Resenha: Takagi – A Mestra das Pegadinhas #01 e #02

Brincadeiras divertidas?

Quando as pessoas veem que a Panini licenciou um certo mangá em algum outro país (como Itália e México) é comum elas acharem que a obra possa vir para o Brasil também pela mesma empresa. Embora não exista uma relação direta nisso (pois cada país é uma licença diferente e existem inúmeros casos de mangás que a Panini conseguiu em um território e não conseguiu em outro), as esperanças começam a aflorar e a cada rodada de anúncios há a expectativa de ser esse ou aquele título que as pessoas esperam.

Para algumas pessoas, isso também ocorreu com Takagi – A Mestra das Pegadinhas. Desde que foi licenciado no México pela Panini de lá, elas (as pessoas) tinham a esperança de que a obra viesse para o Brasil também. Passou-se um tempo, a obra não veio, e parecia que não ia vir mesmo, mas eis que do nada, a Panini a anunciou, e a expectativa se concretizou.

De autoria de Soichiro Yamamoto, Takagi – A Mestra das Pegadinhas está em publicação no Japão desde 2012 na revista Gessan, da editora Shogakukan, e ainda está em andamento por lá, atualmente com 15 volumes publicados. Obra ganhou uma adaptação em anime no início de 2018, tendo uma segunda temporada em 2019.

No ocidente, a obra ficou famosa por causa da animação, começando a ser licenciada em vários países a partir daí. No Brasil, o mangá foi anunciado em setembro de 2020 pela editora Panini e começou a ser publicado em novembro do mesmo ano, ganhando um volume a cada dois meses e, seguida.

A premissa do mangá é bem simples, na verdade. Nishikata e Takagi são colegas de turma (um sentando ao lado do outro na sala de aula) e a garota – Takagi – fica o tempo todo pregando peças no menino – Nishitaka. Por mais que o garoto tente reagir (seja ele pregando uma peça nela, seja ele não caindo nas da garota), tudo que ele faz acaba em fracasso, gerando o riso por parte da menina.

Em todos os capítulos da obra, veremos a genialidade de Takagi tramando coisas, bem como as diversas elucubrações de Nishitaka, tentando antever, evitar e contra-atacar as pegadinhas da colega de classe, no entanto ele sempre será alvo de um susto, ficará vermelho com uma situação constrangedora e assim por diante.

Por exemplo, em um capítulo os dois estão competindo para ver quem consegue arremessar uma latinha no lixo e enquanto Nishikata acha que vai ganhar fácil, Takagi consegue subverter a expectativa, desconcentrando o garoto dizendo que o beijaria se ele ganhasse. Em outro, Nishikata tenta fazer uma careta para fazer Takagi rir no meio da aula, mas no fim é ela quem o faz rir.

Embora o mangá apresente um personagem sofrendo na mão do outro, Takagi – A Mestra das Pegadinhas é uma obra bastante leve, com os dois personagens convivendo bem, em uma clima bem ameno, sendo um slice of life de humor daqueles que agradam o coração dos leitores.

Não existe, por exemplo, nenhuma “peça” que possa gerar algum dano (físico ou emocional), pois o que de fato acontece é o menino ficar vermelho de vergonha e nada mais, não existindo aquele bullying psicológico de outras obras. O máximo que ocorre é Nishitaka acabar de castigo na escola, por ficar falando alto em sala de aula, nas vezes em que ele é pego por Takagi.

O melhor desse mangá é que como os capítulos são praticamente independentes, você não precisa ter um conhecimento prévio para pode acompanhar a história a partir de determinado ponto. O primeiro capítulo do primeiro volume, por exemplo, não começa “do começo”, você já é inserido na trama em que Takagi vive fazendo brincadeiras com Nishikata. Daí que se você pegar, por exemplo, o volume 2, não sentirá necessariamente falta de ter lido o primeiro. Você pode começar dali e entenderá a história sem o menor dos problemas.

Embora exista uma continuidade narrativa (às vezes cita-se algo que foi feito bem antes), essa continuidade é bem mínima e você não necessita ter lido os capítulos precedentes para entender. Por exemplo, no volume 2 cita-se um fato que aconteceu no primeiro volume, mas como ocorre uma fala sobre isso, você simplesmente não perdeu nada ( e, talvez, você nem percebesse que é algo do volume anterior).

A gente não tem a menor ideia de como o mangá irá acabar (afinal ainda está em publicação), mas todos os elementos da obra permitem dizer que Takagi e Nishikata possam ter um relacionamento romântico no futuro. Isso tanto não é segredo que desde 2017 o autor tem feito uma continuação da obra, que mostram os dois já casados^^.

Daí que acompanhar o mangá do início supostamente faz a gente ver eles pouco a pouco ficando mais íntimos, vendo o relacionamento deles crescer, mas na realidade nesses dois primeiros tomos não tem muito disso não. Existem momentos que parecem querer dizer alguma coisa, mas também são levados na brincadeira por Takagi. Logo, as coisas acontecem, acontecem, giram, giram, giram, e ficam no mesmo lugar.

Dito de outro modo, esse é um dos poucos mangás em que você não precisa, de fato, fazer uma coleção para se divertir com a obra. Você pode comprar o primeiro volume, pular o segundo, comprar o terceiro, não comprar mais, e tá tudo bem, você se divertiu bastante com o título e não precisa mais. Claro que colecionistas desejam ter tudo, mas para quem está querendo apenas uma leitura leve, esse pode ser um mangá para isso.

***

O título custa R$ 24,90 e, obviamente, está longe de ser barato, mas é mais acessível do que a maioria dos quadrinhos japoneses publicados no Brasil atualmente. Como é uma história leve e bonitinha, o Blog BBM indica essa obra para todos que queiram se divertir com um slice of life. Pode ser também um ótimo mangá de entrada, para você apresentar aqueles seus primos mais novos, aos seus filhos, etc.

Deem uma chance, pois vocês vão se divertir…

Ficha Técnica

Título Original: からかい上手の高木さん
TítuloTakagi - A Mestra das Pegadinhas
Autor: Soichiro Yamamoto
Tradutor: Caio Suzuki
Editora: Panini
Número de volumes no Japão: 15 (ainda em publicação)
Número de volumes no Brasil: 5 (ainda em publicação)
Dimensões: 13,7 x 20 cm
Miolo: Papel offwhite
Acabamento: Capa cartonada simples
Classificação indicativa: 12 anos
Preço: R$ 24,90
Onde comprar: Amazon / Loja da Panini

2 Comments

  • ringoroadonceagain

    Sua sinopse fez a obra parecer um pouquinho um “Death Note Kids” kkkkkk

    Fiquei bem surpreso de ter sido anunciada já um bom tempo depois da segunda temporada, é uma das obras que mais gosto de colecionar, ainda mais com a escassez de mangá slice of life aqui no Brasil =/
    Meu sonho é a Panini publicar outras obras do autor, infelizmente essas obras mais leves não parecem vender bem por aqui..
    Enfim, aguardo Saint Onii-san pra preencher um pouco mais esse vazio^^

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: