Resenha: Uma Vida Imortal #01

Uma nova experiência pela autora de A Voz do Silêncio

Desde que começou a despontar no Japão, o mangá Fumetsu no Anata E (To Your Eternity) logo se tornou – entre os consumidores mais atentos – um daqueles títulos que eram tidos como questão de tempo para aparecer no país. Como a obra anterior da autora (A Voz do Silêncio) havia sido um sucesso por aqui, nada mais natural do que o mangá mais recente também aparecer.

Quando a obra teve uma adaptação em anime anunciada, a certeza ficou maior ainda. Restava saber quando e por qual editora ele viria (embora a mais provável fosse a NewPOP, já que ela publicara A Voz do Silêncio). No fim, foi tudo conforme o esperado e o mangá foi licenciado no Brasil.

Chamado por aqui de Uma Vida Imortal, o mangá é de autoria de Yoshitoki Oima e está em publicação no Japão desde o final de 2016 na revista Weekly Shonen Magazine, da editora Kodansha, e ainda está em andamento com 16 volumes publicados até o momento.

No Brasil, a obra foi anunciada pela editora NewPOP em janeiro de 2021 e começou a ser publicada em junho deste ano. A previsão é que seja lançado um volume novo a cada dois meses.

A história segue a vida de um “ser”, não nomeado, jogado no mundo por algo (ou alguém) e que tem a capacidade de mudar de forma, copiando a aparência de alguma coisa próxima, a partir de certos “estímulos”. Esse “ser” é imortal, daí o título nacional do mangá.

A partir das mudanças de forma desse “ser”, iremos acompanhar a saga dele no mundo humano, os encontros que ele terá, as aprendizagens e tudo mais.

Uma Vida Imortal é uma obra de drama, daqueles bastante emotivos, com diversos toques de aventura aqui e ali. Veremos uma expedição, uma fuga, uma luta, além de cenas de cortar o coração, tudo isso só nesse volume inicial.

O primeiro capítulo, entretanto, é basicamente uma história à parte e que (embora seja a introdução ao protagonista) facilmente poderia ser lida como um one-shot. Nele, vemos a chegada desse “ser” na terra e as primeiras mutações passadas por ele até que, depois de muito tempo, ele consegue assumir a forma de um animal. A partir daí, esse ser encontrará um menino solitário e passará a conviver com ele, aprendendo a comer, realizando uma expedição, etc.

Esse capítulo inicial é quase todo “narrado” pelo garoto e não temos muitas informações sobre os sentimentos e as ações do “ser”. Nós ficamos sabendo dos antigos moradores, o que eles fizeram, e acompanhamos a aventura do menino, buscamos saber se a expedição dará certo, se a aventura será bem sucedida. Enquanto isso, o “ser”, na forma de um animal, está lá, indo conforme a corrente, como se fosse realmente um animal ou como se estivesse aprendendo sobre o que é a vida, sobre o que é os humanos, embora, provavelmente, não tivesse consciência ali.

É difícil notar nas expressões dele qualquer traço de angústia, de medo, de qualquer coisa que seja, ainda assim ele parece impactado pelas ações, ao ponto de, até mesmo, ser “estimulado” e conseguir adquirir a forma humana.

Os demais capítulos do volume possuem uma outra história, acompanhando uma comunidade na qual, de tempos em tempos, uma menina é escolhida como sacrifício para satisfazer a fúria de um monstro temido chamado de Urso-Demônio.

Nessa parte da história, a protagonista é um menininha chamada March que deseja se tornar adulta logo, mas é escolhida para ser o sacrifício dessa vez. Veremos, então, uma aventura buscando salvá-la do fim mais do que certo.

O “ser imortal”, agora na forma de um humano, pouco aparece, mas tem papel fundamental no desfecho dessa trama, encontrando-se com a menininha e conseguindo ajudar a resolver o problema dela. Embora pareça novamente não ter sentimentos, o contato com a garota parece mudar esse “ser” um pouco, aprendendo com seus erros, com suas mortes e até conseguindo se importar com uma pessoa.

Esse resumo dos capítulos acima, pouco ou nada apresentam do que é o mangá de fato, do que ele nos apresenta nesse volume inicial. Basicamente, por meio das duas histórias, o mangá busca nos passar alguns ensinamentos básicos, como a importância de se viver em sociedade e, igualmente, os problemas de se viver em uma^^.

Os seres humanos foram feitos para terem contato com outras pessoas, para interagirem uns com os outros, de modo que a solidão nunca é desejada, pois ela é opressora e enlouquecedora. O primeiro capítulo não é outra coisa senão uma demonstração disso, com o menino precisando da companhia de seu animal para suprir a ausência das pessoas de sua vila que saíram em expedição e nunca mais retornaram.

Entretanto, em contrapartida, viver em sociedade não lhe trará uma vida tranquila. Ao participar de uma comunidade você terá pessoas com quem socializar, se divertir e tudo mais, porém essa mesma sociedade poderá causar males, principalmente quando existe crenças e poder em questão.

O suposto Urso-Demônio, por exemplo, é claramente uma lenda inventada por um povo que subjuga o outro, e por isso, e apenas por isso, uma menina termina por sucumbir, sem ter a oportunidade de crescer e viver. Existem pessoas da sociedade oprimida que sabem que a crença é besteira e lutam para acabar com isso, mas ainda assim, somente um fator externo poderia fazer as coisas darem certo.

Isso, na verdade, é apenas um ponto da história. Muitas outras coisas poderiam ser esmiuçadas nesse primeiro volume, como a questão da existência desse “ser”, o que ele aprende, o porquê de ele aprender, etc, etc, etc, mas isso é algo que precisaria de mais alguns volumes para termos uma melhor compreensão da obra.

De um modo geral, Uma Vida Imortal é um daqueles mangás em que não é possível saber os rumos que ele terá apenas com a leitura do volume inicial. Ele nos passa lições sobre a vida e a morte, sobre os humanos, mas não nos diz como as coisas podem prosseguir. Será uma obra com muita ação? O drama permanecerá forte? O clima de fantasia se expandirá? Nada conseguimos saber.

Ainda assim, a leitura desse volume inicial foi muito prazerosa. Os personagens foram muito legais (quem não gosta da menininha?) de se acompanhar e a trama deixou uma marca, uma instigação para querermos continuar a ler, para vermos o que acontecerá com o “ser” e os outros personagens.

Em suma, o Blog BBM, então, recomenda esse mangá para todos os consumidores que queiram acompanhar uma boa história.

***

A edição brasileira de Uma Vida Imortal vem no formato 11,5 x 17,2 cm, com miolo em papel offset e capa cartonada simples. São as mesmas características de Happiness e da primeira versão de A Voz do Silêncio, então é aquela edição pequenininha, leve e gostosa de folhear e manusear, naquele padrão de qualidade que todos sabem que a editora é capaz.

No entanto, os conhecidos erros de revisão das obras da NewPOP se fazem presentes também. Por sorte, apenas dois se mostraram, sendo um na quarta-capa e outro logo no início do volume (página 18). Então está melhor do que em outros tempos, porém é realmente necessário melhorar mais.

Fora isso, o mangá custa R$ 26,90 por volume, mas (a despeito de ser muito caro) provavelmente será possível para todos (fãs e não fãs) colecionar de boa. Em teoria, a obra ganhará um número novo a cada dois meses, entretanto (fora casos excepcionais de títulos curtos) a NewPOP não costuma cumprir suas periodicidades, de modo que será fácil vermos no futuro um tomo sair a cada três, quatro ou até seis meses entre um e outro.

Mesmo se pela primeira vez a editora cumprir a periodicidade de uma obra longa, o fato de a empresa sempre manter seus mangás em estoque e fazer reimpressões constantes faz com que o leitor com menos recursos financeiros (quase todo mundo^^) consiga ir comprando aos poucos, no seu tempo, sem medo de ver algum volume ficando raro.

Dito isso, e por fim, o Blog BBM reafirma a recomendação ao mangá Uma Vida Imortal. Todos os que tiverem a oportunidade (R$) deveriam dar uma chance ao título, adquirindo ao menos o primeiro volume.

Ficha Técnica

Título Original: 不滅のあなたへ
Título: Uma Vida Imortal
Autor:  Yoshitoki Oima
Tradutor: Não Creditado pela Editora
Editora: NewPOP
Número de volumes no Japão: 16 (ainda em publicação)
Número de volumes no Brasil: 1 (ainda em publicação)
Dimensões: 11,5 x 17,2 cm
Miolo: Papel offset
Acabamento: Capa cartonada simples
Classificação indicativa: 16 anos
Preço: R$ 26,90
Onde comprar: Amazon

1 Comment

  • Já imaginava que esse mangá era desse jeitão aí. Com as promoções, já achei até por R$15, só não começo pq ainda está em andamento (já basta Goblin Slayer, Jujutsu e SPY×FAMILY na minha vida)
    Curti mto, mas passo!
    Ótima análise

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: