Resenha: Hokuto no Ken (volume 1)

Um grande clássico

Por alguma razão, as pessoas costumam ter preconceito para com obras antigas, como se elas fossem “tediosas”, “ruins”, ou coisa assim. Não poderiam estar mais errados. Quem leu Rosa de Versalhes sabe perfeitamente como aquela obra é atual e como ela consegue ser bastante divertida, mesmo passados mais de 40 anos de sua produção. Devilman é outro título bem interessante, muito atual e também foi publicado há mais de quatro décadas. Quem não quis ler por puro preconceito, perdeu duas obras excepcionais.

Outro título mais antigo e que tem muito do que é praticado nos mangás atuais é Hokuto no Ken, de Tetsuo Hara e Buronson, do qual falaremos agora. Fruto da famosa revista Weekly Shonen Jump, da editora Shueisha, Hokuto no Ken foi publicado no Japão entre 1983 e 1988, sendo compilado em um total de 27 volumes. A obra não é outra coisa senão um mangá de luta daqueles bem convencionais, que divertem e emocionam pelos confrontos, sendo uma das obras geradoras do battle shonen que todos conhecemos.

Assim como Rosa de Versalhes, Hokuto no Ken é um título que influenciou gerações e até hoje é referenciado em diversos mangás de diversos gêneros, tamanha a sua importância. Obviamente, no Japão, a obra ganhou várias reedições, sendo uma das mais recentes, a Extreme Edition, que reduz os 27 volumes originais para apenas 18.

No Brasil, a editora JBC anunciou justamente essa versão e começou a publicá-la em julho de 2019. Atualmente já foram lançados 5 volumes, com o sexto previsto para breve. Lemos apenas o primeiro volume e viemos comentar um pouco sobre ele para você que ainda não conhece o título e queira ter mais uma opinião para dar ou não uma chance a esse mangá. Vem ver :).

  • Sinopse Oficial

O ano é 199X. O mundo foi devastado por chamas nucleares. A sociedade civilizada foi dizimada, e agora a violência rege esse novo mundo. É uma Era onde apenas os mais fortes sobrevivem. Neste cenário pós-apocalíptico, um homem com sete feridas no peito vaga pelo deserto… Ele é aquele que foi escolhido como o sucessor do estilo assassino terrível, o herdeiro do Hokuto Shin-ken. Ele é Kenshiro!! A lenda do salvador da humanidade está prestes a começar. Mas aqueles que ousarem se interpor em seu caminho sentirão a fúria do seu punho… “Você já está morto!”

  • História e Desenvolvimento

Em um mundo em que a comida e a água são limitadas, a noção de humanidade vai aos poucos sendo dizimada, de modo que a violência termina por ser a marca de diversos grupos da sociedade. Sem leis que possam reger o bem estar social da população, o que antes era visto como simples atos criminosos, terminam por parecer naturais, ainda que carreguem a carga de malvadez. Eis a essência de um mundo pós-apocalíptico. Já vimos isso em mangás mais recentes como Fire Punch, mas isso é uma marca trabalhada há muitos  anos pela ficção.

Em Hokuto no Ken, vemos uma sociedade devastada em que os seres humanos cruéis parecem reinar, sem que ninguém os importune. Um certo grupo, por exemplo, vive a roubar mulheres. Um outro faz saques o tempo todo e em mais um outro é normal haver combates desonestos. A única maneira de sobreviver é tentar ficar longe desses perigos, mas nem sempre isso é possível.

No meio desse ínterim, conhecemos o protagonista Kenshiro, praticante de artes marciais, dominando uma técnica conhecida como Hokuto Shinken, a qual utiliza determinados pontos do corpo do oponente para dar cabo deles. Em geral, Kenshiro desfere diversos golpes em pontos específicos e, após um tempo, o adversário morre do nada, com o corpo explodindo e coisas do tipo. Uma das marcas da série, inclusive, é a conhecida frase “Você já está morto”, utilizada por Kenshiro após derrotar um certo inimigo e este ainda não ter se dado conta disso.

Kenshiro é um daqueles protagonistas que chamaríamos hoje em dia de overpower, muito embora sua força seja bem mais física do que tudo. Ele encontra um adversário, este adversário é bastante forte, malvado e seguro de si, ficando sempre a desmerecer Kenshiro, e Kenshiro derrota o adversário em pouco tempo. Obviamente, ele não é o Saitama e, por conseguinte, por mais que seja forte e consiga derrotar vários inimigos facilmente, ele ainda tem desafios e conforme as páginas passam, inimigos mais fortes vão aparecendo.

A história desse volume inicial começa com Kenshiro indo parar na cadeira de um vilarejo após quase morrer de sede. Não muito tempo depois, entretanto, o vilarejo é atacado por um bando malvado e Ken, já recuperado, destrói as barras da cadeia e vai ajudar o povo da vila. A história então segue com Kenshiro andando de lugar em lugar, enfrentando malvadões e defendendo os mais fracos. Sua jornada é feita em companhia de um rapazinho chamado Bat, que estava na cadeia do vilarejo e decide ir com ele, pois pensa que nunca ficará sem alimento. A história é bem linear, havendo apenas um ou outro flashback, em determinados momentos para contextualizar o relacionamento entre Ken e um certo personagem.

O desenvolvimento do volume é daqueles bem convencionais que vão num crescendo. Você vai lendo as lutas, se empolgando, se empolgando e quando vai ver está virando páginas e mais páginas à espera do próximo combate, do próximo confronto, da próxima história. O mangá é um típico filme de ação em que as coisas vão acontecendo, acontecendo e você mais e mais fica empolgado. A diferença é que os filmes de ação terminam e se concluem, já o mangá termina e você precisa do próximo volume urgentemente.

Hokuto no Ken não tem nada demais em sua história nesse início, existe todo o pano de fundo da crueldade do ser humano perante o ambiente inóspito e que daria uma grande discussão a respeito de como a humanidade se comporta e tudo mais, porém o que se destaca é a emoção da luta, da batalha, os desdobramentos. Você lê pela porrada, pelos combates. É uma narrativa que te pega pelo convencional e quando você menos espera já está gostando. Clássico é isso aí. Vale a pena!.

  • A edição nacional

A edição nacional veio no formato 13,2 x 20 cm (o novo padrão da editora JBC) com miolo em papel Lux Cream e capa cartonada simples. A média de páginas por edição é 300, sendo algumas delas coloridas. O preço de cada volume é R$ 42,90.

Trata-se de uma edição normal, bem feita, com uma boa encadernação e bastante maleável, que permite a leitura sem maiores percalços. Não se destaca e nem tem grandes deméritos.

Quando ao texto, ele é bem fluído, sem gargalos linguísticos, o que contribui para uma leitura rápida que a ação da obra propicia. Também não notei erros de revisão no primeiro volume. Então o trabalho da editora foi bastante competente na edição.

  • Conclusão

O grande escritor italiano Italo Calvino disse que clássicos são aqueles livros que ainda não terminaram de dizer o que tinham a dizer. Ou seja, são livros atemporais que permanecerão nos mostrando coisas o tempo todo. No mundo do entretenimento da cultura pop, uma obra com status de clássica não precisa nos dizer nada, ela apenas necessita nos mostrar uma história agradável e um desenvolvimento bom que mostre e prove a todos o porquê de ele ter tido tanto prestígio ao longo dos anos e o porquê de ainda hoje ser lembrado e referenciado em diversas obras. Se ele tiver coisas a dizer (como Rosa de Versalhes tinha, por exemplo), melhor ainda, mas se não tiver não faz falta.

O primeiro volume de Hokuto no Ken mostrou bem que é um ótimo entretenimento e o motivo de ele ter ficado marcado na história dos mangás shonens. É uma obra que abraça muito bem a ação e a aventura, por meio de diversas lutas em um ambiente inóspito. Quem gosta de personagens fortes que lutam a todos instante e consegue ganhar de todos os demais mesmo quando o adversário parece muito mais forte, esse título irá agradar bastante. Se você não gosta disso, tem outros mangás no mercado.

A obra possui 18 volumes no total. O último arco do mangá costuma desagradar até os fãs mais fervorosos da obra, entretanto a jornada inteira faz Hokuto no Ken valer a pena ter o título na coleção.

  • Ficha Técnica

Título Original: 北斗の拳
Título NacionalHokuto no Ken
Autor: Tetsuo Hara; Buronson
Tradutor: Tonde Buurin
Editora: JBC
Dimensões: 13,2 x 20 cm
Miolo: Papel Lux Cream
Acabamento: Capa cartonada Simples
Classificação indicativa: 12 anos
Número de volumes no Japão: 18 (completo)
Número de volumes lançados: 5 (ainda em publicação)
Preço: R$ 42,90
Onde comprarAmazon

PUBLICIDADE: Promoção válida de 23/03/2020 a 29/03/2020. Clique no Link para ir a Amazon.

2 Comments

  • Miguel

    Legal de se ter na coleção!
    Comprei o primeiro no lançamento e do 3 ao 5 só na na promoção de ontem da Amazon 😆

  • Roberto Xavier

    Tenho os 5 volumes lançados até o momento. Mas, li apenas o primeiro. A arte é excelente. A história não decepciona mas também não impressiona. Leitura agradável. Vale a pena conferir.

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: