Desmistificando: A Polêmica por Trás de NGNL

O que é o questionável uso de tracing?

Talvez você já tenha ouvido alguém comentando como o autor supostamente abandonou o mangá de No Game No Life ou o anime por ter sido pego copiando as artes de outros artistas e autores. Embora esse não seja o motivo oficial dos problemas e supostos “abandonos” dessas duas mídias, de fato o autor foi pego fazendo tracing em toda, literalmente toda, a franquia de NGNL, no mangá, capas e extras do anime e também na novel.

Mas o que seria “tracing“? Para ser verdadeiramente uma cópia de algo, aquilo tem que ser literalmente a reprodução de forma “fiel” em outro lugar. Casos disso aconteceram e acontecem o tempo todo em todo lugar, inclusive nos mangás, mas esse não é exatamente o caso de NGNL. Tracing é uma cópia parcial, é quando o autor utiliza outra obra por baixo do papel para traçar por cima o contorno ou pedaços do traço original (ou qualquer outra forma de sobreposição).

Tracing está numa linha invisível entre copiar e usar de material de referência que, embora extremamente polêmico, é difícil de processar ou de criminalizar. De fato, tracing é usado o tempo todo com fotos, tanto no passado, como os casos de Slam Dunk e as fotos da NBA, tanto no presente, com o autor de Ajin utilizando fotos do ator Hugh Laurie.

tumblr_nlr2teKz4G1r9sex0o1_500   bLH3fzg

No caso das fotos, entretanto, estamos falando da passagem entre um tipo de imagem real para um desenho e, por mais que haja a sobreposição e cópia de contornos, por causa disso existe uma diferença conceitual importante dentre os dois. É por isso mesmo que é até difícil provar se é de fato um tracing ou se o autor apenas usou de base, de material de referência. É possível também que o autor faça tracing de materiais que ele mesmo fez, como os artistas que usam fotos de cidade e locais tiradas por eles mesmos (um exemplo disso é, Boichi, o autor de Sun-Ken Rock).

1O6tlDpMaterial de referência todos os mangakás usam, sério, especialmente os autores com aquele traço mais realista, é impossível de se desenhar os músculos em um cavalo sem ver um cavalo real via foto, esquema anatômico. Mas mesmo os autores de traços mais simples também usam para desenhar cenários, monumentos, cidades, animais ou o que seja, é necessário ter um modelo ou já ter pelo menos visto uma vez na vida. Existem até bonecos anatômicos e livros de material de referência para autores, o mais interessante que já vi foi um imenso de fotos de pessoas se despindo, literalmente mais de cem páginas de modelos tirando cada pedaço da vestimenta passo a passo. A importância do material de referência é tamanha que editoras pagam e bancam pesquisas e viagens ao redor do mundo para seus autores mais prestigiados.

Mas voltando ao ponto, é muito difícil de se destingir entre material de referência e tracing de foto, o autor tem que copiar muito e muitos detalhes para percebermos o tracing sendo usado. Só que nada disso é o caso de NGNL, o autor Yuu Kamiya e seu jeitinho brasileiro não faz tracing de foto, e aqui que mora a grande polêmica, ele faz tracing de ilustrações de outros artistas, sejam elas de mangás, ilustrações, fanarts e até capas de CD. Uma coisa é ter um traço parecido, como One Piece e Fairy Tail ou Naruto e 666 Satan, outra coisa é copiar na cara dura o contorno e posição na arte, parte da criatividade e design, de outras pessoas sem lhes dar nenhum crédito.

cdn60.atwikiimg.comA polêmica do tracing em cima da arte de outros não está apenas no ato em si, mas na ideia de que para se fazer isso de forma abrangente o autor “trapaceiro” teria que ter uma biblioteca ou coletânea de imagens pré-selecionadas. Como assim? Pensa o seguinte, você já fez aquele trabalho ou projeto em que queria uma imagem ilustrativa? Quanto tempo você levou olhando imagens no Google até achar algo perfeito? Como blogueiros aqui da BBM, a gente sabe na pele como pode levar horas para achar aquilo que você precisa.

No caso de uma arte, a especificidade do que o autor precisa é imensa, se ele parasse e pesquisasse a cada imagem em fontes diferentes, o tempo que levaria tornaria o mangá impraticável. O que leva a acreditar que o autor na má fé colecione e vá guardando imagens que viu e tem interesse em usar no futuro previamente, o que com a internet é ridiculamente fácil, concorda? Essa constatação, somada ao uso excessivo e abrangente, mais a prática de tracing em si é o centro da polêmica em relação ao autor brasileiro.q.gif

Além dos problemas óbvios de autoria e direitos autorais que caem numa área difícil de se provar e processar, essas cópias ou plágios são consideradas trapaças e desrespeito, extremamente caçadas e criticadas pelo público. Por isso mesmo o caso de NGNL é super interessante, pois, como você verá abaixo, não há a menor dúvida que o autor pratica tracing, com sites dedicados a caçá-los e prová-los, mas o autor continua fazendo-o descaradamente, sem que a editora japonesa tenha tomado qualquer providência.

qwAparente NGNL vende tanto e tão bem que a maioria está disposta a fazer vista grossa e deixar o autor fazer o que bem entende, gerando, com razão, enorme descontentamento entre os fãs e aficionados por mangá e autores plagiados. Isso vem auxiliado também do fato de ser tão difícil de se processar algo assim, além da batalha judicial longa e controversa, que pode não dar em nada, o retorno financeiro de um processo desse é quase nulo, já que é apenas um pedaço do direito criativo de uma de muitas imagens e conteúdos de um livro. O valor de royalties associado a algo assim não pagaria de forma alguma os anos de advogados e audiências, ainda mais contra uma editora de grande porte, no caso a Kadokawa.

Até o momento, publicamente, nenhum plagiado comprou a briga e o autor continua abertamente praticando tracing sem dó, cada vez mais na cara dura. Muito provável que o novo volume, o nono, que saiu recentemente no Japão também terá várias de suas imagens questionadas com o tempo.

***

Mas bem, até aqui você já entendeu os problemas relacionados à prática de tracing e o que é, mas será mesmo que o autor pratica isso ou o pessoal está exagerando?

Questionamentos sobre Kamiya e tracing apareceram pela primeira vez em 2008, onde desenhos do autor na novel Itsuka Tenma no Kuro Usagi foram comparados a artes de D.Gray-man (abaixo). Na época, embora existisse semelhanças, não pareciam ser cópias, talvez no máximo ter usado de referência.

tracing1tracing2Em 2011, fãs começaram a notar várias semelhanças nas várias ilustrações do autor, criando a suspeita que ele criava seus desenhos em cima de outros. A suspeita deu à luz diversas descobertas.

No ano seguinte o autor lançou NogeNora, como NGNL é carinhosamente chamado pelos japoneses, e com isso veio mais uma enxurrada de casos de plágio. A partir daí, a cada novo volume, japoneses se unem numa caçada em busca de possíveis imagens copiadas.

Aí embaixo você verá uma lista extensa de casos e mais casos (comparando uma imagem do autor, na direita, a uma de outra fonte) onde há suspeita do uso de tracing, alguns são questionáveis, outros são inegáveis. Em alguns casos a sobreposição é tão absolutamente perfeita que a chance de ser mero acaso ou coincidência beiraria a chance de você ganhar na loteria seguidamente.

Se você prestar atenção nas datas (no Japão se escreve ano/mês/dia), dá para notar que as mais antigas parecem apenas ter sido usadas de referência, mas depois de um tempo a impunidade parece ter subido à cabeça do autor e as cópias começaram a ficar descaradas, especialmente em relação às mãos.

Clique em qualquer uma das imagens para ver um tamanho maior e mais detalhado.

Um último comentário, as descobertas e comparações são frutos dos esforços de várias pessoas, tais por sua vez foram recolhidas e divulgadas neste site. Não temos qualquer direito sobre as imagens ou responsabilidade pelas comparações e exatidão dos dados. Mais aparecem o tempo todo, de forma alguma temos a intenção de divulgar todos os casos imagináveis e existentes.


E esse foi o Desmistificando de hoje, a coluna semanal, lançada nas quintas-feiras, sobre o mercado e mangás brasileiros e internacionais. Você pode ver todas as outras postagens anteriores desta coluna aqui. Se você tem sugestões ou comentários utilize o formulário abaixo, são sempre bem-vindos! 🙂

33 Comments

  • [ ]

    Pelo visto conheces apenas probabilidade. Usarei a representação vetorial por coordenadas polares para provar que o ato não é criminoso. Por exemplo: imagine a representação de um cubo nos pontos ( 5k; 3j; 4i); se traçarmos um risco contínuo (A) em 3j; 5k; 4i e depois traçar outro (B) em 4i; 3j; 5k, logo, a representação para ambos os vetores no espaço será a mesma ( imagine duas setas apontando para a diagonal superior direita com mesmo comprimento e simetricamente iguais). Onde as sequências de pontos são os desenhos A e B e a representação vetorial é a posição em que ambos os desenhos foram desenhados. Como já argumentei, a posição simétricamente perfeita entre os elementos dos desenhos eu associo à preguiça e falta de ética (por falta de créditos).

    • Roses

      A falta de ética ser criminosa ou não é uma mera questão de legalidade. O ato existe, sua legalidade cabe à moral e leis do país. Rs

  • [ ]

    Nada de mais. O maior problema que pode ser associado é preguiça e falta de ética. Se alguém desenhar um personagem x em uma posição e desenhar um personagem y na mesma posição não há nada de mais, pois apenas a posição é a mesma. Criminalizar isso seria atestar degradação patente no discernimento entre o honesto e o criminoso.

    • Roses

      Não se trata de uma mesma posição, como ambos estão sentados. É o fato de cada um dos traços estarem na mesma posição em relação um do outro. Tente você em casa, pegue um papel, desenhe uma estrela, um quadrado, etc. Depois pegue um papel seda e faça o mesmo, é impossível que você desenha da mesma forma. Mesmo o cara profissional, há variações entre os desenhos, não tem como um ser humano fazer uma xerox. Agora se você pegar esses exemplos acima e fazer isso, eles ficam perfeitamente alinhados. Isso é IMPOSSÍVEL de se fazer ao acaso, é impossível de se fazer só olhando e tendo como referência, só acontece quando você põe o desenho por baixo e copia mesmo, isso se chama tracing, não é criminoso, mas beira a criminalidade sim. Você usa do trabalho de outro para gerar o seu, sem pagar nada ao primeiro.

  • Algumas são mais dificil de notar. Algumas fica dificil de dizer se foi copia da ima gem ou usaram a mesma foto. principalmente se só for o movimento que esta copiado. As vezes se pesquisar uma imagem vai ver que ela copiou uma pessoa que copiou outra e por ai vai… As vezes uma pose muito simples, sem um angulo definido pode gerar imagens muito parecidas.
    Por exemplo uma pessoa empe com ambos os braços abaixados. Mas geralmente esse tipo de pose que se repete são os desenhos considerados duros… e que não tem movimento, tem um angulo simples,… desenhos simplistas ao estremo…. Mas o real problema é quando até o estilo é copiado…
    Muitas, a maioria da para ver quando é copia, mas algumas fica um pouco difícil de dizer.

    • Roses

      Os pedaços assinalados são cópias exatas, de colocar uma sobre a outra e dar o mesmo contorno exato. Você está confundindo porque está olhando a imagem como um todo, com roupas e tal, é não os pedaços assinalados. Não é uma questão de achismo e opinião, basta pegar um programa de subtração, por uma imagem contra a outra e ver se algo aparece. A subtração vai retirar tudo que as imagens não têm em comum, se sobrar pedaços inteiros e bem definidos, é uma cópia. Independente de se é uma cópia de uma cópia, continua uma cópia. Também com matemática é possível calcular a probabilidade daquilo acontecer ao acaso. Nada disso é uma questão de opinião, é matemática. Com essa mesma matemática você pode processar sim o autor que copiou, a questão é que esse é um processo lento e caro, especialmente quando se vai contra uma grande empresa, e os custos acabam sendo grandes demais para o lucro quase inexistente.

  • OK, lendo e entendendo a situação eu acredito que ele já é incrível por ter uma obra de sucesso e uma ótima narrativa , mas como artista ele poderia “melhorar” quero dizer é um fato que ele usa e abusa de referencias para criar suas ilustrações , acontece que ele esta totalmente dependente disso ele sabe desenhar assim , eu acredito que o próximo passo para ele seria treinar a imaginação , a parte criativa do desenho, pensar em algo original .
    conseguindo evoluir nessa área, vai resolver o problema , quero dizer ele já é bom

    • Henrique Cassiano

      “ótima narrativa”
      Eu só ouvi o contrário sobre a obra.

  • […] No Game No Life é uma light novel escrita e desenhada pelo brasileiro Thiago Furukawa Lucas (conhecido como Yuu Kamiya) e está em produção desde 2012, possuindo atualmente 9 volumes, além de um gaiden. A obra ganhou algumas adaptações como um mangá (parado há alguns anos e sem previsão de retorno) e um animê de 12 episódios que foi ao ar em 2014 e fez a popularidade da série subir incrivelmente. Volta e meia recaem críticas sobre o autor por causa da prática de tracing existindo até diversas comparações na Internet que comprovariam o fato. Saiba mais sobre essa polêmica, clicando aqui). […]

    • Roses

      Não necessariamente, sendo a lei, plágio é quando você assina ou apresenta algo produzido por outro como seu. Não é esse o caso. Seria mais uma questão de uso de materiais com direitos autorais sem permissão para produzir seu próprio. É um quebra de direitos autorais e não de plágio. 🙂

  • Natália Maria

    Uau. Agora fiquei chocada. Quem diria que existisse e que o autor fazia isso?
    Quando você estava falando no caso de usar foto de alguém como referência, lembrei na hora do ilustrador americano Alex Ross, que usa foto de seus familiares para fazer o realismo de suas artes (o autor, mesmo sendo americano, fez algumas artes de Force G, lindas)…
    É uma pena que o autor se utilize desse meio, usando o tão velho e nada legal jeitinho brasileiro. #chateada

  • Fabio Rattis

    tem q atualiza o post, com mais imagens kkkkkkkkkkkk q vao sendo descobertas.

Comments are closed.

%d blogueiros gostam disto: