Retrospectiva 2019 – Editora JBC

Hoje, iniciamos a nossa tradicional série de postagens de retrospectiva, relembrando o que de melhor e o que de pior aconteceu no mercado de mangás em 2019. Fazemos isso todos os anos desde 2015 e agora não seria diferente. Para começar, iremos falar do ano da editora JBC.

Com a crise econômica que se iniciou por volta de 2013 ou 2014, os últimos anos foram conturbados para todos, mas no mercado de mangás os reflexos se mostraram bastante pesados  (ou antes transpareceram) a partir de 2016, mas principalmente em 2017 e 2018, quando os problemas do mercado editorial, em especial o calote de duas grandes redes de livrarias e o colapso da distribuição tornaram-se mais intensos.

Aos olhos do consumidor, a JBC foi a editora que pareceu mais sentir isso, pois ela teve mudanças significativas ao longo desse tempo. A empresa, que lançava tudo em periodicidade mensal, passou a publicar quase tudo bimestralmente, diminuiu o número de publicações, retardou o início da publicação de várias séries, deixou em stand by várias outras, parou de distribuir em bancas de revistas, e mais recente fez outra alteração de periodicidade, passando a publicar mangás em blocos (dois, três ou até quatro volumes de uma vez).

Todas essas mudanças foram para se adequar ao momento, a tudo o que acontecia no mercado editorial e no país, ou seja, eram medidas necessárias para manter o funcionamento sadio da empresa. Alguns consumidores, no entanto, não entenderam a situação e fizeram várias críticas em momentos específicos (como a não republicação de Inu-Yasha até hoje), muitas vezes de forma inoportuna. Outros consumidores, porém, ficaram preocupados com a situação da JBC, torcendo para uma recuperação da editora.

Em 2019, esses reflexos ainda pareciam se mostrar bastante com certas obras paradas e alguns títulos novos ainda sem previsão de lançamento, porém, embora a JBC continue não apresentando aquele ímpeto de antes da crise (em que ela era uma concorrente que publicava títulos de igual para igual com a Panini), ao longo do ano a empresa foi se modificando aos poucos e, aos olhos do consumidor, mostrando-se mais estável, demonstrando que o pior já havia passado e que agora as coisas começariam a caminhar mais, ainda que de maneira lenta e gradual. Até Sakura Wars, anunciado em 2016, ganhou uma previsão de saída, o que era um tanto quanto impensável até um tempo atrás.

De forma mais objetiva, os números de volumes publicados é um indicador interessante da saúde da empresa, visto que depois de três anos seguidos de queda, houve um aumento número de publicações, voltando a passar da casa dos 100 tomos. Ainda é menor que o número dos últimos anos, mas ao menos é maior que 2018.

Gráfico 1. Número de volumes de mangás publicados pela JBC. O número não inclui light novels. Fonte dos dados: Blog BBM e Guia dos Quadrinhos.

Em relação ao número de títulos novos (lançamentos), 2019 também registrou um aumento. Em 2018, a empresa havia lançado apenas 7 novidades (número pequeno semelhante aos anos de 2008 e 2009), mas agora em 2019 foram 12 ao todo. Ainda não é um valor tão alto assim, mas ao menos mostra um pequeno crescimento e está quase no patamar dos “melhores” anos.

Gráfico 2: Número de títulos novos pela JBC (2011-2019). Os números incluem mangás, light novels, databooks e mangás nacionais. Fonte dos dados: Blog BBM e Guia dos Quadrinhos.

Esses números são bem frios por assim dizer. Eles mostram que a JBC está publicando mais e apenas isso. Ou seja, não dá para se extrair muita coisa. Entretanto, a gente imagina que se a situação estivesse muito ruim, ela não iria publicar tanto assim. O todo da situação também mostra isso, pois a JBC criou dois novos selos de quadrinhos nacionais e está dando continuidade ao projeto do mangá nacional do Jaspion. Ou seja, diferente dos anos anteriores em que era perceptível para o consumidor uma certa estagnação, agora é possível vislumbrar um caminhar para a frente, ainda que com passos lentos.

Obviamente, não há como sabermos o estado real da empresa, mas a impressão final de 2019 é que ela está melhor do que em 2018 e como consumidores de mangás é o que a gente realmente espera.

***

Mas para além disso tudo, coisas importantes aconteceram na JBC em 2019. A mais impactante delas, por pegar a todos de surpresa, foi a saída de Cassius Medauar, que era a cara da editora desde 2012, tanto nos vídeos do Henshin Online, quanto nos eventos. Sem ele foi como se repente a JBC se transformasse em uma outra empresa, com uma outra identidade.

O Henshin Online, a série de vídeos da editora no Youtube, também sofreu mudanças, deixando de ser um programa informativo para se transformar em um quadro com curiosidades e entrevistas. O problema é que, com exceção de uma ou duas pessoas, quem apresenta os vídeos têm pouco carisma, não os deixando tão agradável assim.

Sobre os preços, eles continuaram altos, com todos os novos títulos saindo acima de R$ 20, visto que a empresa não distribui mais em bancas de revistas e não há mais tantos pontos de vendas. Ainda assim houve espaço para surpresas, algumas negativas como o Fruits Basket a R$ 52,90, mas outros positivas como o Fairy Tail Blue Mistral a apenas R$ 22,90 (até então nenhum mangá em Lux Cream havia sido lançado por menos de R$ 23,90).

***

Por falar em coisas positivas, a JBC continuou a lançar mangás em formato digital também. Para quem não se lembra, no final de 2017, ainda em meio à crise, a JBC começou a publicar ebooks de mangás no Brasil. Em 2018, isso continuou e a empresa até iniciou o lançamento simultâneo de um mangá com o Japão, Edens Zero. E agora em 2019, a empresa manteve o ritmo de publicações e ainda começou a ter mais simulpubs, The Seven Deadly Sins, HERO’s (já concluído) e Cardcaptor Sakura Clear Card Arc.

A empresa ainda começou a usar uma nova estratégia para o formato digital, o lançamento de obras primeiro em ebook e só um tempo depois impresso. Ela fez isso com Overlord (light novel), Fire Punch, Sakura Wars e Gunsmith Cats Burst.

Para 2020, a empresa já tem planejado vários títulos novos para serem publicado em ebook, como Magi, Death Note, Cavaleiros do Zodíaco e Yu Yu Hakusho.


TÍTULOS NOVOS


Essa é a lista dos 12 títulos lançados pela editora JBC em 2019.


TÍTULOS CONCLUÍDOS


Além das obras de volume único, a editora concluiu durante 2019 nove mangás, a saber:


UM APANHADO DOS TÍTULOS DA EDITORA


A heroica lenda de Arslan: teve seus dois primeiros volumes lançados em dezembro. O mangá possui 12 volumes e ainda está em andamento no Japão.

Akira: durante o ano, a empresa publicou os três volumes finais da obra, concluindo ela agora em dezembro. Depois de anos de espera, a segunda versão brasileira de Akira finalmente está concluída.

Bastard!: a obra segue parada no Japão há anos. Sem novidades quanto a isso.

Battle Angel Alita – Last Order: durante o ano, a JBC publicou seis dos doze volumes da obra, chegando na metade. Se mantiver o ritmo, o mangá deve ser concluído em 2020.

Blue Exorcist: a JBC publicou os volumes 21 e 22 agora na segunda metade do ano. Os volumes 23 e 24 devem sair no primeiro semestre de 2020.

Cardcaptor Sakura Clear Card Arc: a continuação de Cardcaptor Sakura começou a sair agora em 2019 e alguns volumes já foram lançados. Lembrando que a obra ainda está em andamento no Japão, atualmente com 7 volumes.

Cavaleiros do Zodíaco – Kanzenban: o mangá em capa dura da JBC acabou saindo trimestralmente em 2019 e somente quatro volumes foram publicados. Faltam seis para a sua conclusão no Brasil.

Cavaleiros do Zodíaco – Next Dimension: o mangá não teve nenhum volume publicado durante o ano e seguirá assim indefinidamente. A editora quer lançar aos menos dois volumes de uma vez e no Japão só foi lançado um, o volume 11. Os fãs terão que esperar um tempo mais.

Cavaleiros do Zodíaco – Saintia Shô: o mangá não teve nenhum volume lançado em 2019. A editora estava esperando sair o volume 13 no Japão para poder lançar o 12 e o 13 juntos. Assim, eles devem sair no início de 2020.

Cavaleiros do Zodíaco – The Lost Canvas [Edição Especial]: o mangá saiu regularmente durante o ano, com 10 volumes publicados, chegando ao número 15. Agora faltam dez para sua conclusão.

D.N.Angel: o mangá voltou a ser lançado no Japão, teve dois volumes lançados e por aqui a JBC não deu nenhuma novidade sobre o título. Então não sabemos nem se a editora ainda possui a licença da obra.

EDENS ZERO: A obra atual de Hiro Mashima continuou a ser lançada normalmente e já estamos no volume 5. No início de 2020, a JBC deve lançar os números 6 e 7.

Fairy Tail Blue Mistral: o spin-off começou em novembro e acabou em dezembro, com uma publicação voando, saindo dois volumes por mês.

Fire Punch: a obra teve seis volumes publicados em 2019, faltando apenas dois para a sua conclusão.

Freezing: o mangá não ganhou nenhum volume durante o ano. Entretanto, a editora já prometeu que os números 32 e 33 sairão no início de 2020.

Fruits Basket Edição de Colecionador: a nova versão do mangá teve dois volumes publicados durante o ano. Agora faltam dez para ser concluído. Saindo bimestralmente, deve ser encerrado em julho de 2021.

Gangsta.: o mangá não teve nenhum volume publicado durante o ano e continuará assim por enquanto, em um caso similar ao de Cavaleiros do Zodíaco Next Dimension. A editora quer lançar dois volumes (o 8 e o 9), mas no Japão só existe o 8 até o momento.

Hokuto no Ken: o clássico shonen começou a sair agora em 2019 e teve cinco volumes publicados. Está saindo mensalmente por enquanto. Se continuar assim, deve ser encerrado no início de 2021. São 18 volumes no total.

Hunter x Hunter: a editora publicou durante o ano os volumes 35 e 36, agora ficando em igualdade com o Japão. A JBC tem que esperar sair novos volumes por lá.

My Hero Academia: durante o ano, a editora publicou um monte de volumes de My Hero Academia, chegando ao volume 24 e encostando com a publicação japonesa. Lá já saiu o 25, mas a JBC esperará sair o 26 para publicar os dois juntos.

NANA: a obra segue parada no Japão há anos. Sem novidades quanto a isso.

Overlord (Light Novel): teve o seu primeiro livro lançado durante o ano. Ainda não há uma previsão para o segundo. A JBC comentou que o esquema de licenciamento dessa obra foi diferente, em que ela “comprou” o primeiro volume da light novel e os quatro primeiros da adaptação em mangá. Para lançar mais light novels, precisa primeiro lançar os mangás.

Platinum End: A empresa já lançou dez volumes e agora está esperando sair o 12 no oriente para poder lançar o 11 e o 12 juntos.

Terra Formars: A JBC publicou os volumes 21 e 22 e agora está em igualdade com o Japão. A empresa terá que aguardar saírem novos volumes por lá.

The Seven Deadly Sins: Segue sendo publicado regularmente à medida que saem novos volumes no Japão. Os números 37 e 38 devem sair em breve, no início de 2020.

Ultraman: a obra não teve nenhum volume publicado durante o ano, mas a editora já comentou que os quatro volumes seguintes devem ser lançados no primeiro semestre de 2020.

UQ Holder!: Sem ganhar volume novo desde fevereiro, o mangá terá novos números editados já no comecinho de 2020.

X-1999: a obra segue parada no Japão há anos. Sem novidades quanto a isso.


TÍTULOS LICENCIADOS PARA 2020 EM DIANTE


Ainda existe o Inu-Yasha, mas esse não parece que sairá tão cedo (se sair).


Retrospectiva é uma série de postagens que fazemos todos os anos para relembrar o que de melhor e pior aconteceu no mercado brasileiro de mangás, além de outras notícias relacionadas ou não ao nosso país. Todas as postagens ficarão disponíveis neste link.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s