Resenha: Dead Dead Demon’s Dededededestruction #01

A ameaça que não é uma ameaça? Ou é?

Creio que Inio Asano dispensa apresentações. Conhecido por Boa Noite Punpun, Solanin e diversas outras obras, ele é, provavelmente, o “autor cult” mais popular no ocidente, tendo milhares de fãs em todos os países que amam mangás, mesmo sem seus títulos terem sido adaptados em anime.

Falando frequentemente sobre as pessoas, a sociedade e a vida, os mangás de Inio Asano costumam deixar um gostinho amargo na boca e uma sensação de estranheza por mostrar coisas que são bem realistas, que são o normal visível (e que talvez não gostaríamos de ver em uma obra de ficção), mesmo nas obras com toques de fantasia.

Dead Dead Demon’s Dededededestruction, obra mais recente do autor a chegar ao Brasil, não foge a essa regra, ainda que tenhamos que esperar outros volumes para entender melhor a história e os rumos que ela irá tomar…

Dead Dead Demon’s Dededededestruction começou a ser publicado no Japão em 2014 nas páginas revista Big Comic Spirits, da editora Shogakukan, e ainda está em andamento, atualmente com 11 volumes já publicados. Entretanto, ele está em sua reta final, faltando pouquíssimos capítulos para a sua conclusão.

No Brasil, o mangá foi anunciado pela editora JBC em janeiro de 2021 e começou a ser publicado no final de outubro do mesmo ano. A previsão é que o título ganhe um volume novo a cada dois meses a partir daí.

A obra se passa no nosso mundo comum e normal, mais especificamente no Japão, na cidade de Tóquio, PORÉM com um acontecimento insólito. De repente, extraterrestes apareceram, gerando um clima de medo e apreensão. Felizmente as naves foram sendo eliminadas uma após a outra e a vida voltou ao normal. Ou quase. A Nave-Mãe ficou ali, parada sobre o céu de Tóquio, e três anos se passaram sem que humanos soubessem o que os aliens queriam…

O mangá começa exatamente neste ponto, seguindo duas meninas, Ouran e Kadode, estudantes do ensino médio, que estão vivendo suas vidas em meio a esse ambiente, ambas com pensamentos e questionamentos sobre si mesmas e o futuro…

As protagonistas Kadode (de cabelo curto) e Ouran (de cabelo longo)

Muito embora a questão da existência dos aliens seja relevante para o desenvolvimento da trama, o foco principal (ao menos nesse primeiro volume) terminará por ser nas pessoas e os dilemas apresentados por elas em meio a esse mundo caótico. Mais especificamente veremos como as duas garotas, Kadode (a menina de cabelo curto) e Ouran, estão reagindo a esse mundo novo, suas opiniões, suas ambições, seus dramas pessoais, etc.

Cada uma delas têm seus problemas próprios e, assim, veremos diversos questionamentos sobre a nossa natureza, sobre a sociedade em que vivemos, nossas decisões, entre diversas outras coisas. Elas são o cerne para vermos o que está acontecendo nesse mundo novo e temas comuns a Inio Asano são abordadas na obra por meio delas, como a questão da felicidade não ser eterna, não sabermos reconhecê-la, entre diversas outras coisas.

As duas são típicas personagens de Inio Asano, cada qual com dilemas, problemas e personalidades que fazem a gente se sentir com uma espécie de corda no pescoço, esperando para ela ser puxada, seja por nos vermos na personagem, seja por sentirmos que aquilo é algo real, que é um sentimento comum, vivo, que qualquer pessoa ao seu lado pode sentir.

Kadode, por exemplo, é aquela personagem mais fechada, que gostaria que tudo mudasse, que tudo fosse diferente, que as coisas deixassem de ser monótonas, que parece estar com alguma grande carga interna que precisa ser extravasada. Ela é aquele tipo de personagem que lembra muito todos nós que, muita vezes, nos sentimentos desconfortáveis com a rotina, com a família, e gostaríamos de ter uma mudança drástica, que nos fizesse esquecer dos momentos de tédio, momentos estes que talvez só depois descobriríamos ser bons momentos, apesar de tudo.

Ouran, por sua vez, parece ser uma menina mais alegre, mais agitada, mas ao mesmo tempo é obcecada pelos aliens e detesta os humanos, chegando a dizer que o problema não são os invasores e sim a própria espécie. Ela parece aquele tipo de pessoa que não se vê como parte do grupo social, mesmo estando o tempo inteiro em contato com eles, aquele tipo de pessoa que sempre está em um lugar, mas não se vê como pertencente aquilo, achando que tem algo errado com todos à sua volta. Assim como Kadode, ela tem toda uma aura que parece estar guardando algo muito grande dentro de si, um algo a mais que não sabemos explicar.

A alegria de Ouran…

Ver as duas juntas, na verdade, nos coloca em um clima de leveza, com a linda amizade delas, mas seus dilemas pessoais faz com que tudo pareça um grande prelúdio, ou um prenúncio, de algo maior, de algo catastrófico, não necessariamente para o mundo, não necessariamente para a humanidade, mas sim para as duas garotas… E isso faz parte da sensação de ter uma corda no pescoço que Inio Asano nos coloca…

Os aliens são tão fracos que uma nave pequena pode ser derrubada por uma pedra?

Apesar de a história se focar no micro-cosmo das meninas, a obra consegue abordar o macro da situação, mostrando os contornos das mudanças ocorridas no cenário mundial desde a aparição dos aliens, como uma união entre os países, maior tecnologia e armamento japonês, dentre diversas outras coisas.

Entretanto a própria existência dos aliens é algo estranha e inexplicada no contexto da obra e parece passar mais pelo micro-cosmo das meninas do que para o macro das decisões políticas. As naves menores parecem fracas, os aliens parecem fracos e ninguém têm ideia do porquê vieram, mas em meio a isso coisas acontecem, algumas vozes estranhas são ouvidas, que não são captadas e, de repente, tudo pode mudar com a aparição de outras “pessoas”… ou não é isso?.

A bem da verdade esse primeiro volume é bem introdutório e, embora sirva para conhecermos bastante dos dilemas e personalidade das protagonistas, ainda não é possível saber os caminhos que a história irá trilhar. Diferentemente de Boa Noite Punpun em que existe toda uma alegoria envolvendo o suposto sobrenatural, em Dead […] Destruction o sobrenatural é 100% real, existindo de fato e podendo intervir na vida das pessoas.

Assim, é difícil saber como Inio Asano irá tratar isso e relacionar com os temas já apresentados, não dá para sabermos o que acontecerá com as duas meninas, nem mesmo o que a trama pretenderá mostrar. Em suma, não dá para saber nada.

E, assim, isso não importa muito. O que Asano consegue passar por meio das personagens já serve para nos convencer a ficar para a história, para vermos cada elemento novo, independente do que seja. O autor nos cativou com Kadode e Ouran, então a gente quer ficar, a gente quer conhecer mais delas…

Então mesmo não tendo ideia do que acontecerá do volume dois em diante, o Blog BBM recomenda a vocês, sejam fãs ou não de Inio Asano…

Ficha Técnica

Título Original: デッドデッドデーモンズデデデデデストラクション
Título: Dead Dead Demon’s Dededededestruction
Autor:  Inio Asano
Tradutor: Caio Pacheco
Editora: JBC
Número de volumes no Japão: 11 (ainda em publicação)
Número de volumes no Brasil: 2 (ainda em publicação)
Dimensões: 12,8 x 18,2 cm
Miolo: Papel pólen bold 90g
Acabamento: Capa cartonada com orelhas e verniz localizado
Classificação indicativa: 16 anos
Preço: R$ 32,90
Onde comprar: Amazon / Comix

NOS SIGA EM NOSSAS REDES SOCIAIS



7 Comments

  • Outro que está na minha lista e que vai ficar por lá um tempo até algumas coleções acabarem e o orçamento ter um espacinho a mais

  • musck29

    senti falta de saber sua opinião a respeito do formato, do valor de capa, etc…peço perdão pois posso estar sendo equivocado, mas me parece que esse tipo de critica só aparece em resenhas de mangás da panini.

    • Das últimas seis resenhas de história (todas as publicadas neste trimestre), a única que teve esse tipo de informação foi Shaman King (que não é da Panini).

      Não entendi o comentário.

      • De mais a mais, cada resenha é uma resenha e não tem relação com outra. Se fosse só em mangás da Panini em que falássemos disso, não seria outra coisa que não uma simples coincidência.

        Nesta resenha em específica, a gente não sentiu necessidade de ficar elogiando o acabamento se a história em si já era suficiente. Não é porque a gente não gosta da JBC, é só que bastava a história mesmo. No Twitter a gente já falou que não entende como a JBC conseguiu fazer um preço tão baixo nesse mangá, mas não achamos necessário trazer isso para cá.

        https://twitter.com/BBMangas/status/1458554725318766596

  • Musashi

    Eu comprei e gostei bastante, mas não acho o volume 2 para comprar… A distribuição da JBC está uma brincadeira de mal-gosto, saudade dos tempos áureos da empresa quando eu colecionava mangás entre 2003-2009.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: