Mangá “A Lanterna de Nix” em pré-venda

Saiba mais

Na manhã deste domingo, 20 de junho de 2021, a editora Pipoca & Nanquim disponibilizou, no site da Amazon, a pré-venda dos três volumes do mangá A Lanterna de Nix, o próximo lançamento da editora.

A obra vem no formato 15,5 x 22 cm, com miolo em papel pólen e capa cartonada com sobrecapa. Cada volumes possui mais de 400 páginas e custa R$ 69,90 cada um. Comprando os três volumes de uma vez até o final da pré-venda do número 3, você consegue 30% de desconto em cada um, pagando R$ 48,93 por tomo. Vejam os links a seguir:

A Lanterna de Nix foi publicado no Japão entre 2015 e 2019 nas revista de mangás seinen Comic Ran, da editora Leed, sendo concluído por lá em um total de 6 volumes. A edição brasileira compilará tudo em 3 volumes ao todo.

Sinopse: Nesta coleção fechada em três volumes, a aclamada e premiada autora Kan Takahama continua a explorar a descoberta do mundo ocidental pelos japoneses, tema já abordado em O Último Voo das Borboletas e em Tokyo, Love and Freedoms, testemunhada aqui pelo olhar jovem e inocente da carismática Miyo. O ano é 1878. Enquanto a França deslumbra o mundo com seu poderio industrial e cultural, organizando exposições globais como jamais haviam sido vistas, o Japão começa o processo de abertura das suas fronteiras, após duzentos anos de isolacionismo. Na cidade de Nagasaki, Miyo, uma órfã sem nenhum talento aparente, exceto uma suposta clarividência desencadeada através de objetos que toca, consegue um emprego na loja Vingt, que vende objetos importados da Europa. Seu chefe, o Sr. Momotoshi, é um dos poucos japoneses que tiveram contato com o Ocidente nos últimos anos, mas, por trás dos óculos escuros que ele nunca tira e de toda a sua afabilidade, existe um segredo que a jovem Miyo precisa desvendar. Quais são as ligações entre o Sr. Momo e a misteriosa Kei Oura, a ex-maior exportadora de chá de Nagasaki? Por que o tio carrancudo de Miyo decidiu abandonar seu trabalho de artista? Quem é a bela Srta. Otama, que passa a prestar serviços de costura para a Vingt? Quais serão as próximas grandes empreitadas de Momotoshi para aproveitar a onda de Japonismo que está varrendo a Europa? Quanto mais mergulha nesse novo mundo, mais Miyo aprende acerca da nova realidade que seu país atravessa, ao passo em que desenvolve a própria personalidade e deixa de ser uma insegura garota para tornar-se, aos poucos, uma mulher madura e independente.

5 Comments

  • Felipe

    Achei caro. A cultura das hiperpromoções frequentes só denuncia o óbvio. Todas editoras estão praticando preços acima do compatível com o mercado, porque o consumidor quer ter a ilusão de comprar com 30% off ou semelhante. Mas é isso, apenas. Uma ilusão. Imaginem qual a margem de lucro da editora pra poder oferecer 30% de desconto na venda da coleção de 20/06/2021 até 01/09/2021? São mais de dois meses vendendo um produto obtendo 30% menos receita dele.

    Aí é aquilo. se a editora vender muito graças a essa tática novamente, esgota a tiragem logo e nisso, venderam por R$ 48. (praticamente preço de capa de um vinland saga deluxe e Haikyu!)

    Do contrário, deixam subir para SETENTA reais um mangá big e aí ficam oferecendo o desconto de 20, 30 ou até 40% até esgotar.
    Assim, as editoras mostram a estratégia “catarse” delas. Se vender tudo na pré venda, ótimo, já vão ajustando a quantidade a ser impressa baseados no sucesso da pré-venda, que indicará o quanto será vendido ao longo do tempo. Certamente a Amazon tem como fornecer números para que eles façam esse tipo de planejamento.

    No fim, o que mais incomoda mesmo é que praticamente toda compra de HQ o consumidor já espera desconto médio de 20% para “valer a pena” e aí encher o carrinho.

    No final, a Amazon, que tantos descontos oferece, acabou por apenas encarecer o preço médio dos quadrinhos, já que se alguém resolve comprar uma HQ fora da promoção, pagando o preço de capa, está praticamente pagando um bônus para a editora, bem além da margem de lucro planejada.

    Reparem que os produtos da PN e Comix Zone estão QUASE SEMPRE com desconto. Ora, se a maior parte do tempo se cobra 80% do valor “de capa”, na verdade, é esse o valor do produto, e não outro.

    Agora cria-se uma situação onde você precisa avaliar a urgência de comprar em pré venda, com o medo de acabar o estoque, ou ,se não vender tanto quanto planejaram, esperar 5 ou 6 meses e ter novamente os 3 volumes pelo mesmo “preço promocional”.
    Uma aposta à favor do FOMO. Se você perder o preço agora, pode ficar sem depois(e os mangás nem devem ter sido impressos)

    Isso não é uma crítica à editora Pipoca e Nanquim, mas um convite para pensarmos na forma que consumimos os quadrinhos que amamos.

    • Victor Augusto

      Bem… independente de quanto desconto é oferecido na pré-venda pela editora, o lucro que ela obtém é o mesmo. As lojas que não fazem consignação compram das editoras (livros ou quadrinhos) por no máximo 50% do valor de capa, algumas revendedoras enormes como a amazon conseguem contratos por valores ainda mais baixos. É por isso que as feiras de livros de universidades oferecem descontos de no mínimo 50%. No final é como se as editoras vendessem para qualquer loja.

      Outro ponto: editoras diferentes, precificação diferente. Se uma editora nova minúscula decidir lançar um mangá EXATAMENTE igual ao padrão Boruto/DBS da Panini, ela não vai conseguir manter o mesmo preço, por diversos fatores.

      A pandemia acabou encarecendo o preço do papel muita acima da inflação, antes disso o mercado editorial começava a se estabilizar depois de uma crise com os problemas das mega-livrarias Saraiva e Cultura. Nem vou falar de dólar porque isso todo mundo já sabe. Dizer que os descontos oferecidos pela Amazon encareceram o preço médio é no mínimo ignorante ou desonesto.

      Eu até concordo com a questão das pré-vendas, mas sinceramente… com o monte de quadrinhos que são lançados mensalmente, se for pra comprar em pré-venda que as editoras me convençam que vale a pena, seja com brindes, seja com descontos. Se esgotar depois, paciência. Ou espera reimprimirem ou compra usado. Mangá não é saneamento básico, ninguém precisa de mangá pra sobreviver. O consumidor que tenha maturidade de julgar se quer ou não o produto agora ou depois.

    • Anônimo

      eu acredito que, pelo menos, no caso da pipoca e nanquim e comix zone isso acontece por causa da questão da tiragem que as editoras conseguem imprimir para o mercado, que não chega nem perto de uma panini ou jbc… ainda que tenham um público fiel, elas ainda são pequenas comparadas as duas, não conseguindo imprimir um numero de copias tão grande e isso da um impacto no valor… tem alguns casos que realmente parece que ta caro sem necessidade (foi o que eu achei do ogiva, não precisava daquele luxo todo), mas, na maioria das vezes, como acontece com os mangás, o preço até que é razoável se levar em conta esse fator do volume de tiragem que a editora tem capacidade de fazer.

      • Cara… Que comentário genial
        Não tenho nem o que acrescentar 👏👏👏
        Panini já está colocando em pré-venda os mangás de agosto… Pior que eu me senti tentado a comprar EM PRÉ-VENDA o Jujutsu Kaisen 08 capa variante, por medo de desaparecer que nem ocorreu com o Volume 03 variante 🙂🤡

    • ringoroadonceagain

      Cara… se você acompanhar o mercado de mangás, levando em consideração todos os aspectos…
      O preço cheio, sem desconto, tá bem na média, na verdade…

      Você pode falar de mangás da Panini e da JBC com esse mesmo número de páginas e com um preço um pouco abaixo, mas não apenas essas edições não contam com todos os luxos e firulas dos mangás da PN, como também, eu tenho certeza absoluta de que as tiragens são muito maiores

      Tá caro? Tá. Mas aí já não tem técnicas mirabolantes pra inflacionar preço, é só o país que tá na b0sta mesmo, e o fato do produto ser super underground…

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: