Mangá Aberto: “Diário dos Gatos Yon & Mu”

Veja como está o mangá

Mangá Aberto é uma nova coluna de resenhas aqui do blog em que mostraremos a edição física de um mangá, geralmente um lançamento. O nome advém de um antigo blog em língua espanhola que fazia exatamente isso^^.

A ideia é apresentar aos leitores exclusivos do blog o que já fazemos em nossas redes sociais, mostrar fotos do mangá acrescentando alguns detalhes sobre as obras e opiniões.

A postagem de hoje, a segunda dessa coluna, será sobre Diário dos Gatos Yon & Mu, lançado em dezembro de 2022 pela editora JBC.


DETALHES SOBRE A OBRA


Diário dos Gatos Yon & Mu é um mangá biográfico de autoria de Junji Ito. Conhecido criador de obras de terror, Junji Ito apresenta nesse mangá a história de como começou a viver com dois gatos e com sua futura esposa. É uma obra de vida cotidiana misturada com humor, porém com diversos trejeitos de suas obras mais famosas.

O mangá teve seus capítulos pré-publicados no Japão entre novembro de 2007 e dezembro de 2008 na revista Magazine-Z, da editora Kodansha, sendo posteriormente compilados em um volume, este lançado no Japão em março de 2009. O volume em si tem pouco mais de 100 páginas, possuindo 10 capítulos, uma galeria de imagens dos gatos da vida real, perguntas e respostas ao “Professor Jota”, um Posfácio e dois 4-koma (tirinhas verticais de quatro quadros).

No Brasil, o mangá foi anunciado no dia 9 de agosto de 2022 (um dia depois do Dia Internacional do Gato^^) pela editora JBC. E o lançamento ocorreu em dezembro de 2022, durante o evento CCXP.


FORMATO DA EDIÇÃO BRASILEIRA


Sobre a edição brasileira de Diário dos Gatos Yon & Mu, ela veio no formato 15 x 21 cm. Esse é o mesmo tamanho de mangás como Neon Genesis Evangelion Collector’e Edition, Cavaleiros do Zodíaco – Episódio G (Nova Edição), Jovens Sagrados, A Princesa e o Cavaleiro (Nova Edição), Buda (Nova Edição), dentre outros.

Ou seja, ele é um pouco maior do que os mangás em formato padrão da JBC e da Panini. O tamanho da edição brasileira, inclusive, é similar à edição japonesa, que é o A5 (14,8 x 21 cm).

O acabamento do mangá é em capa cartão com orelhas e o papel usado no miolo do mangá é o papel pólen bold. O papel é usado tanto nas páginas em preto e branco, quanto nas páginas coloridas.

O papel pólen bold, para quem não conhece, é aquele papel “creme” usado em boa parte dos livros comercializados no Brasil. Em mangás ele tem sido usado recentemente em diversas obras de várias editoras, alguns com gramatura 70g (como Haikyu!! , Ao Ashi – Craques da Bola, Silver Spoon dentre outros) e outros com gramatura 90g (Soul Eater Perfect Edition, Tomie, Devilman). A diferença entre os dois é que o 90g é mais grosso.

Até onde sabemos, a JBC não divulgou a gramatura de Diário dos Gatos, mas pela grossura do mangá aparenta ser 90g, pois ele só tem 116 páginas (sendo quatro delas coloridas) e possui quase a mesma grossura de um mangá de 200 páginas.


CAPA, QUARTA-CAPA, LOMBADA E ORELHAS


A capa da edição brasileira é diferente da versão japonesa. A ilustração usada na versão local advém da nova edição americana, publicada nos Estados Unidos em novembro de 2021. Nessa versão vemos o protagonista correndo de um gato gigante, dando a impressão que se trata de um mangá de horror (que é parte da visão da obra, fazer parecer que é de terror, mesmo não sendo^^).

A capa possui verniz localizado no título, no logo da editora JBC, nos olhos dos personagens e em algumas partes do corpo do gato branco. O verniz, para quem não sabe, é um detalhe que deixa essas partes em destaque quanto tocamos e dá um leve brilho quando movimentado contra a luz.

Achei a capa bastante ok, nem feia, nem bonita. Evidentemente os detalhes em verniz dão um charme muito bom à edição, então o “ok” pende mais para o lado do belo.

Ainda sobre a capa, a JBC disse que ela teria um efeito que brilha no escuro no verniz localizado. Eu não consegui tirar fotos desse efeito, então coloquei abaixo a imagem de divulgação da editora para vocês terem uma noção.

O efeito é assim ao vivo? Eu vi algumas pessoas confiáveis mostrando que sim, mas o do meu volume pelo menos, não. Na verdade, na primeira vez que tentei olhar achei que o meu tinha vindo com defeito, pois não dava para ver nada. Entretanto, posteriormente, consegui notar que sim, ele se destaca no escuro, a questão é que precisa estar bem escuro mesmo, com praticamente nada de luz.

O “brilho” (reiterando, na minha edição) fica distante de ser esse da imagem de divulgação, mas a gente consegue ver o título e as outras partes em destaque muito bem. Deve ser apenas uma variação normal por questões gráficas (ou a minha casa não fica escura o suficiente. rs). Então, aprovo.

E um post scriptum: após a publicação deste texto, me informaram nos comentários que é preciso apontar uma luz para o mangá antes de ele brilhar mais ativamente. Eu fiz isso e realmente deu certo, tem um brilho maior. Não é como o da imagem de divulgação, mas ele se destaca mesmo no escuro.

Agora falando da quarta-capa (esse é o nome que chamamos a parte de trás do mangá), ela possui verniz apenas no logo da JBC. Demais a mais, considerei ela muito boa, com uma imagem dos gatos, do protagonista da história e de uma sinopse que dá toda a dimensão da trama, da biografia, etc.

Gostei bastante porque dá um ar de livro mesmo e faz com que quem compre em uma loja física consiga entender a obra e decidir com facilidade comprar (ou não) mangá.

A lombada possui verniz localizado no título do mangá, na ilustração e no logo da editora.  Já as orelhas, por seu turno, não possuem verniz em nada, mas as duas belas ilustrações dos gatos Yon e Mu suprem isso sem problemas.

Uma coisa interessante é que as capas internas (o que fica dentro do mangá, logo atrás da capa) possuem ilustrações. Em uma a gente vê o protagonista da história com o gato Yon atrás dele e na outra a gente vê a ilustração da capa japonesa, com os dois humanos e os dois gatos.

Ilustração da capa japonesa

Sobre esse acabamento geral, eu já comentei em outros textos que sou da turma que prefere sobrecapas (porque no original é assim, então, para mim, todos os mangás tinham que ser nesse mesmo molde), mas eu só deixo elogios para o acabamento dessa edição. A gente pega, toca, manuseia e só consegue perceber um bom livro, um bom material. Gostei mesmo.


OUTROS TÓPICOS


Ainda sobre o acabamento do mangá, eu gostei bastante também que a editora utilizou o papel pólen bold nele. É um papel que eu realmente aprecio em livros e quadrinhos em geral, pois considero bem melhor para a leitura do que o papel branco e do que o antigo papel jornal.

A encadernação também está muito boa, bem “solta”, e permite ler e folhear o mangá sem qualquer espécie de problema. O texto também está ótimo, bastante fluído e sem qualquer erro de revisão.

Não é uma página transparente. A imagem que aparece está atrás do texto, na mesma página.

E UMA CONCLUSÃO


Como deve ter dado para perceber durante o texto, eu achei a edição brasileira de Diário dos Gatos Yon & Mu muito boa. A capa com orelhas é boa, o papel é de boa qualidade, a impressão é boa, a encadernação é um primor, não tem nada a reclamar, só a elogiar.

Claro, o preço, R$ 37,90, é bastante alto considerando a renda da população brasileira, mas dentro da média de preços do mercado é um valor muito bom, mesmo ele tendo poucas páginas. Isso porque o acabamento geral justifica ele. Então eu recomendo sem ressalvas, ainda mais que é um volume único, então você pode encaixá-lo em algum momento no seu orçamento.

E a história? Nesta postagem, a gente falou sobre a edição física, mas acho importante falar um pouquinho da história dele também. Eu acho a história muito boa!. Diário dos Gatos Yon & Mu é, como dito, um mangá biográfico em que o Junji Ito mostra o convívio dele com dois gatitos. Trata-se de um mangá excepcional de vida cotidiana e humor feita por um autor de mangás de terror.

Isso significa que boa parte dele é feito de modo a parecer um mangá de terror, com trejeitos, rostos, situações estranhas, mas tudo isso para gerar comédia, para gerar humor pelo exagero. É um excelente mangá para quem gosta de gatos (tem até fotos dos Yon e Mu reais, como mostramos nas fotos) e para quem quer conhecer Junji Ito, mas não gosta de mangás de terror. Recomendo bastante esse título.


Ficha Técnica


Título Original: 伊藤潤二の猫日記よん&むー
TítuloDiário dos Gatos Yon & Mu
Autor
: Junji Ito
Tradutor: Luiz Kobayashi
Editora: JBC
Número de volumes no Japão: 1 (completo)
Número de volumes no Brasil: 1 (completo)
Dimensões: 15 x 21 cm
Miolo: Papel pólen
Acabamento: Capa cartão com orelhas
Páginas: 116 (sendo 4 coloridas)
Classificação indicativa: 12 anos
Preço: R$ 37,90
Onde comprarAmazon / Comix / Mundos Infinitos

Sinopse: J-kun recentemente comprou uma casa e convidou sua noiva A-ko para morar com ele. O que ele não sabia, é que ela traria uma companhia inesperada: Yon, um gato assustador que A-ko trouxe da casa dos pais. E para completar, ela resolve adotar mais um, Mu. Apesar de ser uma pessoa que gosta mais de cachorros, J-kun acaba sendo fisgado pela fofura dos gatos e logo descobre como eles vão mudar sua vida.


NOS SIGA EM NOSSAS REDES SOCIAIS



3 Comments

  • Lucas

    Eu imagino que deve ser uma história bem simples, mas como tenho muita simpatia pelo Ito não pensei duas vezes e fiz a pré venda na Amazon. Além do fato de ter um mangá que brilha (eu já esperava que não seria esse farol que mostra no exemplo) mas vamos ver, talvez seja mais do que eu penso. No mais, feliz por saber que eh um material de boa qualidade!

    • sasukedoi

      Ele brilha sim, mas é aquele material que você tem que ter contato com a luz antes, não brilha sozinho, é só pegar a lanterna do celular e ficar um tempinho jogando na capa, e estar em um ambiente escuro claro, só não brilha igual a divulgação aí, é bem mais verde, e apaga rápido também, consegui tirar uma foto do meu aqui, é só fazer o que falei de jogar a lanterna do celular que fica fácil de capturar.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: