A Publicação de “Rosa de Versalhes” em outros países ocidentais…

Somos os únicos  americanos a ter essa obra…

O mangá Rosa de Versalhes, de Riyoko Ikeda, dispensa apresentações. Clássico mangá da década de 1970, a obra foi e ainda é um marco dos mangás shoujos, tendo influenciado (e ainda influenciando) muitas obras que viriam posteriormente.

Completo em 10 volumes, o mangá chega em breve pela editora JBC em uma edição de 5 tomos. A nossa postagem de hoje vem mostrar a vocês como foi a publicação desse títulos em outros países do ocidente para que vocês possam saber em que época ele foi lançado, se fez sucesso, etc.

Entretanto, antes de iniciar é preciso uma explicação. Apesar do mangá ser completo em 10 volumes, ele ganhou gaidens (histórias extras) no Japão, alguns deles saíram na década de 1980 após a republicação do mangá e outros bem recentemente. Os gaidens novos surgiram após 2013, quando a autora publicou um capítulo especial em homenagem aos 40 anos do mangá e, desde então, passou a publicar regularmente. Só que, ao contrário dos primeiros gaidens, foi resolvido que os novos volumes seriam incorporados à numeração da série original, virando os volumes 11,12,13 e 14. Por causa disso, surgiram até boatos em alguns sites por aí afirmando que a obra havia ficado em hiato por 40 anos, o que está longe de ser verdade.

Saber da existência desses gaidens é importante para compreender o modo como o mangá foi publicado em alguns países… Dito isto, vamos à postagem^^.


Itália

Jojo’s Bizarre Adventure é um ícone na Itália, mas ele está longe de ter a importância que tem A Rosa de Versalhes no país, tendo sido publicado por 5 editoras diferentes e estando no imaginário do público consumidor de quadrinhos local.

A primeira publicação de Rosa ocorreu entre 1982 e 1984 em formato de revistinha, sendo publicado semanalmente. Foram ao todo 106 volumes, de 16 páginas cada. Nesta primeira edição, o mangá se chamou Le avventure di Lady Oscar (As aventuras de Lady Oscar) e a casa da obra foi a Fabbri Editore.

Fonte da imagem: Shoujo Café

Segundo informações do blog Shoujo Café, essa edição vinha encartada junto com Candy Candy e era espelhada (leitura ocidental) e colorizada. Não somente isso, pelas informações do site italiano Robozzy essa versão teve ainda muitas adaptações e censuras, com páginas inteiras retiradas e tendo modificado até mesmo o final. Não comentaremos isso aqui, pois trata-se de um spoiler dos grandes.

Ainda em 1984, antes dessa primeira publicação ser encerrada, começou a ser lançada no país uma segunda publicação da obra, com bem mais páginas por edição, correspondendo a 5 revistinhas de 16 páginas. Ao todo foram 21 volumes, sendo concluído ainda em 1984 e antes da primeira O_o. Vale destacar que essa segunda versão não era um compilado de volumes não vendidos e sim uma edição totalmente nova, embora se utilizasse das capas de algumas revistas da primeira edição.

2ª edição de A Rosa de Versalhes: Fonte da imagem: Robozzy

Após uma década, o mangá voltou a dar as caras na Itália, em 1993, dessa vez pela editora Granata Press (a mesma da primeira publicação italiana de Hokuto no ken) e sob o nome de Lady Oscar. Essa edição teve um total de 20 volumes e foi concluída em 1994. Essa versão, segundo o site larosadiversailles.it, foi fiel ao original japonês, estando em preto e branco, e foi publicado em um formato grande 16 x 24 cm, quase o tamanho da edição brasileira de The Ghost In The Shell.

Lady Oscar, Granata Press.

Notem na capa acima que há um número 25 nela, mas se trata da capa do volume 1. O 25 refere-se ao número da coleção “Manga Hero” da Granata Press (os volumes 1 a 24 eram das séries Grey e Horobi, ambos do mangaká Yoshihisa Tagami).

Mais alguns anos se passaram e em 2001, foi a vez da Panini obter a licença do mangá e o publicar na Itália. A editora publicou o título mensalmente até 2003, concluindo o mangá em 20 volumes, tal qual a edição precedente. Entretanto, a empresa publicou o mangá em um formato menor 13 x 18 cm.

Lady Oscar, Panini Itália

Após esses 20 volumes, a Panini ainda publicou os dois volumes de A Rosa de Versalhes Gaiden, divididos em 4 tomos, chamando-o na Itália de Lady Oscar: Le Historie Gotiche (Lady Oscar: as histórias góticas).

Lady Oscar Gaiden. A Panini seguiu a numeração da série, chegando ao volume 24.

Em 2008, mais uma nova edição do mangá na Itália. Dessa vez, a D/Visual (Ou D/Books) publicou o mangá em uma compilação de 6 volumes, sendo concluído por lá em 2009. No ano seguinte, em 2010, sob o título de Le rose di Versailles Special a empresa publicou os gaidens da série.

Rosa de Versalhes, D/Visual.

A versão da D/Visual veio em formato pequeno 12,5 x 18 cm, sobrecapa com estampa dourada e relevo. Internamente, a obra contou com uma entrevista de Riyoko Ikeda. No gaidens foram reproduzidas pela primeira vez 20 ilustrações originais utilizando uma técnica de 5 cores. O blog Shoujo Café fez uma postagem com um vídeo mostrando essa edição. Você pode conferir, clicando aqui.

Por fim, a mais recente edição do mangá na Itália começou a ser publicada em 2015, pela editora Goen. Essa versão tem o diferencial de ser a primeira em solo italiano a respeitar o número de volumes originais.

Rosa de Versalhes, Editora Goen

Essa também é a primeira edição ocidental a já contemplar os gaidens novos. A editora Goen publicou doze volumes até o momento e o décimo terceiro será publicado em breve.


Espanha

Em nossas pesquisas sobre o mercado espanhol, conseguimos encontrar apenas uma publicação de A Rosa de Versalhes. O mangá foi publicado na Espanha entre os anos de 2002 e 2003 pela editora Azake Ediciones em um total de 5 volumes.

A Rosa de Versalhes é o único mangá publicado pela Azake e teve a peculiaridade de ser lançado com sentido de leitura ocidental, como ocorrera com as primeiras edições italianas. O título não voltou ao país até hoje, mas com o crescimento do mercado espanhol e o forte investimento em obras diferenciadas que o país tem tido, é uma questão de tempo.


França

Uma das maiores surpresa em nossa pesquisa foi notar que na França o mangá A Rosa de Versalhes foi publicado em apenas duas oportunidades. Como o mangá se passa no país, imaginávamos que os franceses fossem tão amantes da obra como os italianos, mas o título só apareceu por lá bem “recentemente”.

A primeira publicação no país ocorreu em 2002 pela Kana. A editora publicou a obra em um total de três edições, uma com 960 páginas, uma com 912 e uma com 364. Os dois primeiros volumes compilavam a série original de Riyoko Ikeda. O terceiro era a compilação dos gaidens antigos. Essa edição também teve páginas coloridas.

A segunda publicação do mangá ocorreu em 2011 também pela editora Kana, com capas novas e o mesmo número de volumes e páginas. Essa edição de 2011 ainda se encontra disponível por lá e pode ser adquirida sem problemas pelos franceses.


Alemanha

Na Alemanha, o mangá A Rosa de Versalhes foi publicado em apenas uma ocasião, entre 2003 e 2004 pela editora Carlsen. A Carlsen lançou a obra em um total de 7 edições com cerca de 300 páginas por volume.

Não dominamos o idioma alemão e nem encontramos informação sobre essa edição em um idioma que conheçamos, então não sabemos bem os detalhes dessa publicação. Entretanto, o volume 7 possui um título diferente chamado de “Neue Abenteuer der Lady Oscar” (Novas Aventuras de Lady Oscar), indicando tratar-se de um volume gaiden. A descrição do volume traz também o nome de quatro capítulos que se encaixam nos gaidens, o que confirma a hipótese. Ou seja, os 6 primeiros tomos trazem a narrativa principal, enquanto o 7 compila os gaidens antigos.


Polônia

Já falamos aqui em outra postagem, o primeiro mangá da Polônia foi uma obra da mesma autora de A rosa de Versalhes lá no ano de 1996. Entretanto, a obra mais famosa de Ikeda só foi dar às caras no país 20 anos depois. O mangá foi lançado no país entre 2016 e 2017.

Assim como na França, a versão polonesa teve três volumes no total só que distribuídos de forma diferente. O volume um teve 588 páginas, o dois 556 e o três 728. Pela soma total do número de páginas dá a entender que somente a série original foi publicada, sem os gaidens. Infelizmente não dominamos o idioma e não encontramos informações sobre essa publicação em outras línguas, então não podemos dar certeza absoluta sobre isso.


Estados Unidos

A maior das surpresas nesta pesquisa foi averiguar que os americanos ainda não têm Rosa de Versalhes. A obra chegou a ser anunciada em 2015, com promessa de ser lançada em 2016, mas até hoje aguarda o início da publicação. No início de janeiro, a editora Udon emitiu um comunicativo reafirmando o lançamento. Resta aos americanos esperar mais um pouco. A obra será lançada em um formato 2 em 1.

Embora seja um mangá inédito nos Estados Unidos, Rosa de Versalhes foi um dos primeiros mangás a ser traduzido para o idioma inglês. Essa versão foi lançada no Japão, sendo voltada para estudantes de línguas. Posteriormente seu tradutor incluiu um capítulo da obra no livro Manga! Manga! The World of Japanese Comics, publicado em 1983. Ao que parece, nessa primeira versão apenas dois dos dez volumes originais foram traduzidos para o idioma inglês.

Anúncios

7 comentários

  1. *coff *coff Ao que me parece não sou só eu que não considero esse título tão importante *coff *coff

    Brincadeiras a parte, apesar de eu querer muito que o título vá bem, imagino que seja um grande Flop. Talvez dependendo do acabamento se torne lucrativo, mas de resto não acredito que tenha potencial pra ser um sucesso em terras tupiniquins.

    Curtir

  2. Kyon, seria legal um post sobre papeis de mangás em outros países, p/ saber se lá fora também rola essas coisas de papel transparente, papel jornal, etc.

    Curtido por 1 pessoa

  3. “[Nos EUA] a obra chegou a ser anunciada em 2015, com promessa de ser lançada em 2016, mas até hoje aguarda o início da publicação”

    Então não é só aqui se isso acontece

    será que é comum isso em outros países? será que rola uma postagem sobre isso?

    Curtir

    1. Não sabemos se é comum, mas já vimos algumas vezes.

      A gente já pensou em uma postagem, mas não exatamente sobre isso, mas sim sobre exigência dos japoneses e tal que ocasionam atrasos como Akira na França e no Brasil.

      Curtido por 1 pessoa

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s