma editora.

Ainda assim é bastante curioso quando uma empresa lança uma obra de um autor e outra empresa, quase simultaneamente, lança outra do mesmo artista. Pensando nisso, e aproveitando esse possível lançamento de uma obra de Osamu Tezuka pela editora Veneta, resolvemos elencar aqui alguns mangakás que tiveram obras publicadas por mais de uma empresa.

***


Mais publicados


-Kazuo Koike: (Cedibra, Conrad, Nova Sampa e Panini): O autor esteve presente em nosso país desde o “sempre”, quando Lobo Solitário foi publicado pela primeira vez. Ao todo, entre obras inéditas e relançamentos, quatro editoras publicaram mangás de Koike.

Lobo solitário (Cedibra, Nova Sampa, Panini); Yuki – Vingança na neve (Conrad); Samurai executor (Panini), Crying freeman (Nova Sampa e Panini), Novo Lobo solitário (Panini).


-Ryoichi Ikegami (Abril, Conrad, Mythos e Panini): Assim como Koike, Ikegami “sempre” esteve presente no país com obras por diversas editoras entre relançamentos e obras inéditas. Porém boa parte delas ficaram incompletas.

Os seguintes títulos foram lançados: Crying Freeman (Abril e Panini); Mai a garota sensitiva (Abril); Homem-Aranha (Mythos) e Sanctuary (Conrad)


-Osamu Tezuka (Conrad, JBC, NewPOP e, talvez, futuramente a Veneta): O “deus do mangá” teve sua primeira obra publicada no Brasil pela editora JBC. Um tempo depois a Conrad lançou mais algumas e, por fim, hoje em dia a NewPOP lança os mangás do autor. A Veneta pode lançar um mangá do Tezuka em breve também.

No meio disso, a Panini ainda publicou uma releitura de Astro Boy pelas mãos de Akira Himekawa (Zelda). O nome de Tezuka estava presente na capa, mas não se trata de uma obra original do autor. Tezuka é um dos autores com mais mangás em nosso país atualmente. Conheça todas as obras dele no Brasil, clicando aqui.


-Inio Asano (JBC, L&PM, Panini): Inio Asano é um dos autores cult mais populares que existe^^.

Ele teve sua primeira obra no Brasil em 2011 pela L&PM (Solanin). Em 2016, a JBC publicou um título (Nijigahara Holograph) e em 2017 a Panini lançou um (A cidade da luz).

A obra mais popular do autor, porém, permanece inédito em nosso país.


Makoto Shinkai (JBC, NewPOP, Panini): A presença de Shinkai é um tanto quanto questionável, já que ele não é o autor dos mangás e sim apenas o criador da história original. Mesmo assim resolvemos incluí-lo.

Sua primeira obra no Brasil foi publicada pela editora Panini (The voices of a distant star); posteriormente a NewPOP lançou outros dois mangás (5 cm por segundo e O jardim das palavras); por fim a JBC lançou uma obra dele (Your Name).


-Jiro Taniguchi (Conrad, Devir, Panini): O premiado autor Jiro Taniguchi teve no Brasil uma obra pela Conrad (Gourmet) e duas pela Panini (O livro do vento e Seton), entre 2006 e 2009.

Seton, porém, acabou cancelado em apenas um volume.

Agora em 2017, a Devir publicou O homem que passeia.


-Takehiko Inoue (Conrad, Nova Sampa, Panini): Exceção entre os listados aqui. O autor foi publicado por três editoras diferentes, mas em duas delas com insucesso no lançamento de um dos mangás.

A Conrad inicialmente lançou Slam Dunk e Vagabond (este último em dois formatos, os dois cancelados). Posteriormente, a Nova Sampa relançou Vagabond, prometeu Slam Dunk, mas o primeiro acabou cancelado após quatro edições e o segundo nunca apareceu. Por último, a Panini adquiriu a licença das obras do autor e relançou os dois mangás.


Naoki Urasawa (Conrad, Panini e PNC): A primeira obra de Naoki Urasawa a sair no Brasil foi Pinapple Army (ou Combat, título nacional) pela editora PNC, porém apenas um número foi lançado.

Posteriormente, a Conrad publicou Monster, mas o título acabou cancelado. Por fim, a Panini adquiriu as obras do autor e lançou Monster, 20th Century Boys, 21st Century Boys e publicará Pluto.


Outros


-Ai Yazawa (Conrad e JBC): No Brasil tivemos Paradise Kiss (Conrad) e Nana (JBC).


-Akira Toriyama (Conrad e Panini): Teve diversas obras publicadas por Conrad e Panini. É um dos autores mais publicados no Brasil.


-Arina Tanemura (JBC e Panini): Famosa autora de shoujos, Arina Tanemura teve Fullmoon o sagashite pela JBC e The Gentlement’s Aliance Cross pela Panini.


-Eiji Otsuka (Conrad e Panini): Delivery Service of Corpse (Conrad) e MPD Psycho (Panini). Ambos os mangás do autor tiveram insucesso no Brasil e cancelados, embora não haja confirmação oficial do segundo, estando na “geladeira” da Panini.


-CLAMP (JBC e NewPOP): o famoso grupo CLAMP teve obras publicadas por JBC e NewPOP. Durante anos a JBC mantinha o “monopólio”, mas a NewPOP adquiriu a licença de algumas obras e, na época, especulou-se que a editora não detinha mais as obras das autoras. A JBC explicou que não existia nada disso e que ela nunca deteve exclusivamente.

A Panini publicou um mangá da série Blood que continha o nome do CLAMP na capa (Blood C, de Ranmaru Kotone), mas até onde sabemos as autoras só estiveram envolvidas com a animação.


-Cuvie (Panini e Nova Sampa): tivemos no Brasil Dorothea pela Panini e Hakoiri e Nightmare Maker pela Nova Sampa.


-Dall-Young Lim e Kwang-Hyun Kim (JBC e Savana): a dupla de coreanos que trabalham no Japão tiveram duas obras publicadas no Brasil, Freezing, pela JBC, e Aflame Inferno, pela Savana, este último com apenas um volume publicado.


-Hideshi Hino (Conrad e Zarabatana Books): Panorama do inferno (Conrad) e A serpente vermelha, O garoto verme e Oninbo e os vermes do inferno (Zarabatana Books).


-Iqura Sugimoto (JBC e Nova Sampa): De Sugimoto, a JBC lançou Summer Wars e a Nova Sampa publicou Variante.


-Junji Ito (Conrad e DarkSide Books): Uzumaki (Conrad) e Fragmentos do Horror (DarkSide Books).


-Kia Asamiya (JBC e Mythos): Do autor tivemos Star Wars – A ameaça fantasma (JBC) e Batman Mangá  e Dark Angel (Mythos). Os dois primeiros títulos deveriam ter sido relançados pelas editoras Abril e Panini respectivamente, mas isso não ocorreu. A Abril começou a relançar os mangás de Star Wars, mas parou após a segunda obra. Já em relação a Batman, um hotsite da Panini divulgou o lançamento, mas ele acabou adiado e nunca apareceu.


-Kohta Hirano (JBC e Nova Sampa): o autor teve uma obra pela JBC (Hellsing) e uma pela Nova Sampa (Drifters).


-Kyo Hatsuki (JBC e Nova Sampa): A autora teve Love Junkies e Inu Neko pela JBC e Tarareba pela Nova Sampa.


-Oh Great! (JBC e Panini): O autor teve no Brasil Tenjho Tenge e Burn-up Excess & W (ambos JBC) e Air Gear (Panini).


-Masakazu Katsura (JBC e Panini): a maioria de suas obras vieram pela JBC (Video Girl, DNA² e Zetman), mas a Panini publicou Katsura-Akira, volume único que o autor fez em parceria com Akira Toriyama.


-Masami Kurumada (Conrad e JBC): Teve diversos títulos publicados por Conrad e JBC.


-Masasumi Kakizaki (JBC e Panini): o autor teve três obras publicadas no Brasil, Green Blood (JBC), Hideout e Bestiarius (pela Panini).


-Ranmaru Kotone (JBC e Panini): Atualmente em destaque por ter desenhado o mangá de Your Name, Ranmaru Kotone já teve uma obra no Brasil anteriormente: o já citado Blood C, pela Panini em 2013.


-Sora Inoue (JBC e Opera Gráphica): O primeiro mangá de Sora Inoue no Brasil foi Jam -as justiceiras pela editora Opera Gráphica. Anos depois a JBC publicou Samurai Girl.


-Tsutomu Nihei (JBC e Panini): O primeiro mangá de Nihei no Brasil foi Abara, publicado pela Panini. Posteriormente, a JBC publicou Knights of Sidonia e Blame!.


-Yasuhiro Nightow (JBC e Panini): No Brasil tivemos Trigun e Trigun Maximum (Panini) e Blood Blockade Battlefront (JBC).


-Yukari Yashiki (NewPOP e Savana): Unordinary Life (Savana) , Amar e ser amado e Made in Heaven (NewPOP).


-Yuu Watase (Conrad e Panini): Fushigi YugiZettai Kareshi (Conrad); O mito de Arata (Panini).


***

Curta nossa página no Facebook

 Nos siga no Twitter

BBM

8 Comments

  • Como o Makoto Shinkai é creditado nas obras? Autor Original?

    Sobre Clamp em Blood C, se nao me engano o grupo recebe o crédito de Design de Personagens, que foi feito pra animação, mas consequentemente foi usado no mangá também

  • Yuki

    Achei super interessante a postagem, tem alguns que nem tinha percebido que era o mesmo mangaka. kkk
    Ah, só por curiosidade, quem é mangaka loiro da primeira foto? Sempre gosto de ver que cara os mangakas tem!

    • Ninguém sabe. Rs
      Existe registro de que ela publicou dois mangás no Brasil e depois sumiu, ainda lá na época em que Conrad e JBC estavam se consolidando, mas não tem como saber de onde veio e para onde foi…

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: