Box de “Dragon Ball” volta a ser vendido

Box estava esgotado há dois anos…

Enquanto a página da Panini Mangás no Facebook segue parada desde o dia 05 de julho, a página de assinaturas da editora continua ativa e hoje ela divulgou um novo item à venda aos fãs de mangás. A empresa disponibilizou novamente, em seu site de assinaturas, um box contendo os 42 volumes de Dragon Ball, de Akira Toriyama.

Aos que não se lembram, a Panini lançou os 42 tomos de Dragon Ball mensalmente entre 2012 e 2015 e, no ano seguinte, fez um box com todos os volumes, vendido exclusivamente na loja online da empresa, e vindo com um pôster de brinde. Agora o box volta a ser vendido e, assim  como na ocasião anterior, de forma limitada e com o mesmo brinde.

O box é apenas a reunião dos 42 volumes previamente lançados em uma caixa e ela não pode ser vendida separadamente. Ou seja, se você já tem a coleção e quer o box deverá comprar tudo de novo.

O valor cobrado é a soma do preço de capa de todos os volumes, com.um desconto de 15%, saindo de R$ 468 por R$ 397,80. A editora ainda oferece uma opção de parcelamento em até 6 vezes de R$ 66,30. Para comprar, basta clicar aqui e você será redirecionado ao site da Panini.

Atualização 26/07/2018: assim como na primeira vez em que foi vendido o estoque do box era limitadíssimo e já esgotou.

23 Comments

    • Pedro M.

      Box… tá aí um negócio totalmente inútil… pra quem já tem os 21182417246 volumes da coleção em questão!

  • Diego Souza

    Na outra vez que lançaram o box eu tentei comprar e estava esgotado, então através de lojas onlines e grupos do facebook consegui dar um jeito de comprar todos. 1 mês após minha luta ter fim eles anunciam novamente o box…. :/

    • Dan Wade

      Essa é uma ideia totalmente viável. Nada empede a Panini adotar essa estratégia, acho q relançar o box não invalida essa posibilidade.

  • Isaac Oliveira

    Gostaria de saber se a escrita está em português, pois no site não informa.
    Poderiam me informar ?

    • Sim. Todos os mangás lançados no Brasil pelas editoras que atuam em nosso país são em português.

  • Marte

    E eu apenas querendo a edição de akame Ka kill 10, que eles esgotaram rápido e não acho em lugar algum, Panini uma bagunça.

  • SasukeUC

    Quero q a panini relance o manga de highschool of the dead full color edition, está difícil de haja o vol 1 em boa qualidade.

  • Xeronio

    Nossa. Com toda essa negatividade pra cima da Panini até eu, que em geral critico ela, tenho que parabenizar.
    Parabéns Panini por lançar esse box denovo. Creio ser a melhor coisa para essas séries enormes. Pessoal fica reclamando de números aleatórios esgotados e quando um box desses é lançado reclamam também. Agora só torço pra lançarem box de One Piece que nem a Viz lançou nos EUA.

    • Leitordequadrinhos

      Pena que o box já esgotou, parece até que só tinham uns 10 pra vender kkk

      • Xeronio

        Meu Deus hahahaha.
        Ainda bem que comprei na hora. Graças a decisões impetuosas de quem bebeu demais esse tá garantido.

    • Eu olhei tbm esse link denunciei, o tira de quem quer a coleção só pra vender mais caro e ainda tem doido que vai compra só pra alimenta esse mercado de golpista.

  • MR Quest

    Só eu que realmente percebo que o caso desse box não foi relançamento? No AF desse ano a Panini comentou sobre a reaquisição de estoques que outrora eles não sabiam sequer que ainda tinham e que chegaram para eles novamente — não saíram para entrega e estavam em alguns depósitos “perdidos” pelo Brasil.

    Eu acredito que esses boxes podem fazer parte dessas “reaquisições”. Enfim, a editora sabe que eels iam vender rapidinho, são nada bobos, e como eles estão fazendo em umas assinaturas de HQ’s..

    • Em nenhum momento na postagem fala que é um relançamento, apenas que voltou a ser vendido, o que são coisas diferentes.

      A questão é que tanto em 2016, quanto agora em 2018, o box era limitado por um motivo bem simples, número diminuto de volumes disponíveis. Tanto antes, quanto agora a editora apenas pegou os volumes que não tinham sido vendidos e resolveu se desfazer deles vendendo dentro de um box. Igual a JBC faz atualmente.

      Assim, nós temos duas situações: Ou a editora “achou” diversos lotes de volumes de Dragon Ball e resolveu fazer uma nova tiragem de boxes para se desfazer desses volumes às vésperas do lançamento de Dragon Ball Super; Ou a editora “achou” diversos boxes não vendidos e resolveu agora vendê-los novamente. Não temos como saber o que realmente aconteceu até que alguém da editora diga.

      Mas se foi o segundo caso (e a gente não sabe se foi), é para se ver a zona que é essa área da editora. A empresa colocou o box para vender em 2016 já sabendo o número de unidades que tinha disponível e, mesmo assim, teria sobrado alguns deles. Se foi isso, é até difícil acreditar…

      • Naboa

        Só para acrescentar, o Levi Trindade, editor da Panini, na mesa (nada) redonda das editoras no AF disse que mesmo depois de um ano do fim da parceria com a distribuidora Dinap, eles ainda se deparam com caixas de matérias que deveriam estar esgotado e que nunca foram abertas. Um exemplo citado foi o volume 19 de Berserk que estava esgotado e que a Panini “achou”. Como você disse não temos como saber como surgiram esses boxs e talvez – apenas talvez – nesse caso a Panini seja mais vitima do que culpada.

        • Marcelo

          O box de Dragon Ball foi vendido única e exclusivamente no site da Panini. Então onde entra o fato de terem achado caixas ainda fechadas da distribuidora DINAP? Se essa nova remessa foi sobra de estoque da remessa de dois anos atrás, o erro é só da Panini.

          Acho que foi reimpressão, numa tentativa de promover o lançamento de Dragon Ball Super.

          Mas como quase tudo que a Panini faz, ninguém explica, ninguém sabe, ninguém divulga e meia dúzia de pessoas conseguem comprar, porque a tiragem é ridiculamente baixa.

          • NaBoa

            Aparentemente quem gerenciava o estoque da Panini era a Dinap. Embora a Panini nunca tenha dito textualmente isso varias situações ditas pela empresa levam a esse reciocinio. Na CCXP de 2017, alguns titulos que a Panini dizia que estavam “zerados” no estoque foram encontrados (como o vol 01 de Alias), e mesmo essa situação de Berserk. Se a Panini gerenciasse seu estoque, eles teriam como saber do estoque fazendo a contagem do estoque ao final do exercicio. Como eles não sabiam, suponho que era a Dinap que gerenciava o estoque deles.
            Mas como não tenho certeza, você pode estar certo e a Panini mandou fazer uma nova tiragem. Improvavel, mas possivel.
            O duro é que depois de todo aquele barulho no inicio deste ano por conta dos aumentos de preços nos produtos da Panini e a falta de transparência no processo, a Panini disse iria mudar, que iria conversar mais com o letor e de repente desaparece, some dos canais de comunicação com seu publico. Aí fica dificil.

          • Natanael F

            Não necessariamente acharam os boxes inteiros. Pode ser, por exemplo, que acharam volumes nas devoluções da Panini suficientes para montar umas coleções completas (eventualmente juntando com volumes que já tinham na editora), imprimiram umas caixas e colocaram a venda o que conseguiram.

            Se tivesse sido uma reimpressão, certamente teriam colocado muito mais examplares à venda. Acreditem se quiser, mas, para as editoras, quanto mais vender melhor. Se fazem tiragens pequenas, é porque, com base em vendas anteriores e coisa e tal, acham que não vai vender mais.

            E não reimprimem porque acham que não vai vender o bastante para justificar.

            Podem estar errados? Claro que sim, mas elas trabalham com as próprias análises e é o dinheiro delas que está em jogo.

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: