Propaganda, por que não?

Uma reflexão sobre o assunto

Uma prática muito comum no mercado de livros (de forma contida) e revistas é colocar propagandas dentro dos volumes e, na opinião desta redatora, isso igualmente poderia existir nos mangá de forma ampla. Talvez você tenha lido o que acabei de dizer e já tenha se preparado para jogar pedras pela simples ideia de colocar “propaganda” no seu idolatrado mangá. Mas vamos por partes…

O que é propaganda

Para começar eu queria definir exatamente o que seria “propaganda” para efeito de claridade. Por propaganda eu me refiro a qualquer menção e divulgação de outro produto dentro do mangá, seja da editora, de outros mangás ou coisas totalmente alheias feitas e incluídas apenas para a edição brasileira (desconsiderando qualquer propaganda que o autor tenha adicionado no original).

Por que usar propagandas

Existem dois grandes motivos a depender de dois grandes casos:

As propagandas de terceiros. Ajudam a baratear ou viabilizar certas obras, já que agregam um valor a mais ao lucro da empresa. Isso é algo que vimos muito na Conrad e na JBC. Hikaru no Go, por exemplo, trouxe várias propagandas de aulas de Go no Brasil. Outras comuns que vimos no passar dos anos foram de eventos, lojas online e aulas diversas de temática japonesa.

Independentemente de críticas e revoltas isoladas de alguns leitores, a época de ouro dessa prática foi durante os anos 2000, quando a Conrad afirmava ter tiragens na casa dos 100 mil volumes com Dragon Ball. De fato, na época haviam menos opções e algumas delas com tiragens astronômicas se comparado ao números atuais, afinal tudo isso passava na TV aberta e angariava muitos fãs. Esse presumido número de vendas maior atrai o interesse de mais empresas que escolhem fazer propagandas nas edições.

Por isso, supõe-se que independentemente de querer ou não colocá-las, há poucos interessados. Acaba sendo algo mais raro em situações específicas (como foi o de Hikaru no Go e as aulas de Go e Bakuman e as aulas de desenho).

As propagandas internas. E são essas que realmente me interessam aqui. No blog já comentamos, por exemplo, sobre a lógica e utilidade das propagandas nas capas falando de autores e outros. E você já deve ter ouvido de casos tristes onde editoras (cof JBC cof) alteravam o texto original para colocar referências de suas obras já publicadas, que por si só é propaganda também (veja um caso de Chobits aqui). Só que no passado as editoras faziam muito outro tipo, elas divulgavam outros mangás que estivessem publicando.

Checklist no volume de Naruto de maio de 2008.

A Panini chegou a ter checklists em quase todos os seus volumes, com a previsão do que iria sair naquele mês ou no próximo. Mais recentemente a prática reapareceu em 2016 em alguns volumes esparsos, sendo o segundo volume de Lovely Complex um deles, mas tal não persistiu. A NewPOP também fez isso aqui e ali com Madokas e Tezukas.

A JBC às vezes coloca propagandas de séries já publicadas, como em Fullmetal Alchemist onde aparece uma página de divulgação de Zetsuen no Tempest. Outro exemplo são as páginas de catálogo e propaganda que quase todos os produtos pockets da L&PM possuem, mangás inclusos. Até a Nova Sampa publicou mangás em 2017 que continham propaganda de dois tipos, de uma loja (Liga HQ, à época já falecida) e dos mangás da própria editora. Porém, são exceções, na prática a maioria dos volumes não apresenta nenhuma propaganda de outra série ou informações de publicação e retorno. Algo que em geral encontro bem mais nas edições americanas (vale lembrar que compro poucas séries e não posso afirmar que isso seja praticado por todas as editoras de lá, mas que a prática existe, isso é inegável).

Imagina o seguinte: a Panini consegue o próximo volume de Kimi ni Todoke, que estava, digamos, 8 meses pausado à espera de novos volumes no Japão. Qual seria a melhor forma (sem usar a internet) de avisar o seu cliente? Uma ótima tática é adicionar em outra publicação de mesmo público uma página de propaganda com a capa ou uma imagem da série, com uma chamada e uma data. Não é nada de outro mundo ou um bicho de sete cabeças, é uma questão de direcionar seu já cliente a outras obras que ele deve ter interesse, baseado em temas em comum ou demografia e gênero temáticos.

Não muito diferente daquelas lojas online, como a Amazon, que possuem aquelas caixas de “outros compradores também se interessaram por” ou “veja também”. Se você compra coisas na internet, com certeza já se utilizou daquilo, especialmente quando estamos dando aquela pesquisada geral em marcas e tipos. Outros exemplos são as sugestões da Netflix, as propagandas do Google e do Facebook. Esse tipo de propaganda direcionada é muito poderosa, já que se trata de algo específico para aquele público que já consome aquele tipo de produto. As chances de você lendo Ore Monogatari ver uma propaganda de HAL e se interessar são muito grandes!

Os americanos, inclusive, não são os únicos que usam isso, os próprios japoneses fazem isso de forma massiva! Quase todo tankoubon possui nas páginas finais propaganda de outras obras daquele autor ou da revista em que foi publicado. Nas orelhas dos volumes também, você encontrará lista e mais listas de obras com seus volumes disponíveis. Não é nada inovador, muito pelo contrário, é uma ferramenta típica e eficaz.

Naruto-Manga-Volume-36
Capa aberta do volume 36 japonês de Naruto com propaganda de outras obras da editora na orelha direita.
IMG_0112
Propaganda no volume 4 de Mirai Nikki (Diário do Futuro) da série anterior do autor, Hanako to Guuwa no Tera.

Por que quase não se usa

Só quem saberia responder isso com certeza seriam as próprias editoras, mas consigo imaginar alguns empecilhos:

Organização. Se você vai colocar uma propaganda em um volume, não só tem que saber quando esse volume com a propaganda sairá, como também quando o volume divulgado sairá com bastante certeza (exceto a propaganda de séries já lançadas, claro).

Vamos ser sinceros, atualmente nesse aspecto todas as editoras andam tropeçando. Não tem uma que não teve um punhado de atrasos, coisas remanejadas, periodicidades irregulares, etc. Isso sem contar as completamente desaparecidas e que não dão satisfação, como a L&PM, Nova Sampa e Alto Astral. Numa situação dessa, vai acabar igual ao passado onde houve a divulgação do lançamento de Seton 2 que nunca saiu, dos volumes adiantados de Vagabond pela Conrad que nunca saíram, até série nova foi anunciada para nunca dar as caras! Ou de propaganda de loja que já faliu!!!

Interesse japonês. Difícil saber até onde os japoneses poderiam interferir nisso, mas imagino eu que a Shueisha poderia achar ruim ter uma propaganda de The Deadly Seven Sins (da Kodansha) em seu My Hero Academia. Até aí, isso significa que seria limitado a obras daquela mesma editora, seria uma restrição, mas não uma impraticabilidade.

Talvez o autor se incomode com a propaganda de outro autor. Certo, mais uma vez uma restrição, mas que não impediria a editora de anunciar outros volumes e séries daquele cara, como é feito em UQ Holder! e Knights of Sidonia.

Aumento de páginas. Nem sempre há sobras, folheando vários mangás você percebe que não há espaço para uma página de propaganda. E para se adicionar uma página é preciso inserir um novo “caderno” (que geralmente consiste em grupos de 4, 6 ou 8 folhas).

Outra alternativa é sacrificar alguma página do original, como aqueles extras ao final, que é algo que realmente é feito nos EUA. E sendo completamente honesta, vários daqueles posfácios são extremamente datados e inúteis, às vezes ininteligíveis se não houver várias notas (há até quem simplesmente não os leia). Mas não vou entrar no assunto de ser certo ou errado, embora mantenha em mente que até mesmo os japoneses quando relançam esses volumes retiram vários desses extras pelos exatos mesmo motivos, absolutamente datados.

E tem mais uma alternativa, mande junto do volume uma propaganda em forma de marca-página ou panfletinhos. Ao invés de colocar o marca-página de Ore Monogatari e Aoharaido nos próprios volumes, por que não invertê-los? Não só estimula os colecionadores a comprar uma outra série que talvez ele não colecionasse, como serve de propaganda direta para o público ideal.

Edit: Cassius Medauar, gerente da JBC, através de seu twitter, confirmou que propagandas (assim como qualquer conteúdo extra) precisam passar por aprovações e precisam ser da própria editora japonesa. Ainda afirmou que é política da editora fazer tais propagandas quando sobram páginas.

No fim das contas, eu consigo compreender como uma editora pequena pode ficar mais restrita e não ter o que anunciar naquele volume. Entretanto, não consigo de forma alguma entender como uma empresa que lança 20 volumes ao mês não se utiliza dessa ferramenta em nenhuma de suas formas, como se esperasse que o público descubra as coisas sozinho.

Em pensar que no passado havia muito mais propaganda e interesse em manter o leitor informado, ninguém precisava de sites para acompanhar os lançamentos ou acompanhar empresa no Facebook. Imagino eu que devia estar agradecendo então por tornarem a coisa tão travada e insatisfatória que seja necessário um site como o BBM, com catálogos, calendários e checklists… Rs!

***

Curta nossa página no Facebook

Nos siga no Twitter

 BBM

Anúncios

14 comentários

  1. Vivemos numa época onde evitamos propaganda a todo custo, seja na internet com adblock ou pagando a versão premium de um app, pra remover anúncios.
    Eu não acho legal eu pagar por um produto e este ainda contenha propagandas internamente. Se eles quiserem adicionar um folder separado até que beleza, mas fora isso pra mim atrapalha a experiência.

    Curtir

    1. Você já paga por produtos com propaganda, as japonesas. Vários dos mangás possuem propaganda na história, seja de Pizza Hut em Code Geass ou de outras obras do autor como em Inuyashiki, que passa umas boas páginas falando de Gantz. É inocência achar que não há propaganda interna.

      Curtir

      1. Verdade. No mangá Neon Genesis Evangelion – The Iron Maiden 2nd, tinha propaganda do MacDonald’s, os personagens Shinji e Asuka indo lá comer. No Game No Life tinha propaganda da Amazon. Love Hina, em seu databook, tinha uma série de propagandas internas. Em Himouto! Umaru-Chan tem propaganda da Coca-Cola. Já vi animes fazerem propagandas de One Piece. Se eu for listar aqui, eu fico até amanhã e não consigo terminar a lista. Ela é interminável!

        Curtir

  2. Não vejo problemas em um gibi de banca ter propaganda. Um mangá juvenil ter propaganda de refrigerante, ou de alguma marca de vestuário seria ok.
    Nas mensais da Panini sempre há propaganda. Marvel, DC e Star Wars sempre têm o checklist de cada uma das editoras no mês, os destaques do mês, uma prévia do próximo volume ou algum lançamento de encadernado, ou quando há algum filme próximo da estréia também têm anúncios. Quando do inicio da fase Renascimento na DC, sempre havia algo sobre os títulos que estavam saindo ou iriam sair, seja um resumo da série ou matéria de ma página. Nas revistas da Mythos, tanto Tex quanto Julia (também conhecido como o melhor gibi em publicação no país) sempre há anúncios, seja de outros títulos da Bonelli ou de coisas de fora.
    Lembro do checklist nos mangás da Panini. Além dos mangás em publicação, informava os lançamentos do mês, o número de volumes lançados, periodicidade. Era simples, mas funcional.
    Sendo versão de banca, não vejo problemas ter propagandas.

    Curtir

  3. Bastante interessante e concordo com o texto, um caso atual foi em Fort Apocalypse que tinha um pagina dupla divulgando o mangá Zetsuen no Tempest, pela JBC

    Curtido por 1 pessoa

  4. “Imagino eu que devia estar agradecendo então por tornarem a coisa tão travada e insatisfatória que seja necessário um site como o BBM, com catálogos, calendários e checklists… Rs!”

    Hahahhaa perfeito.

    Curtir

  5. Eu falo isso há muito tempo: precisam colocar anúncios nos mangás.
    O ideal seria atrair outras empresas, mas, para isso iriam precisar, de início, de um instituto/órgão/empresa para acompanhar as tiragens de cada mangá. Depois, seria necessário a editora fazer uma pesquisa para saber exatamente o público que consome seus produtos. Por fim, como as empresas não costumam ter interesse no mangá como mídia publicitária, as editoras fariam uma apresentação e iriam correr atrás dos anunciantes, para convencê-los de que o mangá é um bom local para publicidade.
    Se a publicidade entrasse de verdade nos mangás, o mercado seria completamente modificado, porque as editoras teriam outra fonte de renda muito forte.

    Curtir

  6. A JBC antigamente costumava enviar vários marca página de séries variadas nas assinaturas, às vezes até de coisas totalmente distintas (tipo marca página de Sakura na assinatura de Lost Canvas Gaiden), hoje em dia não sei se ainda tem esse costume porque não tenho mais assinado, mas já ajuda bastante na divulgação das obras. Inclusive não eram poucos marca página, havia edições que recebia até 10 o.o

    No mais concordo totalmente, principalmente em anunciar coisas da própria editora. Não sei se é uma imposição japonesa ou sei lá, mas no mangá de My Hero normalmente sobram duas páginas no final, só que a JBC acaba por divulgar o próprio My Hero s:

    Curtir

  7. Sobre anúncios e experiência e pegando gancho da matéria sobre mangás de esportes, imaginem. Kuroko no Basket, mangá sobre basquete. Imaginem se tivessem anúncios da NBA. Algo tipo “NBA é nos canais ESPN”, ou “NBA Lives Pass”, ou da loja da NBA aqui no Brasil ou anúncio da Nike, que tem a imagem muito ligada ao basquete ou mesmo um anúncio do NBB exaltando o gigante Mogi Basket ou o jogo das estrelas ou de Gatorade. Vejam quantas possibilidades que não fogem do tema do mangá. Ou um anúncio de Jontex em mangás +18.
    Concordo com o polemico NaBoa, não sendo em versão de luxo , não vejo problema algum em ter anúncios. E o que a Roses disse também, há alguns títulos na qual já contêm anúncios embutidos na estória, então por que não um da própria editora tupiniquim?

    Curtir

  8. li em algum lugar que as propagandas externas em produtos infanto juvenis foram proibidas pelos desgovernos brasileiros e mesmo obras como turma da monica nao teriam mais esse recurso, salvo algumas excessoes. nao afirmo que seja verdade, mas nao duvido que nao seja :/

    Curtir

    1. Ah, é… Lembro que retiraram as propagandas infantis da televisão porque isso incentivava muitas crianças ao consumo desenfreado. Eu não duvido que isso tenha atingido os gibis infantis. Na minha infância, eu colecionava os gibis da Turma da Mônica e era cheio de propagandas. Sempre vi isso como algo normal. Eu somente não entendia a sua importância, mas sabendo sobre ela, hoje em dia, eu não vejo problema em ter propagandas no final dos mangás. Como já disseram, isso financiaria o título, fazendo até com que sea mais barato além de ajudar da sua divulgação.

      Curtir

    2. Bem lembrado, nem me lembrava mas tem sim, existe limitação para propaganda infantil, ou seja, aquela destinada ao público de até 12 anos. O Conar, que é o órgão auto-regulatório publicitário já havia limitado os”merchans” nos programas infantis, sem alterar as propagandas do intervalo comercial. Depois disso o Conada (Conselho Nacional da Criança e Adolecente) restringiu quase toda publicidade dirigida às crianças até 12 anos através da resolução 163.
      Como boa parte dos mangás são com cesura até 12 anos, deu ruim nas propagandas.

      Curtir

  9. Isso seria ótimo se voltasse, ao meu ver aumentaria em muito as chances de venda de outros títulos as quais a editora não faz propaganda em demasia. Lembro que conheci mangás por propaganda em capas de outros. Tenho a coleção toda de Kare Kano, Sunadokei, Honey & Clover, e nesta época a Panini tinha propaganda neles, tanto de títulos quando checklists, e isso em nada atrapalha a leitura. Não é como se o personagem estivesse dizendo no balão de um quadrinho, ela só está lá no final, então não atrapalha em nada.

    Curtir

  10. Eu adorava esses checklists da Panini nos mangás, mas não pela propaganda em si, mas sim pela nostalgia que dava (muitas vezes eu li esses mangás bem depois, então eu relembrava de uns mangás já esquecidos).

    Fora que eu meio que soube de mangás por estar ali também. Esses checklists sempre me encaravam com os títulos da época que passaram despercebidos.

    Curtir

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s